Tigran Gambaryan, chefe de compliance da Binance, posa para foto
Tigran Gambaryan é chefe de compliance da Binance (Foto: Divulgação)

No último fim de semana, uma pessoa ligada ao governo da Nigéria afirmou sob anonimato a veículos de imprensa que o executivo da Binance, Nadeem Anjarwalla, que escapou da custódia no fim de março, foi localizado no Quênia e que o próximo passo é prendê-lo e extraditá-lo.

Para isso, ele disse que há uma força-tarefa que inclui a Comissão de Crimes Econômicos e Financeiros, a Polícia Criminal Internacional, a Força Policial da Nigéria e o Serviço de Polícia Queniano. As informações são do site local Daily Post.

Publicidade

“Nós sabemos onde ele está. Ele está no Quênia e estamos trabalhando com as autoridades para o trazer de volta à Nigéria”, disse a fonte, segundo o site.

De acordo com o site Tech Cabal, um funcionário do Directorate of Criminal Investigations, órgão de segurança do governo queniano, afirmou que o departamento recebeu um pedido para extraditar Nadeem Anjarwalla, mas que ainda não agiu devido a alguns fatores.

“Você não pode simplesmente entrar e prendê-lo com base no pedido. É um processo. Além disso, os Anjarwallas são influentes e têm o apoio de algumas pessoas poderosas”, disse ele, se referindo a Atiq Anjarwalla, pai de Nadeem Anjarwalla, que afirma ser sócio sênior da Anjarwalla & Khanna Advocates, um dos maiores escritórios de advocacia da África Oriental.

Anjarwalla esteve detido vários dias na Nigéria  sob os termos de uma ordem judicial em uma casa de custódia do governo, juntamente com outro executivo da Binance, Tigran Gambaryan. Uma audiência posterior concedeu uma extensão do período de tensão.

Publicidade

Na última semana de março, Anjarwalla escapou da custódia e fugiu do país, supostamente com um passaporte queniano, já que também possui cidadania no país que fica do lado oposto da Nigéria. Após sua fuga, o Gambaryan foi transferido para uma prisão subterrânea.

Nadeem Anjarwalla e Tigran Gambaryan foram detidos em fevereiro por autoridades nigerianas anticorrupção e de segurança que lançaram uma ampla investigação sobre a Binance por suspeita de facilitação de manipulação monetária e de transações ilícitas em suas plataformas.

Antes das prisões, o regulador de telecomunicações do país havia bloqueado o acesso ao site da exchange e os dois funcionários foram para a Nigéria para tentar resolver o problema. Chegando lá foram detidos no gabinete do conselheiro de segurança nacional e seus passaportes foram apreendidos.

A crise da Binance na Nigéria até o momento

No dia 22 de fevereiro, as autoridades nigerianas anticorrupção e de segurança lançaram uma ampla investigação sobre a Binance por suspeita de facilitação de manipulação monetária e de transações ilícitas em suas plataformas.

Publicidade

Além disso, o regulador de telecomunicações do país também bloqueou o acesso ao site da exchange. Desde então, governo e exchange trocaram uma série de acusações e ações, confira abaixo:

28 de fevereiro

Autoridades da Nigéria prendem Tigran Gambaryan e Nadeem Anjarwalla. Os executivos viajaram ao país após a decisão de bloqueio de vários sites de corretoras cripto, mas foram detidos pelo gabinete do conselheiro de segurança nacional e seus passaportes foram apreendidos.

5 de março

A Binance suspende seus serviços de criptomoedas na Nigéria e retira a moeda local naira da plataforma, deixando cerca de 13 milhões de usuários no país sem opções de investimento.

13 de março

A Nigéria exige os nomes e o histórico de transações dos 100 principais usuários nigerianos da Binance. Segundo o Financial Times, o escritório do conselheiro de segurança nacional da Nigéria também solicitou que a exchange resolvesse quaisquer obrigações fiscais pendentes.

22 de março

Nadeem Anjarwalla escapa da prisão em Abuja, depois que os guardas o levaram a uma mesquita próxima para as orações do Ramadã. Segundo relatos, ele, que possui dupla cidadania, britânica e queniana, usou seu passaporte queniano para embarcar em um voo em “avião comercial do Oriente Médio”, já que seu passaporte britânico havia sido apreendido.

Publicidade

29 de março

A agência anticorrupção da Nigéria, a Comissão de Crimes Econômicos e Financeiros, acusa Binance, Gambaryan e Anjarwalla de branqueamento de capitais e outras acusações relacionadas.

Ao mesmo tempo, Gambaryan entra com uma moção no Tribunal Superior Federal em Abuja, solicitando uma declaração de que a apreensão de seu passaporte violou a constituição da Nigéria.

3 de abril

A Binance quebra o silêncio sobre o caso e diz ao DL News que Gambaryan “não tem autoridade para tomar decisões” e não deve ser detido pelas autoridades nigerianas.

4 de abril

Gambaryan comparece em tribunal para uma audiência de custódia, mas não pode contestar depois de as autoridades nigerianas terem cometido erros processuais.

5 de abril

Gambaryan é transferido para uma cela subterrânea mantida pela EEFC. De acordo com um funcionário do governo que falou ao site sob anonimato, a transferência foi feita para evitar que ele fugisse.

8 de abril

Gambaryan se declara inocente de cinco acusações de lavagem de dinheiro e é detido em uma prisão de segurança média até sua audiência de fiança, em 19 de abril.

VOCÊ PODE GOSTAR
Moedas de ethereum à frente de ilustração de cadeado

A SEC vai finalmente aprovar os ETFs de Ethereum? Entenda

Vence no fim desta semana o prazo para a SEC aprovar ou não alguns pedidos de ETFs de Ethereum e a expectativa agora é mais positiva do que nunca
Imagem da matéria: Manhã Cripto: Ethereum surpreende e cai 3,6% após aprovação dos ETFs

Manhã Cripto: Ethereum surpreende e cai 3,6% após aprovação dos ETFs

Embora esteja em queda nesta sexta, o Ethereum ainda registra ganhos de mais de 21% na semana
Moeda de Ethereum na frente de gráfico

Ethereum pode surpreender positivamente nos próximos meses, diz Coinbase

Subindo menos que outras criptomoedas em 2024, o Ethereum pode se recuperar e superar seus pares nos próximos meses, avalia a Coinbase
Imagem da matéria: Drenador de carteiras de criptomoedas encerra negócio após roubar mais de US$ 85 milhões

Drenador de carteiras de criptomoedas encerra negócio após roubar mais de US$ 85 milhões

“Alcançamos nosso objetivo e agora, de acordo com o planejado, é hora de nos aposentarmos”, disseram os desenvolvedores do drenador de carteiras cripto