Imagem da matéria: A China Pretende Retornar a Negociação de Bitcoin e Criptomoedas?

A CNLedger, uma fonte confiável de notícias chinesa sobre criptomoedas, revelou que a OKEX lançará uma plataforma de negociação p2p de mercado de balcão (OTC) de bitcoin/fiat.

“OkEx (e provavelmente, Huobi-Pro) lançará em breve uma plataforma de negociação de bitcoin P2P com várias moedas fiduciárias sendo suportadas”, informou o CNLedger. “Nós acreditamos que eles vão dar suporte a CNY e algumas outras como USD e JPY. Eles estão registrados fora da China, e estão operando independentemente da OKCoin. Eles não são tão convenientes quanto as exchanges e são menos seguros (muitos golpistas). Mas ainda é muito melhor do que nada.”

OKEX e Huobi-Pro estão em Hong Kong?

A OKEX está sediada em Causeway Bay, Hong Kong, e também outras empresas, incluindo BTCC e Huobi-Pro, que anteriormente operavam plataformas de negociação de bitcoin e outras criptomoedas na China. Mas, como observou a CNLedger, essas empresas planejam lançar mercados P2P OTC em Hong Kong, o que permitiria que os investidores trocassem o yuan chinês (CNY) por bitcoin e outras criptomoedas.

Publicidade

Sem a aprovação do governo chinês, seria difícil processar negociações em CNY e atender clientes chineses, investidores e traders. Assim, se a OKEX e a Huobi-Pro lançarem mercados de OTC de criptomoedas nas próximas semanas, provavelmente seria com permissão do governo chinês e do Banco Central da China (PBoC).

No momento, a maioria dos negócios dentro da China são processados ​​através de mercados OTC não regulamentados, como o LocalBitcoins. Para as autoridades chinesas, seria mais benéfico ter empresas reguladas de Hong Kong como a OKEX para processar negociações e não plataformas sem administradores de rede e intermediários.

No início deste mês, várias publicações de notícias estatais, incluindo a Xinhua, revelaram que o governo chinês está preocupado com o bitcoin e as criptomoedas sendo usadas para fins criminosos. A Xinhua observou especificamente que o governo chinês irá impor processos de “manutenção de registros, licenças e lavagem de dinheiro (AML)”.

Como o Japão e a Coréia do Sul fizeram nos últimos meses, é provável que o governo chinês introduza e aplique um programa de licenciamento mais rígido para exchanges de criptomoedas e, eventualmente, retome a negociação delas.

Publicidade

Leia Também: Se Bitcoin é Pirâmide, a Sociedade Também é, Diz Analista em Resposta ao BC do Brasil

Reeleição do presidente chinês Xi Jinping

A reeleição do presidente chinês Xi Jinping, que deverá alimentar a retomada do comércio de criptomoedas, está prevista para ocorrer no final deste ano. Analistas como Jon Creasy, um pesquisador da área, enfatizaram que a reeleição do presidente Xi poderia provavelmente levar à retomada das exchanges criptomoedas.

Creasy escreveu:

A minha previsão é esta: assim que o presidente Xi Jinping for reeleito – e ele será – uma legislação conservadora e a favor do livre mercado será implementada e as exchanges de Bitcoin serão reintegradas. Na verdade, não ficaria surpreso ao ver o governo chinês incentivar certas empresas e criptomoedas. Historicamente falando, o presidente Xi Jinping foi um dos maiores defensores do livre mercado que a China já viu em algum tempo, e espero que essa tendência continue.

Leia Também: Bitcoin se Aproxima dos US$ 6.000 Após Atingir Nova Máxima Histórica; R$ 20 Mil no Brasil

VOCÊ PODE GOSTAR
Bandeira do Japão

Gate.io de saída do Japão: empresa vai transferir clientes para corretoras de criptomoedas locais reguladas

A exchange deixará de aceitar novos registros de contas de residentes japoneses e iniciará o encerramento gradual dos serviços
Donald Trump posa para foto em evento político nos EUA

Trump cobrará R$ 5 milhões de quem quiser dividir mesa com ele em evento de Bitcoin

Uma foto com Trump também custará caro aos participantes, indo de R$ 330 mil a R$ 550 mil
Moedas de bitcoin sob bandeira da Argentina

Argentina sanciona lei que permite aumento de capital de empresas com criptomoedas

Javier Milei também nomeou um especialista em blockchain para liderar Agência Federal de Segurança Cibernética