Imagem da matéria: Empresa brasileira de criptomoedas não paga clientes e culpa projeto de lei que nem foi aprovado
Foto: Shutterstock

A empresa MSK Invest, que se diz assessoria para aplicações em criptomoedas, parou de pagar seus clientes alegando que o cenário é de muita instabilidade após a Câmara dos Deputados ter aprovado o Projeto de Lei 2303/15.

A ligação entre uma coisa e outra é de difícil compreensão. O PL ainda tem que ser aprovado no Senado e sancionado pelo Presidente da República. Enquanto isso, as operações com criptomoedas continuam como sempre estiveram.

Publicidade

Nos últimos dias, dezenas de clientes estão reclamando que a companhia travou saques e sumiu com dinheiro depositado.

Em 21 dias foram mais de 27 queixas no Reclame Aqui. No perfil de Instagram diversos clientes acusam a empresa de estar impedindo saques. Até um grupo de WhatsApp com vítimas já foi criado.

Diante disso, a empresa não nega ter parado de pagar. Mas o motivo supreende: o PL aprovado na Cãmara.

“O nosso principal produto, semestral, se tornou muito grande, atingindo um limite operacional. Soma-se a isso a aprovação da (PL) 2303/15, que regulamentará o mercado de criptoativos onde teremos um novo contexto no mercado financeiro digital brasileiro. Por esses motivos e visando manter o respeito, compromisso e, acima de tudo, responsabilidade com o seu dinheiro nós, da MSK, tomamos a decisão de descontinuar o produto semestral enquanto esse cenário é reorganizado.”

MSK Invest no Instagram

A empresa deixa claro que não dá certeza nenhuma de devolução do dinheiro.

A mensagem termina com: “Solicitamos para que entre em contato com o seu agente ou gerente, pois ele detém todas as informações e contatos oficiais sobre como proceder nesse momento. Com a certeza de termos encontrado a melhor solução, nos colocamos à disposição e esperamos contar com você em projetos futuros”.

Em seu site, a empresa se apresenta como uma “assessoria em criptoativos e uma alternativa para quem quer possibilidades de rentabilidade, baixo risco e simplicidade”.

Publicidade

Não há detalhes de como o serviço é feito, onde o dinheiro é investido e como a operação ocorrer. Apenas um formulário para a pessoa preencher.

No Instagram tem respondido quase toda as reclamações, que estão acumuladas na seção de comentários de sua última publicação.

Diante de uma acusação de fraude, responde: “Entendo que o momento traga muita incerteza para diversos investidores, mas o senhor poderia por gentileza nos mostrar alguma prova ou evidência que comprove tal acusação ou algo ilícito?”.

Mas o final de suas réplicas tem sido igual: “Procure o seu agente ou gerente”.

Segundo formulário da Comissão de Valores Mobiliários (CVM), os fundadores da empresa são Glaidson Rosa e Carlos de Luca.

Na seção de breve comentário sobre a consituição da empresa, dizem: “Por meio de uma análise estratégica e macroeconômica, os sócios fundadores da MSK Operações e Investimentos Ltda. (“MSK Invest”), instituição especializada na assessoria de investimentos exclusiva em criptoativos criada em meados de 2015, Glaidson Rosa e Carlos de Luca, enxergaram a oportunidade de angariar e atender clientes e prospects além do mercado de criptoativos por meio das atividades de gestão de carteira de valores mobiliários”.

Contraponto da empresa

“Informamos que a MSKInvest atua há seis anos no mercado de criptomoedas e sempre honrou com os compromissos previstos em seus contratos. Por uma decisão de negócios, a companhia descontinuou o produto semestral de criptomoeda. A empresa está providenciando a restituição dos valores para os clientes desse produto, cujo perfil indicado era de alto risco.”

Matéria atualizada para inclusão do contraponto da MSK Invest.

VOCÊ PODE GOSTAR
moeda de bitcoin dentro de armadilha selvagem

CVM faz pegadinha e descobre que metade das pessoas cairia em golpe com criptomoedas

Junto com a Anbima, a entidade criou um site de uma empresa fictícia que simulava a oferta de investimentos com lucros altos irreais
Sob um banco de madeira três criptomoedas ao lado de um celular com logo do Nubank

Nubank libera envio e recebimento de criptomoedas de carteiras externas

Já estão disponíveis para essas transações Bitcoin, Ethereum e Solana; outras moedas e redes serão adicionadas em breve
Sunny Pires surfando

Surfista brasileiro recebe patrocínio em criptomoedas de comunidade web3

Sunny Pires, de 18 anos, embarca neste mês em expedição à Nicarágua com apoio da comunidade web3 Nouns
Antônio Neto Ais e Fabrícia Campos, casal que lidera a Braiscompany (Foto: Reprodução/Instagram)

MPF faz nova denúncia contra donos da Braiscompany e doleiro por lavagem de dinheiro

Antônio Neto e Fabrícia Farias realizaram operações financeiras de grande porte com características de lavagem de dinheiro em pleno colapso da pirâmide