Polícia Federal fazendo batida para a "Operação Sarcófago" que investiga pirâmides financeiras
Polícia Federal faz batida durante a Operação Sarcófago Divulgação/PF

A Polícia Federal (PF) cumpriu 11 mandatos de busca e apreensão em quatro municípios da Paraíba nesta quinta-feira (22), visando combater um esquema de pirâmide financeira que envolvia promessas de “rendimentos extraordinários” com investimento em operações de apostas esportivas. As informações são do comunicado da PF.

Batizada de “Operação Sarcófago”, em alusão aos tesouros históricos normalmente procurados no interior de pirâmides do Egito, a Polícia Federal mobilizou mais de 40 policiais que agiram em Campina Grande, Barra de Santa Rosa, Nova Palmeira e Algodão da Jandaíra, todos municípios da Paraíba.

Publicidade

Também na Paraíba, a PF já havia deflagrado duas outras operações recentes envolvendo o crime de pirâmide financeira. Na semana passada (15 de junho) foram realizados oito mandados de busca e apreensão e três prisões preventivas relacionadas com crimes financeiros e a empresa Fiji Solutions, de Campina Grande.

Campina Grande também era a sede principal de atuação da pirâmide financeira da Brainsocompany, empresa paraibana acusada de montar um esquema bilionário com criptoativos. A qual já foi alvo de três operações da Polícia Federal.

No caso da Operação Sarcófago, a PF não divulgou os nomes dos indivíduos e empresas envolvidas na investigação.

A investigação teve início quando a Polícia Federal, em Campina Grande, recebeu uma denúncia sobre a prática de crimes financeiros e estelionato no município de Barra de Santa Rosa, na Paraíba.

Segundo o apurado, “o esquema criminoso consistia na oferta pública de rendimentos mensais extraordinários para investidores que aplicassem recursos em operações no mercado de apostas esportivas”, diz o comunicado da PF. “A atividade teria perdurado entre os anos de 2020 a 2022, quando então por desavença entre os sócios, teria sido encerrada sem o ressarcimento dos prejuízos causados as pessoas que aportaram recursos.”

Publicidade

Os investigados responderão pelos crimes de emissão de valor mobiliário não registrados na CVM, operar sem autorização para Instituição Financeira, Associação Criminosa e Estelionato. As penas podem chegar a até 20 anos de reclusão, conforme comunicado.

Mais detalhes sobre a operação vão ser divulgados em uma entrevista coletiva prevista para às 11h desta quinta-feira, na sede da PF em Campina Grande.

VOCÊ PODE GOSTAR
miniatura de homem sob pulpito e moeda gigante de bitcoin ao lado

Brasileiros não podem usar criptomoedas para fazer doações nas eleições municipais

A Procuradoria-Geral da República explicou as regras de doações para as eleições municipais de 2024
Sunny Pires surfando

Surfista brasileiro recebe patrocínio em criptomoedas de comunidade web3

Sunny Pires, de 18 anos, embarca neste mês em expedição à Nicarágua com apoio da comunidade web3 Nouns
Ilustração mostra mapa do Brasil com pontos ligados em blockchain

Banco Central, UFRJ, Polkadot e Ripple se unem para aprofundar pesquisas sobre interoperabilidade entre blockchains e DREX

A Federação Nacional de Associações dos Servidores do Banco Central (Fenasbac) antecipa…
Pizza em uma mão moeda de bitcoin na outra

Bitcoin Pizza Day: Corretoras comemoram data histórica do Bitcoin com promoções; confira

Semana tem pizza grátis, cashback, joguinho e descontos em comemoração à primeira transação comercial com o Bitcoin realizada há 14 anos