Imagem da matéria: Binance demite mil funcionários e não descarta aumentar cortes, diz WSJ
Foto: Shutterstock

A corretora Binance demitiu mil funcionários nas últimas semanas, em um corte global e não localizado em algum país específico. A informação é de reportagem do Wall Street Journal desta sexta-feira (14). Um porta-voz da corretora confirmou as demissões, mas sem dizer o número exato de pessoas afetadas.

Uma fonte anônima da exchange de criptomoedas disse ao jornal que o corte pode ser intensificado: até um terço do total de funcionários estaria na mira, segundo a fonte. A empresa tinha, antes dos recentes cortes, 8 mil empregados ao todo. 

Publicidade

Sobre a situação, o porta-voz da Binance disse ao Wall Street Journal: “Enquanto nos preparamos para o próximo grande ciclo de alta, ficou claro que precisamos nos concentrar na densidade de talentos em toda a organização para garantir que permaneçamos ágeis e dinâmicos”. 

A maior corretora de criptomoedas do mundo começou a ser fortemente pressionanda desde o dia 5 de junho, quando a Comissão de Valores Mobiliários dos EUA (SEC) anunciou a abertura de processo contra a empresa e seu fundador. No total, a Binance e seu criador, Changpeng “CZ” Zhao, são acusados de terem cometido 13 infrações diferentes.

Processo de desgaste da Binance

Uma semana após os reguladores dos EUA abrirem o processo, a filial americana da corretora caiu 78%, de acordo com a empresa de dados Kaiko. A profundidade do mercado (‘market depth’, em inglês) se refere a uma lista em tempo real de todas as ordens de compra e venda de criptomoedas em uma corretora. É uma métrica importante, que indica a liquidez para negociar um ativo em diferentes níveis de preço.

Em outro estudo, feito pela CCData (a antiga CryptoCompar), a corretora vem perdendo mercado mês a mês. Segundo a empresa de análise, a participação no mercado global à vista da exchange em junho caiu para 41,9%, ante os 43% registrados no mês anterior – o quarto declínio mensal consecutivo. 

Publicidade

No começo de julho, executivos do alto escalão da Binance deixaram a empresa, incluindo o diretor de estratégia, Patrick Hillmann, e o diretor sênior de investigações, Matthew Price. 

De acordo com a Fortune, o motivo seria a abordagem do CEO da corretora, Changpeng “CZ” Zhao, em relação a uma investigação em andamento do Departamento de Justiça dos EUA. Hillman tuitou que estava deixando a corretora “em bons termos” e que é “simplesmente hora de passar para o próximo desafio”. 

A Bloomberg também informou que Yibo Ling, diretor de negócios da Binance, deixou a empresa e a equipe dos EUA recebeu a orientação de se mudar para o exterior ou ser demitida. 

Expulsa de vários países

E no meio de essas crises, a Binance passou a ter problemas com diversos países. A BaFin, a autoridade reguladora financeira alemã na Alemanha responsável por supervisionar bancos, instituições de serviços financeiros, seguradoras e bolsas de valores, informou a Binance sobre sua decisão de não conceder à exchange uma licença de custódia para criptomoedas no país.

Publicidade

Na Bélgica, a corretora foi informada que deverá encerrar suas operações também na por ordens da Autoridade de Serviços Financeiros e Mercados (FSMA, em inglês), regulador local.

No Reino Unido, terminou antes de começar. A Binance Markets Limited (BML), subsidiária britânica da maior exchange mundial de criptomoedas, cancelou oficialmente seu registro na Autoridade de Conduta Financeira (FCA, na sigla em inglês) do país. A mudança significa que a empresa “não pode mais fornecer atividades e produtos regulamentados” no Reino Unido, segundo o regulador.

VOCÊ PODE GOSTAR
Imagem da matéria: 8 ETFs de Ethereum à vista são aprovados pela SEC nos EUA

8 ETFs de Ethereum à vista são aprovados pela SEC nos EUA

Expectativa agora é que Ethereum possa renovar sua máxima histórica de novembro de 2021 e passar com folga a marca dos US$ 5 mil
Imagem da matéria: Fundador do Telegram diz que manterá seus tokens do Notcoin até multiplicarem por 100

Fundador do Telegram diz que manterá seus tokens do Notcoin até multiplicarem por 100

Pavel Durov detém 1% do maior token de jogo deste ano, doado pelos jogadores. E ele não está vendendo seus Notcoin – não agora, pelo menos
Donald Trump é fotografado em comício nos EUA

Trump agora aceita doações em Bitcoin e cumpre promessa com relação às criptomoedas

Bitcoin, Ethereum, Dogecoin, Solana, Shuba Inu e XRP estão entre criptomoedas aceitas pela candidato Donald Trump 
Craig Wright posa para foto

Craig Wright mentiu “extensiva e repetidamente” sobre ser o criador do Bitcoin, diz juiz

“As tentativas do Dr. Wright de provar que ele era/é Satoshi Nakamoto representam um abuso muito sério do processo deste tribunal”, disse o juiz