Imagem da matéria: Stablecoins: o que são, e quais as principais criptomoedas estáveis do mercado?
(Foto: Shutterstock)

Entre a miríade de produtos e opções de investimentos ligados ao mercado cripto uma categoria em destaque é a das stablecoins. Essas moedas digitais estão listadas na maioria das corretoras, mas não funcionam exatamente como as criptomoedas.

O nome “stablecoin” significa “moeda estável” em inglês, o que sucinta bem a principal característica desse tipo de token. Um dos maiores empecilhos associados às criptomoedas é a alta volatilidade das cotações diante das moedas fiduciárias nacionais. As stablecoins foram criadas a fim de contornar esse problema, unindo a utilidade das moedas digitais à vantagem de terem o preço estável e previsível, servindo como um meio de pagamento mais confiável para operações financeiras de rotina. Isso possibilita que um público mais abrangente tenha acesso a tecnologias incluindo meios de pagamento digitais (DeFi).

Publicidade

A flutuação relativamente baixa no preço das stablecoins é possível graças a uma simples solução: elas são lastreadas por ativos que existem no mundo real. Há vários tipos de stablecoins, atreladas a ativos como dólar, euro, ouro, petróleo, etc.

Confira, a seguir, uma lista com as mais relevantes no mundo e suas principais características e valores de mercado.

USDT

USDT é a sigla para a principal stablecoin do mundo: o Tether, atrelado ao dólar americano. A grande maioria das stablecoins no topo do ranking de capitalização de mercado têm lastro no dólar americano, mas o Tether foi uma das primeiras a serem criadas, surgindo em 2014. Com US$ 81 bilhões em capitalização de mercado e cotação presente de R$4,76 (1 dólar), mais de 94% de todo o volume de stablecoins negociado no mundo ocorre através do Tether.

Essa moeda digital funciona como um dólar descentralizado, podendo ser facilmente convertida para Bitcoin, Ether e outras criptos. Recentemente, porém, esse ativo está sendo alvo de disputas judiciais nos EUA, investigações e polêmicas. Circulam rumores de que as reservas do Tether não seriam de 1:1, mas de no máximo 80/90 centavos de dólar por USDT, o que vem abalando a confiabilidade dos investidores nesse ativo.

USDC

O USDC, ou USD Coin, foi lançado em 2018 pelas empresas Circle e Coinbase. É uma moeda digital lastreada no dólar americano na razão 1:1, ocupando a segunda colocação no ranking de capitalização de mercado, com quase US$ 52 bilhões. Ela possui um sistema de emissão similar ao USDT, que permite a geração ilimitada de unidades de USDC, contanto que haja um depósito paralelo em dólares americanos pelo usuário. Em contrapartida, a retirada de fundos do contrato inteligente acarreta a queima dos USDC correspondentes.

Publicidade

O USDC é um token ERC-20. Estar no ecossistema Ethereum confere a ele as vantagens de ser mais versátil e rápido. Vale lembrar, também, que é uma stablecoin centralizada, ou seja, regulada por uma empresa, o que pode ser uma desvantagem para alguns usuários.

BUSD

A terceira stablecoin com maior capitalização de mercado é o BUSD, ou Binance USD, com US$ 17,5 bilhões. Ela foi criada pela empresa Paxos e pela corretora de criptomoedas Binance, e também tem lastro 1:1 no dólar americano.

Essa criptomoeda ERC-20 foi lançada em 2019. Seu uso é possível dentro e fora do ecossistema Binance Smart Chain, tratando-se de uma das poucas stablecoins que seguem os padrões de regulamentação NYDFS e que possuem auditorias mensais.

UST

O UST, ou TerraUSD, está em quarto lugar no ranking de capitalização de mercado, com US$ 16 bilhões, e também possui lastro 1:1 no dólar americano. Trata-se de uma stablecoin descentralizada, a primeira desse tipo a compor esta lista. Ela foi lançada em 2020 como resultado de uma colaboração entre Terra e Bittrex Global.

