Imagem da matéria: Empresa emissora da stablecoin USDC rebate acusação de que ativo estaria próximo ao colapso
(Foto: Shutterstock)

Jeremy Allaire, CEO da empresa de serviços financeiros Circle, decidiu rebater rumores de que sua stablecoin USDC estaria à beira do colapso.

Em uma série de tuítes publicados no último fim de semana, Allaire disse que entende por que a comunidade cripto “ficaria paranoica” com a USDC, levando em consideração o colapso recente de diversos projetos importantes de criptomoedas.

Publicidade

“A Circle está mais forte do que jamais esteve financeiramente e iremos continuar aumentando nossa transparência”, afirmou o líder da Circle.

Para fomentar suas afirmações, Allaire compartilhou os relatórios mais recentes da Circle sobre transparência e confiança, auditorias e testemunhos, bem como o estado da liquidez da USDC.

Os comentários do CEO aconteceram em meio a rumores espalhados por uma conta anônima do Twitter de que a empresa estaria correndo risco de inadimplência das reservas da stablecoin por conta de pagamentos de juros que precisa fazer a bancos focados em cripto, como Signature e Silvergate.

A stablecoin também está sendo usadas em atividades de empréstimo envolvendo Genesis, BlockFi, Celsius, Galaxy e Three Arrows Capital (3AC). Cada uma dessas empresas cripto foi alvo de uma crise de liquidez que teve um efeito dominó em toda a indústria.

Publicidade
https://twitter.com/CryptoInsider23/status/1542027718677504002

Allaire parece ter abordado esses rumores de frente, explicando que existe uma diferença entre as reservas da USDC e as stablecoins usadas em mercados de empréstimo.

“Existe uma certa confusão óbvia entre as reservas da USDC — que são reguladas (onde e o que podemos alocar), examinadas (por reguladores e seguradoras) e transparentes (fluxos e composição semanais) — e a USDC que é usada nos mercados de empréstimo, longe da Circle”, explicou Allaire.

Ele acrescentou que a Circle iria compartilhar uma publicação esta semana no Circle Yield — o produto de pagamento de juros de curto e longo prazo da empresa, desenvolvido completamente com base na stablecoin USDC —, enfatizando que o produto em questão é regulamentado e possui garantias excedentes (ou é “sobrecolateralizado”) e só é oferecido a investidores credenciados, com quem a Circle “nunca teve problemas”.

Reservas da USDC

A Circle, que quer ser listada em bolsa por meio de uma empresa de “cheque em branco” (ou SPAC), estava avaliada em US$ 9 bilhões em fevereiro deste ano. Além de auditorias anuais, a empresa com sede na cidade americana de Boston também publica comunicados mensais sobre o tamanho e a composição das reservas da USDC.

Publicidade

A stablecoin USDC é a segunda maior stablecoin do mercado cripto, ostentando uma capitalização de mercado de US$ 55,8 bilhões, duplicando no último dia e aproximadamente US$ 10 bilhões da líder de mercado USDT, da Tether.

A Circle insiste que a stablecoin USDC pode ser “sempre resgatável por dólares americanos. Qualquer quantia. Sempre. Ponto final”, afirmou a empresa em seu comunicado mais recente sobre liquidez.

“Podemos fazer essa afirmação com segurança porque a USDC possui reservas completas com Tesouros Americanos de curto prazo (cerca de 80%) e dinheiro em espécie (20%), denominados em dólares americanos, e armazenados diretamente com instituições financeiras americanas e custodiantes no perímetro regulatório dos EUA”, de acordo com o comunicado.

Fazendo alusão à adversária Tether, que utiliza diferentes tipos de ativos — títulos do Tesouro Americano, papéis comerciais de corporações e certificados de depósito emitidos por instituições financeiras — para as reservas de sua stablecoin, a Circle disse que as reservas da USDC não contêm “qualquer outro ativo de alto risco e menos líquido, como ativos digitais, investimento privado ou público, empréstimos com garantia ou sem garantia, [ou] papéis comerciais de qualquer tipo ou classificação de crédito”.

*Traduzido por Daniela Pereira do Nascimento com autorização do Decrypt.co.

VOCÊ PODE GOSTAR
Imagem da matéria: Propina paga a Eduardo Requião foi usada para investir na pirâmide financeira do "Rei do Bitcoin"

Propina paga a Eduardo Requião foi usada para investir na pirâmide financeira do “Rei do Bitcoin”

Nova operação da Polícia Federal visando fraudes no portos do Paraná revelou uma curiosa ligação entre o irmão do Roberto Requião e um dos maiores piramideiros do Brasil
Fachada da GameStop em Tyler no Texas

Memecoin da rede Solana com tema GameStop sobe 1.900% e desperta febre do GME

A memecoin GME decolou na segunda-feira (13), entregando retornos consideráveis, superando os das ações da GameStop
SBF da FTX no Congresso dos EUA

Criador da FTX diz que divide presídio com assassinos e brinca que arroz virou moeda com “boas oportunidades” de arbitragem

Sam Bankman-Fried, fundador da FTX, falou sobre sua vida na prisão, a visão diferenciada que tem sobre o que poderia ter sido sua vida e sua tentativa de apelação da condenação
Imagem da matéria: Maior plataforma P2P de Monero fecha após 7 anos de operação

Maior plataforma P2P de Monero fecha após 7 anos de operação

A plataforma peer-to-peer focada na moeda de privacidade Monero (XMR) citou “uma combinação de fatores internos e externos” para sua decisão de fechar as portas