Imagem da matéria: CVM diz que Atlas Quantum não pode ofertar investimentos sob pena de multa diária de R$ 100 mil
Foto: Shutterstock

A CVM (Comissão de Valores Mobiliários) determinou na noite desta terça-feira (13) que a Atlas Quantum pare ofertar títulos ou contratos de investimento coletivo.

O comunicado cita quatro empresas da Atlas e seu fundador, Rodrigo Marques. Conforme o texto, a remuneração do produto oferecido “estaria atrelada ao resultado dos esforços das empresas na negociação de criptoativos por meio do algoritmo intitulado ‘Quantum”’.

Publicidade

Caso a oferta seja mantida haverá a aplicação de uma multa diária no valor de R$ 100.000.

A CVM classificou como Contrato de Investimento Coletivo o que a Atlas Quantum vem oferecendo e, portanto, existe a necessidade de autorização do órgão regulador.

Questionada sobre o caso, a assessoria de imprensa da Atlas disse que “realizará as ações necessárias com a transparência que sempre orientou a conduta da empresa”.

Em nota, afirmou o seguinte: “O Atlas Quantum reforça que nenhuma mudança acarretará prejuízos para seus clientes, os quais poderão continuar operando normalmente suas operações financeiras em bitcoins.”

Atlas Quantum e Ministério Público

Em abril, o Ministério Público pediu uma multa de R$ 10 milhões para a Atlas Quantum em indenização por danos morais coletivos após ter dados de milhares de clientes vazados. Segundo os promotores, “houve falta de cuidado e zelo da Atlas na proteção das informações pessoais dos cidadãos que confiaram na política de segurança da companhia”.

Publicidade

Para o Ministérios Público, existia também uma suspeita da empresa operar no modelo de pirâmide financeira. Na visão da promotoria, não haveria indícios de que o algorítimo usado pela empresa para fazer as operações de arbitragem exista e funcione.

“Não se descarta a possibilidade de que as empresas, ao contrário do que afirmam, operem em um esquema de pirâmide financeira, nos moldes do investidor Bernard Madoff”, afirmou o Ministério Público.

Em resposta, na época, a Atlas negou as acusações de pirâmide financeira e disse não prometer lucro “por se tratar de uma operação de renda variável.”

Em recente e-mail enviado aos seus mais de 31 mil clientes, a Atlas afirmou contar com mais de 300 funcionários e ter mais de US$ 180 milhões sob gestão.

VOCÊ PODE GOSTAR
moeda de bitcoin dentro de armadilha selvagem

CVM faz pegadinha e descobre que metade das pessoas cairia em golpe com criptomoedas

Junto com a Anbima, a entidade criou um site de uma empresa fictícia que simulava a oferta de investimentos com lucros altos irreais
Antônio Neto Ais e Fabrícia Campos, casal que lidera a Braiscompany (Foto: Reprodução/Instagram)

MPF faz nova denúncia contra donos da Braiscompany e doleiro por lavagem de dinheiro

Antônio Neto e Fabrícia Farias realizaram operações financeiras de grande porte com características de lavagem de dinheiro em pleno colapso da pirâmide
Ilustração mostra mapa do Brasil com pontos ligados em blockchain

Banco Central, UFRJ, Polkadot e Ripple se unem para aprofundar pesquisas sobre interoperabilidade entre blockchains e DREX

A Federação Nacional de Associações dos Servidores do Banco Central (Fenasbac) antecipa…
busto de homem engravatado simulando gesto de pare

CVM proíbe corretora de criptomoedas e forex de captar clientes no Brasil

O órgão determinou, sob multa diária de R$ 1 mil, a imediata suspensão de qualquer oferta pública de valores mobiliários pela Xpoken