Imagem da matéria: Itaú se torna membro da ABCripto
Foto: Shutterstock

O banco Itaú agora faz parte da Associação Brasileira de Criptoeconomia (ABCripto), entidade que representa as principais empresas do mercado de criptomoedas do Brasil.

Em nota à imprensa, o diretor-presidente da ABCripto, Bernardo Srur, comemora a entrada na associação do banco que acumula cerca de 70 milhões de clientes.

Publicidade

“É uma parceria muito relevante que proporcionará novas oportunidades de investimento e evolução para a ABcripto, estimulando a inovação e a inclusão financeira. Mostra ainda, a capacidade do nosso setor de agregar players de diversas expertises”, afirma Srur.

O Head do Itaú Digital Assets, Guto Antunes, aponta a importância do ecossistema de ativos digitais no Brasil e a inclusão do banco na associação:

“Acreditamos no potencial da criptoeconomia como um agente transformador no mercado financeiro global e reconhecemos a importância de estarmos engajados nesse ecossistema. Ao nos associarmos à ABCripto, colocamos o Itaú Unibanco em contato direto com os principais players e especialistas do setor, o que nos permitirá trocar experiências e contribuir ativamente para o desenvolvimento e a regulamentação da criptoeconomia no Brasil.”

Com a entrada do Itaú na associação, a ABCripto passa a contar com 25 membros.

Itaú no mercado cripto

Se no passado o Itaú foi um dos grandes bancos que fechou contas de usuários e de empresas de criptomoedas, nos últimos tempos o banco vem mudando de rota e apostando no segmento.

Publicidade

O Itaú estreitou os lanços com o setor em novembro do ano passado, quando lançou seu primeiro ETF de Bitcoin, o IT Now Bloomberg Galaxy Bitcoin ETF (BITI11), na bolsa de valores brasileira, a B3.

O produto, que começou a ser negociado em 10 de novembro, foi desenvolvido em parceria com a Galaxy Digital, empresa americana comandada por Mike Novogratz, empresário de longa data no mercado cripto.

Pouco depois, o Itaú Digital Assets, braço ligado ao setor de criptomoedas do banco, anunciou que iria oferecer serviço de custódia de ativos digitais a partir de 2023.

O novo serviço pretende trazer os “melhores pilares de segurança, governança e compliance”, conforme o banco descreveu na época. Quando o novo serviço chegar ao mercado, ele será limitado à custódia de criptomoedas do próprio banco. Em um segundo momento, a intenção será ampliar a oferta para clientes institucionais e outras empresas.

VOCÊ PODE GOSTAR
Imagem da matéria: MB estreia no ranking de Exchange Benchmark em 1º lugar no Brasil

MB estreia no ranking de Exchange Benchmark em 1º lugar no Brasil

O relatório semestral, realizado pela CCData, é considerado uma estrutura robusta para classificar a atuação de exchanges do Brasil e do mundo
Donald Trump ex-presidente dos EUA

Donald Trump recebe compradores de seus NFTs em jantar de luxo

O ex-presidente resolveu aproveitar o dia de folga do Tribunal de Nova York para receber os apoiadores no resort de luxo Mar-a-Lago
Joe Biden posa para foto

Biden expulsa mineradora cripto chinesa de área próxima a base militar: “Risco de espionagem”

O governo afirma que a MineOne possui equipamentos especializados de origem estrangeira potencialmente capazes de facilitar atividades de vigilância e espionagem
Imagem da matéria: Coinbase sai do ar durante madrugada após interrupção do sistema

Coinbase sai do ar durante madrugada após interrupção do sistema

Embora a Coinbase tenha informado nesta manhã que o problema estava resolvido, sua página de status ainda indica que o app móvel e site estão com “desempenho prejudicado”