Imagem da matéria: MSK Invest: Polícia Civil abre inquérito para apurar estelionato e organização criminosa
Foto: Reprodução

A Polícia Civil de São Paulo abriu inquérito para apurar se houve crimes de estelionato e formação de organização criminosa no no caso da MSK Invest. A empresa prometia rendimento fixos, mas parou de pagar os clientes desde dezembro do ano passado.

O pedido de instauração de inquérito foi feito pelo advogado Átila Machado, do escritório MCP Advogados, que defende uma vítima da empresa que a aplicou R$ 100 mil e que não obteve nada em retorno. O inquérito foi aberto pela Divisão de Crimes Cibernéticos da Polícia Civil de São Paulo.

Publicidade

Segundo formulário da Comissão de Valores Mobiliários (CVM), os fundadores da empresa são Glaidson Rosa e Carlos de Luca.

Na petição, Machado conta que uma funcionária chamada Daniele Tomé da Silva “tentou estabelecer uma relação comercial de confiança com a vítima, enviando (i) fotos dela com amigos dele, que também se tornaram clientes da MSK; (ii) fotos das salas inauguradas na empresa; e até (iii) mensagens pedindo ajuda para “pontuação para me classificar para Las Vegas!!!!” e o questionando se “quer[ia] ganhar mais dinheiro? Bora?”.

Sobre o crime de organização criminosa, o advogado afirma: “É evidente, Excelência, que o êxito no agir criminoso que vitimou o Requerente exige, obrigatoriamente, o agir simultâneo de diversas pessoas. Isto porque, considerando a grande quantidade de relatos acerca de inúmeras outras pessoas que foram vítimas do mesmo golpe financeiro, somado aos vultosos valores angariados, demonstra que a associação ordenada de 04 (quatro) ou mais pessoas estruturalmente ordenadas não só é indiscutível, como e, principalmente, fundamental para o êxito do delito”.

A Polícia Civil acolheu o pedido e instaurou o inquérito. Após essa fase de investigações, irá decidir se recomenda que o Ministério Público ofereça uma denúncia contra os réus.

“Por enquanto, temos três fortes indícios que revelam a prática de crimes perpetrados pelos sócios da MSK, a saber: o comunicado enviado pela MSK em novembro informando aos investidores que deixaria de pagar os valores devidos aos investidores; a decisão judicial proferida por juiz cível que localizou somente R$ 16 na conta da empresa e afirmou textual que os ‘elementos indicam chances de golpe financeiro’; e, recentemente, o fato da empresa não ter pago a primeira parcela aos investidores que aderiram ao distrato proposto pela empresa”, disse Átila Machado ao Portal do Bitcoin.

Publicidade

A procurada, a empresa não retornou até a publicação desta reportagem.

Caso MSK Invest

A Justiça de São Paulo determinou no dia 20 de dezembro o bloqueio de R$ 100 mil da empresa MSK Invest. A decisão foi do juiz Fábio Henrique Falcone Garcia, que foi muito explícito ao falar sobre o anúncio da empresa de que um dos motivos de parar de pagar os clientes é por conta da insegurança jurídica diante do avanço do Projeto de Lei 2303/15 na Câmara dos Deputados, que regulamenta o mercado de criptomoedas no Brasil.

O magistrado afirmou que a postura da empresa é um indício de má-fé e de tentativa de não cumprir com os contratos.

“Impondo condições dissociadas da negociação para ressarcimento do valor investido, aliada à falsa justificativa fundada em projeto de lei ainda não aprovado, sugere engodo destinado a evitar cumprimento de obrigação e situação financeira complicada, a indicar risco de lesão grave à requerente”, disse o juiz.

O juiz Luiz Antonio Carrer foi outro que disse haver indícios de que a MSK Invest, empresa que dizia operar com criptomoedas, seja uma pirâmide financeira e de que um mesmo uso de CNPJs é na verdade a prática de um golpe financeiro.

Publicidade

O magistrado também acolheu liminar de uma cliente e determinou o bloqueio de dinheiro na conta da empresa.

“Existem indícios de fraude no contrato celebrado entre as partes, que indica caso de “pirâmide”, a justificar a urgência da medida, pois a ré anunciou que deixará de atuar, sem a perspectiva de devolução da grande quantia investida pelo autor”, afirmou o juiz.

Além disso, ele apontou que o mesmo CNPJ é utilizado pela MSK Invest e uma empresa chamada SOMPI Seguros, e que isso indica “golpe financeiro”.

No dia 22 de dezembro, o Procon de São Paulo disse que iria acionar a MSK Invest e seus sócios no campo criminal e administrativo. A informação foi divulgada pelo presidente do órgão, Fernando Capez.

“A empresa [MSK] enganou diversos investidores prometendo juros de 2% a 5% em aplicação no Bitcoin. E adivinhe? Não pagou ninguém”, disse o procurador em vídeo.

O acordo com o Procon

Um dos pontos do caso que chama atenção é o otimismo do procurador Fernando Capez, presidente do Procon de São Paulo.

Publicidade

O acordo entre Procon e MSJ Invest prevê que o reembolso será feito em cinco parcelas com o primeiro pagamento março. Se a empresa não cumprir, será aplicada uma multa de R$ 2 milhões.  

Em um vídeo publicado no Instagram, Capez diz: “O acordo é muito bom, foi assinado. Parabéns MSK e consideramos o problema equacionado”.

Calote no distrato

Em um primeiro momento a companhia insistiu fortemente que iria pagar a todos, mas antes deveria ser assinado um distrato no qual ficava acordado que pagaria em dez parcelas.

Depois o Procon de São Paulo entrou no caso e a MSK assumiu o compromisso de pagar em cinco parcelas, com a primeira a ser quitada em março. 

Mas para aqueles que assinaram o distrato ficou claro que não será fácil. A empresa disse que pagaria a primeira parcela até dia 30 de janeiro. O Portal do Bitcoin conversou com um advogado que atende seis pessoas que assinaram o distrato e acompanha o caso de mais cem pessoas: nenhuma recebeu.

A empresa admite que não cumpriu com o prometido. Em um comunicado, diz que “alguns distratos serão honrados fora do prazo acordado”.

VOCÊ PODE GOSTAR
scanner plano digitaliza a palma de uma mão

TON oferece R$ 25 milhões para escanear mãos dos investidores

HumanCode se junta à The Open Network para oferecer um milhão de Toncoin como incentivo em programa de digitalização de palma da mão baseado em IA
Imagem da matéria: Briga entre Elon Musk e Alexandre de Moraes pode tirar o X do ar no Brasil?

Briga entre Elon Musk e Alexandre de Moraes pode tirar o X do ar no Brasil?

Troca de farpas entre Elon Musk e ministro do STF levanta possibilidade de suspensão do X/Twitter no país
Ilustração de mão segurando smartphone com logotipo da Toncoin

Toncoin (TON) bate recorde de preço e supera Cardano como 10ª cripto mais valiosa

O Toncoin (TON) da Open Network disparou nas últimas semanas e expulsou a Cardano do top 10 das criptomoedas
silhueta de homem com celular e logo da coinbase no fundo

Coinbase entra com recurso contra decisão em caso contra a SEC

Ao interpor o recurso, a Coinbase alega motivos substanciais para divergências de opinião, segundo disse o site The Block citando uma pessoa familiarizada com o caso