ilustração de um cérebro plugao em uma fonte de água-Criação Decrypt por AI
Imagem criada pelo Decrypt usando IA

As demandas de energia da inteligências artificiais (IA) também significam que é necessária mais água para resfriar os servidores que respondem às suas solicitações. E essa sede só está aumentando.

Como qualquer atividade computacionalmente intensa, sistemas de IA como o ChatGPT requerem processamento significativo e, portanto, energia elétrica, utilizando servidores muitas vezes alojados em data centers extensos que podem consumir quantidades substanciais de energia e água.

Publicidade

A Microsoft e o Google, os maiores players nesta área, estudam tomar medidas para reduzir o impacto ambiental da IA ​em meio a um esforço mais amplo da indústria para utilizar recursos de forma responsável. No entanto, especialistas continuam a sensibilizar para o lado negativo do crescimento descontrolado do setor tecnológico.

De acordo com um relatório recente da Associated Press, sistemas de IA como o ChatGPT fazem com que os data centers consumam cerca de 500 mililitros de água cada vez que um usuário faz de 5 a 50 solicitações ou perguntas.

Considerando que esse chatbot tem sido o site de tecnologia de crescimento mais rápido no planeta desde a criação da internet, não se trata de uma quantidade insignificante de água, o que levou especialistas e ambientalistas a soar o alarme. 

O ChatGPT treinou seus modelos GPT-4 em data centers localizados perto de campos de milho a oeste de Des Moines, cidade em Iowa, EUA, observa o relatório, onde a água dos rios Raccoon e Des Moines é usada.

Publicidade

“O GPT-4 foi feito por engenheiros extraordinários na Califórnia, mas foi feito de verdade em Iowa”, disse o presidente da Microsoft, Brad Smith, de acordo com a AP.

Desde então, a revolução da inteligência artificial ​​exigiu mais água para fazer funcionar o seu hardware, que consome muita energia, tanto para ligá-lo como para resfriá-lo.

Consumo de água por Microsoft e Google

De acordo com relatórios oficiais, o consumo de água da Microsoft aumentou 34% entre 2021 e 2022, provavelmente impulsionado pelas exigências de computação relacionadas com IA. O Google, seu principal concorrente, reportou um crescimento de 20% no consumo de água no mesmo período.

Para colocar isto em perspectiva, esse aumento equivale a 1,7 bilhões de galões de água adicionais entre as duas empresas.

Publicidade

A OpenAI tem mantido segredo sobre a localização de seus data centers, mas os moradores locais podem sentir seu impacto mesmo sem saber a causa.

“As taxas residenciais na estação de água de Des Moines aumentaram quase 80% desde 2007”, relatou o site Axios em abril de 2022, “agora em US$ 5,19  por 1.000 galões para aqueles que vivem na cidade”.

Alguns especialistas dizem que isto realça as consequências não intencionais do rápido avanço da tecnologia de IA, que exige cada vez mais poder computacional.

“A maioria das pessoas não está ciente do uso de recursos subjacente ao ChatGPT”, disse o pesquisador Shaolei Ren à AP. “Se você não está ciente do uso dos recursos, não há como ajudarmos a conservá-los.”

Uso de água na mineração de Bitcoin 

Outras tecnologias nascentes também têm grande sede. A mineração de criptomoedas, embora não relacionada à tecnologia de inteligência artificial, fornece uma comparação relevante.

Publicidade

Uma análise da Universidade de Cambridge de 2021 descobriu que a energia consumida pela mineração de Bitcoin naquele ano foi comparável a todo o uso de eletricidade na Argentina.

Este tem sido um ponto controverso, mas também fundamental no desenvolvimento de toda a indústria cripto. O valor do Bitcoin despencou de mais de US$ 65 mil para menos de US$ 15 mil durante o infame inverno cripto.

O evento começou com a Tesla interrompendo seu suporte ao Bitcoin devido a preocupações sobre seu impacto ambiental. Desde então, a questão da mineração de criptomoedas tem feito parte do discurso político em todo o mundo.

No entanto, as empresas tecnológicas salientam que estudam medidas para reduzir os seus impactos ambientais. Por exemplo, o Google afirma que seus data centers são 60% mais eficientes em termos energéticos do que a média do setor. 

Em um comunicado, a Microsoft disse que está “investigando como incentivar a transparência e melhorias de eficiência em locais alugados” e pretende fazer a transição para energia 100% livre de carbono até 2030.

O relatório de sustentabilidade de 2022 da companhia afirmou que a empresa está “focada em conseguir por nossa própria casa em ordem” e cumprir seus compromissos para 2030, que incluem ser uma empresa com carbono negativo, água positiva e zero desperdício até o final daquele ano.

Publicidade

Da mesma forma, o relatório ambiental de 2023 do Google destacou a meta da empresa de atingir emissões líquidas zero em suas operações e cadeia de valor até 2030, exigindo uma rápida redução de 10,2 milhões de toneladas de CO2 relatadas em 2022.

A companhia também observou que, historicamente, à medida que a procura por IA aumenta, a energia necessária aumenta mais lentamente do que as previsões prevêem, graças a práticas de eficiência.

Ainda assim, o impacto ambiental dos dados da inteligência artificial ​​e a fome de energia continuam a ser uma preocupação.

À medida que as capacidades de IA crescem, as empresas tecnológicas devem procurar diligentemente ganhos de eficiência, energias renováveis, técnicas alternativas de arrefecimento e transparência na utilização de recursos. Com uma gestão cuidadosa, a sede da IA ​​pode ser saciada de forma sustentável.

* Traduzido e editado com autorização do Decrypt.

VOCÊ PODE GOSTAR
Joe Biden posa para foto

Biden vira sobre Kamala: mercados de criptomoedas esperam que o presidente seja indicado

Apostadores de criptomoedas no popular mercado de previsões Polymarket novamente favorecem Joe Biden como candidato dos democratas
Imagem da matéria: Hackers roubam números de telefone de 33 milhões de usuários do Authy

Hackers roubam números de telefone de 33 milhões de usuários do Authy

Como precaução, todos os usuários do Authy devem atualizar seus aplicativos para as versões mais recentes
Bolo de dólares em cima de outras notas

PF da Argentina prende família que lavava dinheiro de contrabando e jogos de azar com USDT

Com o filho preso e a esposa indiciada, o líder da quadrilha, Fabián Di Julio, o “El Gordo”, se entregou na última quarta-feira