Imagem da matéria: Político da Coreia do Sul deixa partido ao ser pego com US$ 4 milhões em criptomoedas e forçado a vendê-las
Deputado Kim Nam-kuk, alvo de investigação. (Foto: Reprodução/Facebook)

O Partido Democrático da Coreia do Sul orientou na semana passada um de seus deputados a vender suas criptomoedas após ele ser alvo de uma investigação por possível violação da “Lei de Financiamento Político”, evasão fiscal e ocultação de produtos criminais. As informações são do site local Yonhap.

Conforme a publicação, o deputado Kim Nam-kuk, agora ex-membro do partido de oposição ao governo atual, havia sacado um total de 800.000 WEMIX (US$ 4,5 milhões na época) da UpBit, a maior corretora de criptomoeda da Coreia do Sul, em julho de 2021. A movimentação levou a empresa a reportar o caso para as autoridades locais sob suspeita de ilegalidade. Uma investigação foi então instaurada.

Publicidade

Kim Nam-kuk começou a ser investigado após surgir a suspeita de que suas movimentações com a criptomoeda eram parte de uma operação de “insider trading” (uso de informação privilegiada para ganhos pessoais no mercado financeiro). Isso porque o saque ocorreu seis meses antes do deputado em questão fazer uma proposta de lei para postergar a taxação sobre ativos digitais.

Em sua investigação interna, o Partido Democrático orientou Kim a vender os criptoativos sob sua posse. Nas redes sociais, o deputado afirmou que acataria a orientação “em boa-fé”.

O jornal coreano Joseonbo reportou a renúncia de Kim Nam-kuk do partido e agora ele atua como deputado independente (sem partido).

Venda com prejuízo

A Wemix (WEMIX), negociada por US$ 0,857 nesta segunda-feira (15), está na 226º colocação do ranking das maiores criptomoedas do setor, com uma capitalização de mercado de US$ 214,85 milhões, segundo o CoinMarketCap.

Publicidade

Em um caso hipotético, onde as vendas do deputado coreano tivessem ocorrido no dia de hoje, ele teria recuperado apenas US$ 685.600 pelas criptomoedas que pode ter adquirido por mais de US$ 4 milhões no passado.

O site Finance Magnates conta que as sedes das exchanges UpBit e Bithumb sofreram batida policial e históricos de transações foram apreendidos pelas autoridades locais para investigar o caso.

Representantes do partido do governo (PPP) também anunciaram uma força-tarefa própria visando colaborar com as investigações das autoridades e construir uma melhor estrutura regulatória no que envolve os criptoativos, empresas prestadoras de serviços e políticos no país — para evitar irregularidades como a que pode pode ter acontecido neste caso mais recente.

Wemix é uma blockchain para soluções da Web 3.0, que utiliza um sistema de Proof-of-Authority (Prova de Autoridade) para validação de suas transações. O que significa que seus validadores são entidades autorizadas pela entidade central em controle do projeto.

Publicidade

A blockchain foca principalmente no mundo dos games já que foi criada pela Wemade, um dos maiores estúdios de jogos da Coreia do Sul, conhecido principalmente pela criação da série de jogos MMPRPGs Legend of Mir.  

VOCÊ PODE GOSTAR
dupla de homens sendo presa

Irmãos são presos por roubo de R$ 130 milhões em ataque de 12 segundos na rede Ethereum

O procurador americano Damian Williams disse que “este suposto esquema era novo e nunca havia sido acusado antes”
CEO da Galaxy Digital, Mike Novogratz, em entrevista ao BNN Bloomberg no YouTube

O Bitcoin precisa de uma nova narrativa para voltar a subir, segundo CEO da Galaxy Digital

Mike Novogratz também acredita que o preço do BTC flutue entre US$ 55 mil e US$ 75 mil até que novos eventos ocorram
bitcoin brilhando na mão

Semler Scientific investe US$ 40 milhões em Bitcoin e ações disparam 25%

As ações da Semler Scientific subiram 25% após a entidade anunciar a adoção do Bitcoin como principal ativo de reserva do tesouro
Moeda prateada da Chainlink com reflexo em um fundo roxo

Chainlink sobe 18% ao lançar projeto piloto em Wall Street com JP Morgan, BNY Mellon e DTCC

A DTCC anunciou que acaba de concluir um projeto piloto de tokenização com gigantes de Wall Street, como JP Morgan e BNY Mellon, aproveitando o CCIP da Chainlink