ceo da braiscompany antonio neto ais
CEO da Braiscompany Antonio Neto Ais (Foto: Reprodução/Instagram)

Uma semana depois de a Polícia Federal derrubar a suposta pirâmide financeira da Braiscompany, a empresa paraibana está ao léu e sem ninguém no comando. Nesta quinta-feira (23), o escritório de advocacia Orlando Virginio Penha & Associado, que representa o grupo, enviou um comunicado no qual descreveu o atual cenário da antiga promessa de Campina Grande.

Em carta aos funcionários da Braiscompany, o advogado Orlando Penha, que liderava a equipe jurídica da empresa nos últimos anos, traça a atual situação da empresa “abandonada” por seu casal fundador, Antônio Neto Ais e Fabrícia Campos, atualmente foragidos da Justiça.

Publicidade

“A empresa, por opção própria, não tem diretores aptos a responder indagações administrativas, uma vez que tudo era comunicado diretamente pelos Srs. Antônio Neto e Fabrícia Campos, que agora se encontram foragidos”, diz o advogado que em seguida afirma não ter recebido nenhuma orientação dos líderes da Braiscompany.  

“Como sempre foi informado, o escritório de advocacia não tem o condão de dar qualquer orientação a respeito do direcionamento da empresa, especialmente porque sequer foi demandado para ajuizar ação de recuperação judicial ou de falência, nem recebeu informações sobre possíveis fundos da empresa capaz de fazer a empresa se recuperar.”

Carta do advogado da Braiscompany

O documento por fim traz orientações para os funcionários, entre elas procurar apoio jurídico e interromper publicações nas redes sociais sobre a Braiscompany.

“A orientação é que cada um dos colaboradores, seja empregado ou prestador de serviço, procure assistência jurídica particular para orientação de forma individual. Orientamos, por fim, que cessem as publicações nas redes sociais, assim como qualquer assinatura de contratos administrativos e afins, com o fito de cumprir fielmente a ordem judicial.”

Publicidade

Com base nesta carta do escritório de advogacia, blogs locais da Paraíba afirmaram que os todos os funcionários da Braiscompany foram demitidos. No entanto, o documento — que pode ser lido na íntegra aqui — não faz qualquer menção sobre desligamentos. Pelo contrário, o advogado Orlando Penha afirma não ter capacidade de dar “qualquer orientação a respeito do direcionamento da empresa”.

O Portal do Bitcoin tentou contato com o escritório de advocacia para buscar mais informações, porém os telefones informados pelo grupo não recebem mais as chamadas.

Segundo a Polícia Federal, Braiscompany pode ter provocado um rombo de R$ 1,5 bilhão. O balanço da empresa de 2022 mostra que o esquema detinha pelo menos R$ 774 milhões no caixa. Em 2021, a empresa encerrou o ano com R$ 170 milhões do dinheiro dos clientes.

VOCÊ PODE GOSTAR
Imagem da matéria: Tokenização de ativos do mundo real: como está o mercado hoje e até onde pode chegar | Opinião

Tokenização de ativos do mundo real: como está o mercado hoje e até onde pode chegar | Opinião

A expectativa é que o mercado de tokenização de ativos chegue a trilhões de dólares até 2023
Imagem da matéria: Mt. Gox: relembre a ascensão e queda da exchange que vai distribuir bilhões em Bitcoin

Mt. Gox: relembre a ascensão e queda da exchange que vai distribuir bilhões em Bitcoin

Mais de uma década após a maior exchange de Bitcoin do mundo ser hackeada, os credores da Mt. Gox finalmente receberão seus reembolsos; aqui está o que aconteceu
Dedo indicador apoia bolo de dinheiro em forma digital

LIFT Lab do BC retorna com edição focada em blockchain, tokenização e cripto

Desde 2018, projetos que chegaram na fase de aceleração do LIFT Lab receberam R$ 400 milhões da iniciativa privada para serem desenvolvidos
Imagem da matéria: MB lança token de crédito corporativo de R$ 10 milhões para a Rappi Brasil

MB lança token de crédito corporativo de R$ 10 milhões para a Rappi Brasil

Com aportes a partir de R$ 100 e ganho estimado de 15% a.a., ativo é opção de renda fixa digital de curto prazo