Publicidade

O UST tem um diferencial em relação às outras stablecoins: a estabilidade é garantida integralmente por meio de algoritmos associados à criptomoeda LUNA, não havendo necessidade de depósitos fiduciários em USD.

Dai

O Dai está atrelado ao dólar americano. É a quinta maior stablecoin em capitalização de mercado, com US$ 9 bilhões. De forma similar ao UST, utiliza algoritmos com engenharia financeira mais moderna, e não necessita de lastro em depósitos fiduciários para se manter no valor de 1 dólar.

Essa moeda está no ecossistema Ethereum e é descentralizada, sendo mantida pelo MakerDAO. Esse DAO utiliza uma token de governança, o MKR, para regulamentar temas e votações de mudanças no protocolo. Esse é considerado o primeiro caso de um sistema DeFi a ter recebido alcance e adoção pública significativos.

USDP

O USDP é a stablecoin da Paxos, atrelada ao dólar americano. Era originalmente denominado PAX: a mudança de ticker ocorreu em agosto de 2021.

A Paxos vem focando bastante em contrastar sua imagem perante o USDT e o USDC. Ela fez publicações recentes contestando relatórios de reservas dessas duas stablecoins, chamando-as de “não-regulamentadas”.

Publicidade

E-RMB

O e-RMB, ou Yuan eletrônico, é a moeda digital governamental da China, uma CBDC. Esse tipo de stablecoin centralizada é regulada pelo governo da China e tem lastro no Yuan. As expectativas com a criação dessa moeda são internas e externas: o impulsionamento das transações financeiras digitais dentro do país e da internacionalização do Yuan no mercado mundial de commodities.

Essa stablecoin tem passado por sucessivas fases de teste desde 2019, a mais recente tendo ocorrido durante as olimpíadas de inverno de 2022, em Beijing.

BRZ

O BRZ é a maior moeda digital pareada ao real, consolidando-se internacionalmente com a compra do Crypto BRL (CBRL) no final de 2021. Possui capitalização de mercado de quase R$ 1 bilhão. Essa moeda é emitida pela empresa Transfero.

Cerca de 90% dos detentores de BRZ são brasileiros, que o usam como uma forma mais barata de acesso aos mercados cripto internacionais.

Sobre o autor

Fares Alkudmani é formado em Administração pela Universidade Tishreen, na Síria, com MBA pela Edinburgh Business School, da Escócia. Naturalizado Brasileiro. Atua como Business Development Manager Brasil na Kucoin.

VOCÊ PODE GOSTAR
bloco de bitcoin, ordinals, runes

O maior Ordinals da história do Bitcoin acaba de ser inscrito — até onde eles vão crescer?

O maior arquivo de Bitcoin de todos os tempos acabou de ser criado. Será que o recorde pode ser quebrado novamente?
Imagem da matéria: O que é o Notcoin? Conheça o jogo baseado em Telegram, o token NOT e os planos futuros

O que é o Notcoin? Conheça o jogo baseado em Telegram, o token NOT e os planos futuros

Notcoin é um jogo baseado no Telegram que nos últimos meses acumulou um total de 35 milhões de jogadores
ilustração do famoso sapo pepe

PEPE salta 19% e bate recorde após boato de listagem na Coinbase e hype da GameStop

As últimas 24 horas foram uma tempestade perfeita para Pepe: Roaring Kitty voltou causando um boom das memecoins, ao mesmo tempo que se espalhou rumores de listagem na Coinbase
Imagem da matéria: El Salvador já minerou R$ 154 milhões em Bitcoin usando energia de vulcão

El Salvador já minerou R$ 154 milhões em Bitcoin usando energia de vulcão

A mineração de Bitcoin é feita com energia do vulcão Tecapa, usando 300 processadores voltados para essa atividade