Imagem da matéria: Japão Emite Licenças para 11 Exchanges de Bitcoin

A Agência de Serviços Financeiros do Japão (FSA) emitiu licenças de operação para 11 exchanges de bitcoin.

Em um anúncio hoje, o regulador confirmou a ação, que segue uma alteração à lei de serviços de pagamento que exigiu que todos as exchanges de criptomoedas se registrem com as autoridades até o final de setembro. Aprovado em abril, a nova lei estabeleceu o bitcoin como um método de pagamento legal e extrapolou diretrizes de segurança para as exchanges de criptomoedas.

Publicidade

O licenciamento reforça certos requisitos operacionais para as empresas, incluindo altos padrões de segurança cibernética, segregação de contas de clientes e verificação de identidades de clientes.

Dezessete aplicações ainda estão em revisão, enquanto 12 empresas fecharam suas portas à luz dos novos regulamentos.

A Quoine – uma das 11 empresas que recebeu uma licença – disse em um comunicado de imprensa que funcionará em conformidade com os reguladores “para o desenvolvimento saudável do setor de criptomoedas no Japão e em uma escala global”.

Um executivo da FSA disse no início desta semana que pretendia promover o “bom desenvolvimento do mercado” trabalhando com as exchanges.

O Japão é exclusivamente proativo em seus regulamentos de criptomoedas. Legisladores declararam anteriormente que isso foi impulsionado pelo agora notório colapso da Mt Gox em 2014, o que levou à perda de milhões de dólares em fundos de clientes.

A notícia chega em um momento de mudanças regulatórias em vários outros países. No início deste mês, a China emitiu uma proibição geral de métodos de captação de recursos envolvendo vendas simbólicas, ou ofertas iniciais de moedas (ICOs), e as exchanges locais de criptomoedas indicaram que cessariam as negociações após a proibição.

Publicidade

A Coréia do Sul também afirmou que as ICOs são ilegais a partir de hoje, além de apertar algumas regras para as exchanges locais.

VOCÊ PODE GOSTAR
Imagem da matéria: FTX prometeu devolver 118% dos fundos dos clientes; o que acontece agora?

FTX prometeu devolver 118% dos fundos dos clientes; o que acontece agora?

Segundo os balanços, a FTX deve cerca de US$ 11 bilhões, e conseguiu levantar entre US$ 14,5 e US$ 16,3 bilhões até agora
pilhas de moedas douradas à frente da bandeira da Colômbia

Maior banco da Colômbia lança corretora de criptomoedas

A plataforma Wenia visa atrair pelo menos 60.000 clientes em seu primeiro ano de operação
miniatura de homem sob pulpito e moeda gigante de bitcoin ao lado

Brasileiros não podem usar criptomoedas para fazer doações nas eleições municipais

A Procuradoria-Geral da República explicou as regras de doações para as eleições municipais de 2024
Imagem da matéria: Reguladores afirmam que Coinbase não pode obrigá-los a criar regras “do zero” para setor de criptomoedas

Reguladores afirmam que Coinbase não pode obrigá-los a criar regras “do zero” para setor de criptomoedas

Em um processo judicial, a SEC argumentou que a Coinbase não pode exigir que o regulador escreva novas regras para o setor cripto