Imagem da matéria: “Quatro milhões de brasileiros já caíram em pirâmides”, diz deputado que quer criar CPI de criptomoedas
Deputado Federal Áureo Ribeiro

Com o objetivo de coletar assinaturas para a abertura da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI), o deputado federal Áureo Ribeiro (Solidariedade/ RJ) lançou um vídeo na sexta-feira (13) falando sobre o prejuízo deixado no país por pirâmides financeiras com criptomoedas.

Ribeiro, que é autor de dois projetos de regulação de criptomoedas que tramitam na Câmara de Deputados, afirmou, por meio de um vídeo veiculado no Youtube, que na última audiência pública foi divulgado o dado alarmante de que “quatro milhões de pessoas já foram lesadas por pirâmide financeira”.

Publicidade

Segundo o deputado, esse número é muito expressivo e representa “pessoas que fizeram seu investimento e não tem agora o seu retorno e nem a garantia do que colocou”.

Diante desse cenário preocupante que traz a criptomoeda como objeto de fraudes, o deputado disse que está “coletando assinaturas para instalar no Congresso Nacional uma CPI para investigar pirâmides financeiras que lesaram consumidores no Brasil”.

De acordo com ele, o objetivo é de “separar o joio do trigo” nesse setor de criptomoedas. O deputado, após mencionar sobre a necessidade de se instaurar uma investigação no Congresso, convocou as empresas Atlas Quantum e da Investimento Bitcoin para discutir sobre a suspeita de pirâmide financeira em suas operações.

O requerimento para essa audiência pública que ainda contará com representantes de órgãos como Banco Central, Comissão de Valores Mobiliários e Ministério Público Federal, já foi aprovado pela Comissão Especial da Câmara, mas a data ainda não foi definida.

Publicidade

Revelação sobre pirâmides

A audiência pública em que a revelação de que milhões de pessoas já tiveram prejuízo com pirâmides financeiras no Brasil foi feita ocorreu na última quarta-feira (11).

No debate foi presidido pelo deputado federal Luis Miranda (DEM/DF) e participaram Mardilson Queiroz, consultor do Banco Central; Ricardo Liáo, presidente da Unidade de Inteligência Financeira – UIP (antigo Coaf); Paulo Antonio González, representante da Receita Federal e do Ministério da Economia; bem como Natalia Garcia, representante da Associação Brasileira de Criptoeconomia (ABCripto).

Miranda, que figurou uma longa reportagem no Fantástico por supostamente ter aplicado golpes no Brasil e nos Estados Unidos, levantou a preocupação sobre empresas que acabam sendo julgadas como pirâmide e não há tempo para esperar elas provarem o contrário.

Ele citou seu caso como exemplo e afirmou que há casos em que a própria empresa é vítima:

“Eu tenho um negócio nos Estados Unidos em que um grupo afetou diretamente o negócio. Esse grupo é investigado, criminalizado e agora está mais do que provado que eles são os responsáveis”.

Publicidade

Nessa mesma audiência, entretanto, nem tudo se resumiu em pirâmide financeira. O consultor do Banco Central, Mardilson Queiroz, comentou sobre a criptomoeda não ser considerada meio de pagamento no Brasil e explicou o porquê desses ativos, mesmo diante desse fato, serem incluídos na balança comercial do país.

VOCÊ PODE GOSTAR
Imagem da matéria: Dogecoin está se aproximando de uma "cruz dourada": o que isso significa?

Dogecoin está se aproximando de uma “cruz dourada”: o que isso significa?

Média móvel simples de 50 semanas (SMA) do preço spot da Dogecoin está atualmente em alta e pode passar barreira das 200 semanas
Hacker com capuz sorri no escuro

“Fizemos besteira”: Gala Games confirma hack de de R$ 1,2 bilhão

Um invasor usou um exploit para cunhar e roubar 5 bilhões de tokens da Gala Games (GALA)
Moedas de bitcoin sob mesa escura com sigal ETF

ETFs de Bitcoin têm entrada de US$ 303 mi, impulsionados por Fidelity e Grayscale

Os fluxos de entrada de ETFs de Bitcoin à vista nos EUA atingiram uma alta de US$ 303 milhões em duas semanas, já que o preço do Bitcoin ultrapassou US$ 66 mil
simbolo do dolar formado em numeros

Faculdade de Direito da USP recebe evento da CVM sobre democratização dos mercados de capitais

Centro de Regulação e Inovação Aplicada (CRIA) da CVM vai a “Tecnologia e Democratização dos Mercados de Capitais no Brasil” com transmissão ao vivo no Youtube