Imagem da matéria: Mixer de Bitcoin sancionado nos EUA relança com novo nome — só para ser bloqueado outra vez
Foto: Shutterstock

No início deste ano, surgiu a notícia de que o mixer de criptomoedas Blender, sancionado pelo governo dos EUA, foi relançado como um aplicativo diferente chamado Sinbad.

Agora, as autoridades federais estão indo atrás do controverso sucessor.

Publicidade

Em um anúncio na quarta-feira (29), o Escritório de Controle de Ativos Estrangeiros (OFAC) do Departamento do Tesouro dos EUA afirmou que sancionou o aplicativo Sinbad porque o grupo de hackers norte-coreano Lazarus Group o utilizou para lavar milhões de dólares em fundos de origem suspeita.

“O Sinbad também é utilizado por criminosos cibernéticos para obscurecer transações vinculadas a atividades malignas, como evasão de sanções, tráfico de drogas, compra de materiais de abuso sexual infantil e vendas ilícitas adicionais em mercados clandestinos na darknet”, diz o comunicado.

O site do Sinbad agora exibe uma mensagem informando que o serviço foi sancionado.

As sanções ao Blender

As autoridades sancionaram o Blender em maio de 2022. A empresa de análise de blockchain Elliptic afirmou na época que acreditava que o misturador de moedas havia sido relançado como Sinbad e continuava a lavar dinheiro roubado de ataques cibernéticos.

Blender e Sinbad são mixers de criptomoedas — ferramentas que permitem aos usuários enviar e receber anonimamente criptomoedas como Bitcoin ou Ethereum. Eles funcionam combinando transações para obscurecer sua origem e destino.

Criminosos, como o grupo patrocinado pelo estado Lazarus Group, vinculado a centenas de milhões de dólares em criptomoedas roubadas, usam misturadores de moedas para encobrir seus rastros.

Publicidade

As autoridades disseram na quarta-feira que hackers usaram o Sinbad para lavar fundos do roubo de US$ 620 milhões no jogo play-to-earn Axie Infinity e no ataque à Horizon Bridge, onde US$ 100 milhões em criptomoedas foram roubados.

As autoridades dos EUA também proibiram no ano passado que cidadãos dos EUA usassem o Tornado Cash, um misturador de moedas da rede Ethereum e suposto favorito do Lazarus.

A medida recebeu críticas de políticos e alguns na comunidade cripto, que afirmaram que a privacidade é um direito e que criminosos não são os únicos usuários desses aplicativos.

Em agosto, um tribunal afirmou a decisão do Departamento do Tesouro de sancionar o projeto e rejeitou objeções alegando que a medida constituía uma violação dos direitos de liberdade de expressão dos usuários da Primeira Emenda dos EUA.

* Traduzido e editado com autorização do Decrypt.

You May Also Like
Imagem da matéria: Empresas divergem sobre regulação da custódia de criptos e apresentam diferentes soluções ao BC

Empresas divergem sobre regulação da custódia de criptos e apresentam diferentes soluções ao BC

Em consulta do Banco Central, empresas e associações avaliaram como garantir a segurança na custódia das criptomoedas dos clientes
Moedas de ether

Manhã Cripto: Ethereum (ETH) se aproxima de US$ 3 mil; Worldcoin dispara 40% e Revolut testa nova exchange

Com mercado americano fechado por conta de feriado, dia das criptomoedas é sem tendência definida, com o Bitcoin e Ethereum subindo
Tela de celular do Telegram

Jogo do Telegram, Notcoin tem 25 Milhões de jogadores e um token que em breve será real

“É basicamente um experimento sobre como distribuir moedas de maneira justa para uma enorme quantidade de pessoas”, afirma criador
Imagem da matéria: Memecoin Solana da GameStop despenca 70% — mas ainda não morreu

Memecoin Solana da GameStop despenca 70% — mas ainda não morreu

A GameStop (GME) continua dando sua volta na montanha-russa de preços, perdendo um enorme valor antes de se recuperar na quinta-feira (15)