Imagem da matéria: CPI das Pirâmides convoca Binance e líderes da GAS Consultoria, Trust Investing e Atlas Quantum; confira a lista completa
Congresso Nacional em Brasília, formado pela Câmara dos Deputados e Senado. (Foto: Shuttertock)

A CPI das Pirâmides Financeiras aprovou nesta terça-feira (27) dezenas de requerimentos para convites e convocações de pessoas para depor ao longo das próximas semanas de trabalho. Como já se esperava, todos os pedidos protocolados pelos deputados foram aprovados sem nenhuma ressalva. 

O fato mais notório é que Guilherme Haddad Nazar, sobrinho do atual ministro da Economia, Fernando Haddad, e diretor-geral da corretora Binance no Brasil, foi convocado para depor na condição de testemunha. Ou seja, ao contrário de executivos de outras empresas, ele não tem a opção de recusar, pois não foi um mero convite dos parlamentares.

Publicidade

A convocação foi proposta pelo deputado Alfredo Gaspar (UNIÃO/AL),que na justificativa afirmou que a Binance precisa esclarecer sua relação com a empresa B Fintech, o fato de ter continuado a oferecer produtos de mercado derivativo para brasileiros após ter alegado para a CVM que haviam parado com a prática (caso demonstrado em reportagem do Portal do Bitcoin) e o fato de ter sido a plataforma usada pela pirâmide Braiscompany.

A audiência também confirmou a intimação de Glaidson Acácio dos Santos, o Faraó do Bitcoin. Trata-se do criador da GAS Consultoria, uma das mais famosas pirâmides financeiras do Brasil nos últimos anos.

Além disso, os deputados aprovaram um pedido para que Cláudio Goldberg Rabin, editor-chefe do Portal do Bitcoin, seja oficialmente convidado para falar sobre a cobertura jornalística de vários casos de esquemas fraudulentos expostos em reportagens.

“Desde 2019, ele tem se dedicado a acompanhar e informar sobre esses casos, antecipando várias situações que ganharam destaque nacional. Rabin enfrentou processos judiciais por parte de entidades envolvidas em esquemas fraudulentos, o que ressalta seu compromisso em expor essas práticas e promover a transparência no mercado de criptomoedas”, aponta o pedido aprovado do deputado Caio Vianna (PSD/RJ).

Publicidade

No mesmo pedido foi aprovado o convite para o jornalista Carlo Cauti, da TV BM&C também contar sua expertise.

Convocados como investigados

Os deputados aprovaram a convocação de uma série de pessoas envolvidas em esquemas de pirâmides financeiras:

Convocados como testemunhas

Foram aprovados os requerimentos para que sejam convocados como testemunhas:

Big techs e emissoras

Nesta terça, a CPI aprovou o convite para que as grandes empresas de tecnologia e emissoras prestem informações sobre publicidades feitas envolvendo criptoativos:

Representantes de empresas e instituições convidados

Dezenas de representantes de empresas nacionais e internacionais tiveram pedidos para participar da CPI como convidados aprovados.

Requerimento 40:

  • Karen Duque, diretora de Políticas Públicas da Bitso Brasil
  • Fabrício Tota, representante do MB
  • Erik Navarro Wolkart, juiz federal
  • Courtnay Guimarães, especialista em blockchain
  • Caio Sanas, advogado

Requerimento 42:

  • Artêmio Picanço e Luciano Regis da Costa, advogados especialistas em atender vítimas de pirâmides

Requerimento 39:

  • Fabricio Tota, diretor de negócios do Mercado Bitcoin
  • Daniel Coqueiri, CEO da Liqi Digital Assets
  • Marcos Jarne, diretor-geral e head jurídico da Crypto
  • Daniel Vogel, diretor-executivo da Bitso Brasil
  • Juliana Piassa, gerente de desenvolvimento de negócios global da OKX
  • Diego R., gerente regional da KuCoin Exchange
  • Daniel Mangabeira, vice-presidente da relações governamentais para as Américas da Binance
  • Caio Nascimento, líder de marketing para Europa e América Latina da Bitget
  • João Canhada, CEO e fundador da Foxbit
  • Beibei Liu, CEO da NovaDAX

Requerimento 34:

  • Courtnay Guimarães: cientista da computação e especialista em blokchain
  • Mauricio Tovar Gutiérrez: professor e especialista em blockchain
  • Monica Taher: atuou junto ao governo de El Salvador para adoção do Bitcoin como moeda de curso forçado
  • André Franco: executivo do MB especialista no setor

Requerimento 33:

  • Daniel Vogel, CEO da Bitso

Requerimento 31:

  • Reinaldo Rabelo, representante da MB
  • Cristian Bohn, representante da Parfin
  • João Canhada, representante da Foxbit

Requerimento 30:

  • João Canhada, representante da Foxbit Pay
  • Luis Silva, representante da Cloudwalk
  • Edisio Neto, representante da Zro Bank

Requerimento 28:

  • Reinaldo Rabelo, representante da MB
  • Jonathas Carrijo, representante da Bitpreço
  • João Canhada, representante da Foxbit
  • João Paulo Oliveira, representante da Nox
  • Rodrigo Batista, representante da Digitra
  • Guilherme Haddad Nazar (diretor geral), Daniel Mangabeira, Mayra Siqueira, e Thiago S de Carvalho, representantes da Binance
  • Antonio Neto, representante da FTX Brasil
  • Fabio Tonetto Plein, representante da Coinbase; sr. Beibei Liu, representante da Novadax
  • Andre Portilho, representante da Mynt
  • Thales Freitas, representante da Bitso

Requerimento 26:

  • Bernardo Srur, presidente da ABCripto

Requerimento 17:

  • Matheus Puppe, especialista em criptoativos
VOCÊ PODE GOSTAR
Imagem da matéria: EUA acusam  2 chineses de lavarem US$ 73 milhões em esquema com criptomoedas

EUA acusam 2 chineses de lavarem US$ 73 milhões em esquema com criptomoedas

O Departamento de Justiça acusou Daren Li e Yicheng Zhang de orquestrar um esquema com criptomoedas de “abate de porcos”
Imagem da matéria: ABCripto lança campanha de arrecadação de criptomoedas em apoio a vítimas de enchentes no RS

ABCripto lança campanha de arrecadação de criptomoedas em apoio a vítimas de enchentes no RS

Ação conjunta da ABcripto e associados visa levantar fundos e doações para desabrigados das inundações
Ilustração da memcoin em Solana Bonk

Como criar uma memecoin em Solana com a Pump.fun

Protocolo viralizou ao permitir a qualquer pessoa criar uma criptomoeda por cerca de R$ 15
Sheik das criptomoedas Francisley Valdevino

Sheik das Criptomoedas usou “Banco do Crime” para lavar R$ 600 mil da pirâmide Rental Coins

Autoridades apontam a Cash Back como um dos maiores esquemas de lavagem de dinheiro em São Paulo