Imagem da matéria: Empresas de criptomoedas invadem evento dos grandes bancos
Febraban Tech teve recorde de público em 2023 (Foto: Portal do Bitcoin)

Organizado pela entidade que representa os mais tradicionais bancos do Brasil, o evento Febraban Tech teve a edição desse ano marcada pela participação de empresas web3. Trocando em miúdos: o mercado financeiro tradicional e os players institucionais finalmente parecem encarar de igual para igual as criptomoedas. 

Um exemplo disso é o fato de que, no cenário principal do evento – que era dividido em três palcos -, um dos espaços falou apenas de sobre o mercado de criptoativos na quarta-feira, dia 28. 

Publicidade

Por lá passaram executivos de bancos de grande porte como Santander, Grupo Citi, Bradesco, Itaú e BTG – além de representantes do Banco Central e CVM – para debater se a economia tokenizada já é uma realidade. O Mercado Bitcoin (MB) foi uma das empresas criptonativas que participou desses painéis. 

Nos corredores era possível encontrar grandes estandes de gigantes da tecnologia como IBM, Microsoft, Google, Embratel, Vivo e Huawei. Ao mesmo tempo, no entanto, também foi possível ver que empresas 100% focadas em criptomoeda e blockchain estão se integrando naturalmente na paisagem do mercado financeiro brasileiro. 

Segundo a organização, a Febraban Tech bateu seu recorde de público em 2023, com quase nove mil pessoas durante os três dias de evento.

Uma das empresas web3 com grande presença no evento foi a Fireblocks, companhia que fornece estrutura de Wallet-as-a-Service e infraestrutura cripto para que empresas do mercado tradicional ofereceçam produtos web3 para os clientes. 

Publicidade

Jorge Borges, diretor de vendas para América Latina da Fireblocks, disse ao Portal do Bitcoin que a diferença da presença de cripto no evento é evidente: “A pauta já estava relevante ano passado nos painéis, mas esse ano temos uma abertura maior, com mais players participando, expondo, e a pauta de ativos digitais ainda mais aprofundada”, disse.

Nascida em Israel e com sede nos Estados Unidos, a Fireblocks tem como clientes empresas do mercado tradicional. Esse cenário – um pé em cada lado da cerca – permite uma análise sobre como está o mercado cripto em 2023 após um bearmarket duro no ano passado.

Estande da Fireblocks na Febrabantech 2023 (Foto: Portal do Bitcoin)

“Nós tivemos durante dez anos um mercado pautado em crypto trading, que já está consolidado. E em 2022 vimos duas novas vertentes se abrindo: finanças tradicionais e web3”, diz Borges. 

O executivo afirma que ambos são segmentos que ainda não têm volume transacional e buscam casos de uso, mas que são mercados em crescimento. 

Publicidade

“O mercado tradicional quer primeiro validar a tecnologia e pensar em casos de uso que fazem sentido.. E a Web 3 está quente, tem muita coisa sendo desenvolvida, que é o futuro da relação com a internet, mas também são muitos pilotos, buscando casos de uso disruptivos para ter esse impacto lá na frente. As duas coisas irão convergir”, analisa. 

“Ambiente regulatório perfeito”

Quem também marcou presença foi a Parfin. Empresa brasileiro de Crypto-as-a-Service que tem a XP como cliente (fornecem a infraestrutura da Xtage), a companhia está profundamente envolvida no projeto do Banco Central do Real Digital: faz parte oficialmente do consórcio com a TecBan e Banco da Amazônia e fornecem infraestrutura para outros quatro projetos. 

Marcos Viriato, CEO da Parfin, afirmou em entrevista ao Portal do Bitcoin que a aprovação da Lei das Criptomoedas e o decreto apontado o Banco Central como fiscalizador criou um “ambiente regulatório perfeito”. Mas analisa que deve demorar de seis a doze para o mercado se adaptar. 

“Tem muito banco e instituição que fala: ‘Não faço porque não é regulado’. A partir do momento que é e todo mundo começa a fazer, gera um FOMO [‘medo estar perdendo algo’, na sigla em inglês] de precisar fazer, senão meu cliente vai olhar outra instituição”. 

Estande da Parfin durante Febraban Tech 2023 (Foto: Portal do Bitcoin)

Em março deste ano, a Parfin anunciou o lançamento da sua blockchain própria, a Parchain. A blockchain será compatível com o Ethereum Virtual Machine (EVM), o que lhe permitirá rodar contratos inteligentes e ser usada para projetos de tokenização, CBDCsstablecoins e DeFi permissionado.  

Publicidade

A Parfin foi uma das empresas convidadas a falar na CPI das Pirâmides Finaceiras para explicar como funciona o mercado de criptomoedas. Viriato disse que ainda não sabe como essa situação irá se desenrolar e que ficou sabendo pela imprensa do convite.

VOCÊ PODE GOSTAR
Imagem de Glaidson Acácio dos Santos, mais conhecido como Faraó do Bitcoin

Gilmar Mendes mantém prisão de Glaidson Acácio dos Santos, criador da GAS Consultoria

A defesa do ‘Faraó do Bitcoin’ alegou problemas psiquiátricos e uso de medicamento controlado, além de questionar a jurisdição acerca da competência para os processos
Imagem da matéria: Quem é Roaring Kitty e o que seu retorno significa para as criptomoedas?

Quem é Roaring Kitty e o que seu retorno significa para as criptomoedas?

Keith Gill, o Roaring Kitty, encenou seu retorno ao Twitter, depois ao Reddit e, finalmente, de volta ao YouTube com uma transmissão ao vivo que atraiu 700.000 espectadores
Imagem da matéria: MB lança campanha comemorativa de 11 anos com ‘cakeback’ e oferece chance de ganhar dois ETH

MB lança campanha comemorativa de 11 anos com ‘cakeback’ e oferece chance de ganhar dois ETH

Os incentivos serão válidos para clientes antigos e novos entrantes da plataforma; campanha seguirá ativa por todo o mês de junho de 2024
Imagem da matéria: MB diversifica portfólio e anuncia onze novas listagens em maio de 2024

MB diversifica portfólio e anuncia onze novas listagens em maio de 2024

“Muitas dessas novidades podem ser acessadas a partir de R$ 1. Isso dinamiza nosso portfólio, e viabiliza a democratização”, diz executivo