Imagem da matéria: Ações na Justiça contra Atlas Quantum chegam a quase R$ 1 milhão
Imagem: Shutterstock

O número de ações contra a Atlas Quantum pela falta de pagamento tem aumentado na Justiça de São Paulo. Na tentativa de receber o dinheiro de volta, investidores insatisfeitos começaram a mover processos no início deste mês que, somados, chegam a R$ 907 mil.

Entre os dias 09 e 11 foram movidas cinco ações judiciais contra a empresa e todas elas versando sobre o mesmo tema: a devolução do dinheiro investido.

Publicidade

A primeira dessas ações foi promovida no dia 05 de setembro por um cliente que ficou com mais de R$ 130 mil em Bitcoin presos na Atlas Quantum, com decisão liminar favorável ao investidor.

Nos dias seguinte, vieram novos processos contra a empresa que desde o último mês tem atrasado os saques de seus clientes.

A ação de maior vulto foi movida na terça-feira (10). O processo avaliado em R$ 313 mil, que tramita na 4ª vara Cível de Santo André, foi movido por um investidor que argumenta a irregularidade no atendimento por parte da empresa.

Novas ações contra Atlas Quantum

No mesmo dia, a 5ª Vara Cível da capital recebeu uma petição inicial em que outro cliente insatisfeito pede à Justiça que a Atlas Quantum seja condenada em R$ 189.634,85. Com esse processo, esse cliente visa rescindir o contrato e ter o dinheiro que aplicou nessa empresa de volta.

Publicidade

A ação de menor valor, no entanto, foi protocolizada antes dessas duas. Na segunda-feira (09), uma pessoa levou até o Juizado Especial Cível uma demanda pela qual afirma que teve perdas e danos. Esse processo de R$ 10.369,86, está tramitando na 2ª Vara do Juizado Especial Cível do Foro Regional I de Santana.

Outras duas ações, nos valores de R$ 11 mil e R$ 252 mil, foram protocoladas na quarta-feira (11) em São Paulo.

Desses últimos três processos, esse é o único em que o juiz da causa já se manifestou sobre a concessão de liminar. O pedido de antecipação de tutela foi negado pela juíza Violeta Miera Arriba, sob a fundamentação de que “a matéria depende da manifestação da parte ré e a medida tem natureza satisfativa”.

Arriba, então, ordenou que fosse citado o réu para se defender das acusações no prazo de dez dias sob pena de revelia.

Publicidade

Questionada, a empresa afirmou: “O Atlas Quantum informa que, quando notificada, se manifestará nos autos do processo”

Crise na Atlas Quantum

A Atlas Quantum foi proibida de fazer oferta pública de investimentos pela Comissão de Valores Mobiliários (CVM). A autarquia entendeu que se tratava de contrato de investimento coletivo e essa espécie de valor mobiliário, somente pode ser ofertada com autorização da CVM.

A empresa, inicialmente, resolveu apenas retirar as propagandas sobre seus investimentos em arbitragem com criptomoedas. Em seguida, teve de parar de ofertar o serviço de arbitragem aos novos clientes.

Todo esse cenário em volta da empresa fez com que houvesse uma corrida de saques de Bitcoins. Para evitar uma sangria, a empresa decidiu estender o prazo dos saques. Inicialmente passou de um para quatro dias, sem qualquer previsão de regularização. O prazo agora dilatou para 30 dias.

Apesar de toda essa turbulência, um relatório da Grant Thorton atestou que a Atlas Quantum possuia 15.226,1 Bitcoin e 34.793.966 de criptodólares (termo referente a uma cesta de stablecoins) no dia 2 de agosto. O relatório não é uma auditoria completa, mas sim de um PPA (Procedimentos Previamente Acordados).

O deputado federal Áureo Ribeiro protocolou na sexta-feira (06) um requerimento para realização de audiência Pública a fim de discutir indícios de pirâmide financeira em operações das empresas Investimento Bitcoin e Atlas Quantum. O requerimento foi aprovado nesta quarta (11).

Publicidade
VOCÊ PODE GOSTAR
Sob um banco de madeira três criptomoedas ao lado de um celular com logo do Nubank

Nubank libera envio e recebimento de criptomoedas de carteiras externas

Já estão disponíveis para essas transações Bitcoin, Ethereum e Solana; outras moedas e redes serão adicionadas em breve
Celular com logo do Pix sob bandeira do Brasil

Pix: Um catalisador para o futuro das finanças descentralizadas no Brasil? | Opinião

Para o autor, o Pix, combinado com os princípios das finanças descentralizadas e conceitos de dinheiro programável, poderia abrir caminho para uma nova era de inovação financeira
Sunny Pires surfando

Surfista brasileiro recebe patrocínio em criptomoedas de comunidade web3

Sunny Pires, de 18 anos, embarca neste mês em expedição à Nicarágua com apoio da comunidade web3 Nouns
Gustavo Scarpa em um campo de futebol usando o uniforme do Atlético Mineiro

Scarpa x Bigode: Pedras preciosas não valem como garantia em processo contra pirâmide cripto, diz PF

Um laudo das pedras de alexandrita apreendidas da suposta pirâmide Xland foi avaliado por um juiz, que determinou que elas não têm valor significativo