Imagem da matéria: Nova atualização atrasa bomba de dificuldade da rede Ethereum para outubro
(Foto: Shutterstock)

Outro dia, outra atualização para o Ethereum, à medida que a maior plataforma de contratos autônomos do mundo dá outro avanço rumo à Fusão, que irá levar a rede para o sistema proof of stake (PoS).

Chamada de “Gray Glacier”, a nova atualização da blockchain, que teve início nesta quinta-feira (30), aconteceu no bloco número 15.050.000, com o objetivo de apresentar mudanças na chamada bomba de dificuldade da rede, atrasando-a para daqui a 700 mil blocos ou cerca de 100 dias – caso sejam exatos 100 dias, a data cairá em 8 de outubro.

Publicidade

A atualização Gray Glacier é a bifurcação drástica (ou “hard fork”) da rede, ou seja, está criando novas regras para melhorar o sistema e exige que operadores de nós e mineradores façam o download da versão mais recente dos clientes Ethereum.

“Se você está usando um cliente Ethereum que não foi atualizado para a versão mais recente, […] seu cliente será sincronizado para o blockchain pré-bifurcação quando a atualização acontecer”, afirmou a Ethereum Foundation previamente.

Em outras palavras, os clientes que não fizeram a atualização ficarão presos em uma blockchain incompatível, ou seja, operadores não serão capazes de enviar ou operar na rede Ethereum após a atualização.

Nem todos os operadores de nós e mineradores seguiram as recomendações prévias, pois dados do Ethernodes mostram que apenas 65% dos clientes estavam completamente preparados para a atualização Gray Glacier.

Publicidade

Erigon, o segundo maior cliente da rede, foi o único a ter todos os seus 164 clientes atualizados.

Geth, o cliente mais popular da rede, estava apenas 67% pronto, pois cerca de 448 clientes estavam operando o software desatualizado. Nethermind e Besu tinham 76% e 78% de seus clientes atualizados, respectivamente.

O que é a “bomba de dificuldade” do Ethereum?

A bomba de dificuldade, que existe no Ethereum desde o início, é uma parte do código de programação responsável por aumentar cada vez mais a dificuldade de mineração de ether (ETH), a criptomoeda nativa da rede, e desincentivar mineradores a continuarem suas operações à medida que a rede migra de seu atual algoritmo proof of work (ou PoW) para o modelo de consenso proof of stake (ou PoS).

“Detonar” a bomba de dificuldade significaria que a transição — também conhecida como “Fusão” — estaria bem próxima.

Uma implementação da Fusão já foi realizada na rede de testes Ropsten no início de junho. O criador do Ethereum, Vitalik Buterin, e outros desenvolvedores anteriormente disseram que, “se tudo acontecer conforme o planejado”, a transição poderia acontecer em agosto deste ano. 

No entanto, atrasar a bomba de dificuldade em outros 100 dias torna improvável que o cronograma seja seguido pois, agora, essa EIP-5133 está prevista para meados de setembro como um novo intervalo de tempo para a implementação do mecanismo.

Publicidade

Anteriormente, o mecanismo da bomba de dificuldade já foi adiado em cinco diferentes atualizações de rede: Byzantium, Constantinople, Muir Glacier, London e na mais recente atualização Arrow Glacier, em dezembro de 2021.

*Traduzido por Daniela Pereira do Nascimento com autorização do Decrypt.co.

VOCÊ PODE GOSTAR
Ilustração de bandeira do Brasil dentro moeda de Bitcoin

Fundos cripto do Brasil captam mais R$ 1,5 mi e chegam a 21ª semana consecutiva de entradas

Vindo de uma grande sequência de captação, fundos de criptomoedas do Brasil estão em 3º lugar no ranking global, atrás apenas dos EUA e Hong Kong
Ilustração da memcoin em Solana Bonk

Como criar uma memecoin em Solana com a Pump.fun

Protocolo viralizou ao permitir a qualquer pessoa criar uma criptomoeda por cerca de R$ 15
Imagem da matéria: Bitso lança carteira Web3 para facilitar conexão com aplicativos DeFi

Bitso lança carteira Web3 para facilitar conexão com aplicativos DeFi

Bitso Web3 Wallet suporta Ethereum, Polygon, Arbitrum, Base e Optimism e permite acesso a mais de 2 mil tokens
Imagem da matéria: Em operação contra “Rei do Bitcoin”, PF descobriu fraude em contratos públicos envolvendo irmão do ex-governador do Paraná 

Em operação contra “Rei do Bitcoin”, PF descobriu fraude em contratos públicos envolvendo irmão do ex-governador do Paraná 

Nova operação da Polícia Federal apura crimes ligados às investigações da operação Daemon, de 2021, que prendeu o “Rei do Bitcoin”, Claudio Oliveira