Imagem da matéria: Há um ano, CZ recebia a chave do Rio e fazia promessas para o Brasil; Hoje, admite crimes e diz adeus à Binance | Opinião
CZ, CEO da Binance, durante a sua passagem no Rio de Janeiro (Foto: Reprodução/Twitter)

Março de 2022 foi em outra galáxia, remota e muito mais distante do que fazem crer os 20 meses de distância. Na época, o mercado cripto vinha de seu momento mais glorioso, com a lembrança ainda fresca do Bitcoin a US$ 69 mil pouco tempo antes. Sam Bankman-Fried ainda perambulava pelos gabinetes do alto escalão político nos Estados Unidos, Luna continuava a fazer brilhar os olhos dos investidores e as esperanças eram infinitas. E, acima disso tudo, Changpeng “CZ” Zhao pairava como uma divindade. 

O sino-canadense fundador da Binance, resolveu fazer um tour pela América do Sul e a cidade mais famosa do subcontinente não poderia ficar de fora. Mas, como já virou costume quando o assunto envolve o empresário e sua corretora, as informações eram escassas e uma incerteza constante dominava o falatório. “CZ vai vir”, era o boato que corria na Ethereum Rio

Publicidade

Ao longo dos três dias de evento, esse foi o rumor mais propagado. Meu editor aqui no Portal do Bitcoin me perguntava diversas vezes ao dia como estava a situação. Eu, gastando sola de sapato no Museu do Amanhã, perguntava para todos que encontrava se sabiam de algo. 

E o que parecia apenas uma fofoca ganhou corpo. E cresceu: CZ viria e ainda faria um painel de debate com o prefeito do Rio de Janeiro, Eduardo Paes. A assessoria de imprensa finalmente confirmou o básico: CZ passaria pelo evento. 

Um frenesi tomou conta de todos e tudo culminou com CZ falando no palco com Chicão Bulhões, secretário de Paes, que não pode comparecer.

A megalomania naquele momento não tinha freios. CZ prometeu abrir grandes escritórios no Rio e em São Paulo e contratar 5 mil pessoas para a operação no Brasil. Antes de sair do palco, o empresário acalmou a multidão: “Não precisam se apressar, eu vou tirar fotos com todos”. 

Publicidade

Ele não estava sendo presunçoso. No salão ao lado do auditório, uma multidão se formou e cercou CZ. Claramente acostumado, o CEO da Binance tirou pacientemente selfies com todos, e os semblantes nos rostos eram parecidos aos de fãs adolescentes de Taylor Swift ao verem a popstar entrar no palco.

Multidão se aglomera patra tirar foto com CZ na Ethereum Rio 2022 (Foto: Fernando Martines/Portal do Bitcoin)

CZ se encontrou no dia seguinte com o prefeito Eduardo Paes e recebeu a chave da cidade. Antes, visitou o então governador de São Paulo, João Doria. Depois, CZ foi para Brasília se reunir com o diretor de Regulação do Banco Central, Otavio Ribeiro Damaso.

CZ, CEO da BInance, e Eduardo Paes, prefeito do Rio (Foto: Reprodução/Twitter)

O tapete vermelho estava estendido de uma maneira raramente vista para um empresário. A revista Veja chegou a noticiar que CZ dispensou um encontro com o então ministro da Economia, Paulo Guedes — embora a assessoria da Binance tenha negado que isso ocorreu.

O empresário levava sua turnê para todo canto, com uma entourage de homens asiáticos que usavam máscara o tempo todo — ainda eram tempos pandêmicos. 

Publicidade
Governador de São Paulo, João Doria, com o CEO da Binance, CZ (Foto: Divulgação)

Mas nos bastidores, as coisas estavam longe de serem só flores. A Binance não abriu escritórios no Rio nem em São Paulo e “esqueceu” da promessa de contratar 5 mil brasileiros. Pelo contrário, demitiu parte significativa de seus funcionários por aqui.

Pouco depois, a Comissão de Valores Mobiliários (CVM) retomou uma investigação contra a Binance pela oferta irregular de derivativos, motivada por evidências apresentadas em reportagem do Portal do Bitcoin

Em 2023, a CPI das Pirâmides Financeiras constatou que a Binance foi usada pela maioria dos estelionatários brasileiros que se aproveitaram do mercado cripto para enganar investidores. Por isso, os deputados pediram que o Ministério Público indicie CZ e os demais diretores brasileiros da empresa. Como se não bastasse, a comissão apontou que a Binance sonegou R$ 400 milhões para os cofres públicos do Brasil.

Já lá nos Estados Unidos, o Departamento de Justiça nunca tirou CZ da mira pelas mesmas razões pelas quais ele e sua empresa desagradam reguladores ao redor do mundo: a Binance por anos falhou no seu sistema de compliance, sendo uma plataforma de liquidez imediata para quem quisesse no mundo — incluindo, por vezes, criminosos.

Nessa posição, a Binance foi intensamente usada para lavagem de dinheiro e para furo de sanções impostas pelos Estado Unidos. Tanto a empresa quanto CZ admitiram culpa e toparam pagar multas bilionárias.

Publicidade

Talvez até alguns meses na prisão CZ possa enfrentar no futuro para pagar por seus erros do passado. 

A saída de CZ parece fechar de vez o segundo ciclo do mercado cripto. Se o primeiro foi marcado por sonhadores cypherpunks em cruzadas solitárias, o segundo foi protagonizado por empresários bilionários que acreditavam que as leis não se aplicavam a eles. 

A admissão de culpa do criador da Binance dá início a uma terceira fase, altamente profissionalizada e institucionalizada, que promete chegar junto com o dinheiro grosso do mundo (a.k.a BlackRock).

Leia também: Uma Binance sem CZ; entenda como a corretora deve operar daqui em diante

VOCÊ PODE GOSTAR
Policiais federais fotografados de costas

PF e Receita Federal caçam grupo suspeito de lavagem de dinheiro com criptomoedas

Policiais federais e auditores-fiscais se mobilizaram em quatro estados para cumprir mandados de prisão, busca e apreensão em um esquema de importações ilegais
moeda cardano ADA com graficos ao fundo

Charles Hoskinson diz que hard fork ‘Chang’ será marco na história da Cardano

Agendado para este mês de junho, a atualização Chang levará a Cardano para a versão 9.0
Imagem da matéria: Arthur Inc lança uma nova operação  de mineração de Bitcoin nos Estados Unidos

Arthur Inc lança uma nova operação de mineração de Bitcoin nos Estados Unidos

Área de 6.800 m² possui capacidade energética 15MW, equivalente ao abastecimento energético de oito shoppings center de grande porte
Imagem da matéria: Hacks de criptomoedas roubaram US$ 19 bilhões desde 2011 e atividades ilegais seguem crescendo

Hacks de criptomoedas roubaram US$ 19 bilhões desde 2011 e atividades ilegais seguem crescendo

Relatório da Crystal Intelligence mostra que em 13 anos ocorreram 785 casos de roubos de criptomoedas, no valor total de US$ 19 bilhões