Evento
Participantes de debate durante a NFT.Rio

A tarde desta quinta-feira (30) no NFT.Rio começou com uma discussão sobre o mercado da arte em tempos digitais, no qual um quarteto de especialistas debate como o surgimento dos NFTs e sua popularização transformou o mercado de artes tradicionais.

Entre os participantes da conversa está Fábio Szwarcwald, um economista mais conhecido por atuar como diretor do Parque Lage e do Museu de Arte Moderna (MAM) do Rio de Janeiro. No início do ano, Szwarcwald deixou o cargo no MaM para virar sócio e diretor de arte da Tropix, um marketplace de NFTs.

Publicidade

Ele conta que a primeira vez que ouviu falar de NFT foi no começo de 2021. “Eu lembro que meu primeiro contato com esse mundo foi quando o CEO da Tropix me ligou para perguntar se eu sabia o que era NFT. Eu comecei a olhar esse mercado e achei uma loucura. Logo percebi que essa é uma transformação que vai acontecer no mundo da arte, algo que as pessoas só vão entender quando começarem a utilizar”, declara.

Para virar essa chave, ele argumenta que é preciso que colecionadores, artistas, galerias e instituições de arte entendam como essa tecnologia pode ajudá-los. “Eu, trabalhando em instituições culturais, vendo todo esse movimento de hoje, entendo que a digitalização é um caminho sem volta. Afinal, temos necessidades diferentes agora”.

Marco histórico

Junto com ele no debate estava João Vergara, diretor executivo do arte clube Jacarandá, e Ciça Fortes, pesquisadora de cripto arte e NFTs.

Para a especialista, um marco histórico para o avanço dos NFTs que fez o mercado de arte tradicional passasse a olhar para essa tecnologia com mais seriedade foi quando o artista conhecido como Beeple teve um obra leiloada por quase US$ 70 bilhões na Christie’s, uma das casas de leilões mais tradicionais no mundo.

Publicidade

“No início havia um receio de que NFT iria substituir a arte, mas as pessoas perceberam que uma coisa não exclui a outra. Ainda assim, a adoção do pessoal da arte tradicional nesse novo setor é baixa. Como toda novidade, NFTs assustam, as pessoas estão pensando se vão entrar ou não”, explica Fortes.

Para ela, embora o primeiro sentimento ao diferente seja de medo e rejeição, galerias e museus ao redor do mundo já começaram a entender NFT como oportunidade e testá-los para seu benefício próprio. “Esse freio de arrumação que veio com o inverno cripto é bom para entender o que tem nesse mercado para além da euforia, quais outros desdobramentos no quesito artístico nós podemos explorar neste início de amadurecimento do setor de NFT”, finaliza.

VOCÊ PODE GOSTAR
logo da solana em celular

21Shares segue o exemplo da VanEck e registra pedido de ETF de Solana nos EUA

A 21Shares pretende oferecer seu próprio ETF spot de Solana nos Estados Unidos, seguindo o pedido da VanEck feito na quinta-feira
Imagem da matéria: Jogador que traiu Iza perdeu R$ 50 mil na pirâmide Braiscompany

Jogador que traiu Iza perdeu R$ 50 mil na pirâmide Braiscompany

Yuri Lima entrou na Justiça alegando ter aplicado R$ 50 mil na Braiscompany, pirâmide financeira que ruiu em dezembro de 2022
Imagem da matéria: Circle é a primeira emissora de stablecoins a obter licença do MiCA na Europa

Circle é a primeira emissora de stablecoins a obter licença do MiCA na Europa

A Circle se tornou a primeira emissora global de stablecoin a se tornar compatível com o MiCA
Bandeira do Japão com moedas de bitcoin

Empresa japonesa intensifica compra de Bitcoin em meio ao baixo crescimento econômico

A Metaplanet Inc. comprou mais 42 BTC, avaliados em US$ 2,4 milhões, enquanto a economia do Japão enfrenta ventos contrários