Imagem da matéria: Venezuela é o terceiro país do mundo com maior uso de criptomoedas, diz estudo
Foto: Shutterstock

A Venezuela está em terceiro lugar no mundo na adoção de criptomoedas, atrás apenas da Ucrânia e da Rússia, apontou o relatório divulgado pelo Coindesk e feito pela Chainalysis, empresa de consultoria especializada no mercado.

No entanto, tal adoção pode não estar acontecendo da maneira que as autoridades venezuelanas esperavam, que era adoção em massa de sua criptomoeda nacional Petro. No cenário atual, o Bitcoin é centro das atenções.

Publicidade

Desde o lançamento da Petro, em 2018, o governo da Venezuela vem tentando criar uma economia centrada no controverso criptoativo supostamente lastreado em petróleo.

Contudo, segundo o relatório da Chainalysis, a Petro está longe de ser a responsável pelo crescimento do mercado no país. A alta performance dos cidadãos venezuelanos na criptoeconomia está acontecendo por conta das negociações do Bitcoin entre pessoas via plataformas P2P.

“É por isso que a Venezuela se destacou para nós”, disse ao Coindesk, o chefe de pesquisas da Chainalysis, Kim Grauer.

A plataformas peer-to-peer (P2P), como a Localbitcoins, por exemplo, funcionam como uma ponte entre os negociadores. E é por meio delas que hoje a Venezuela está no topo.

Publicidade

Segundo Grauer, os novos dados revelam uma sociedade tão cansada de hiperinflação que os cidadãos estão dispostos a recorrer ao Bitcoin com refúgio.

“Eles estão obtendo seus bitcoins de exchanges ponto a ponto (P2P), como Paxful e LocalBitcoins”, comentou.

Fonte: Federal Reserve Bank de St. Louis, LocalBitcoins

Ricos da Venezuela atrás de bitcoins

De acordo com a Chainalysis, a aumento no volume nas negociações de Bitcoin pode estar ocorrendo com a adoção da criptomoeda pelos mais ricos da Venezuela, precisamente através da plataforma venezuelana CriptoLago.

Conforme relatório, 75% das negociações feitas através da exchange foram na casa dos US$ 1 mil (cerca de R$ 5 mil). Segundo o artigo, é uma faixa alta demais para as classes mais pobres do país.

“São apenas essas transferências que estão impulsionando o crescimento [da bolsa] em geral”, disse Grauer.

Além de dados, a Chainalysis também consultou especialistas do mercado para comentarem sobre a demanda por Bitcoin na Venezuela. Eles acreditam que os mais ricos estão usando o serviço para preservar suas riquezas ou até mesmo evitar sanções.

Publicidade

Vale lembrar que a exchange Paxful, que oferecia serviços no país, suspendeu os pagamentos com o Banco da Venezuela em junho, alegando evitar represálias de autoridades americanas.

VOCÊ PODE GOSTAR
Imagem da matéria: MicroStrategy anuncia desdobramento de ações após acumular US$ 13 bilhões em Bitcoin

MicroStrategy anuncia desdobramento de ações após acumular US$ 13 bilhões em Bitcoin

A empresa de software MicroStrategy, do defensor do Bitcoin Michael Saylor, dividirá suas ações depois que o preço mais do que triplicou no ano passado
Imagem da matéria: Agora você pode guardar seu Bitcoin sob a pele

Agora você pode guardar seu Bitcoin sob a pele

A VivoKey Technologies, com sede em Seattle, oferece carteiras de Bitcoin subdérmicas para transações seguras de criptomoedas usando tecnologia NFC e RFID
Bandeira do Japão com moedas de bitcoin

Empresa japonesa intensifica compra de Bitcoin em meio ao baixo crescimento econômico

A Metaplanet Inc. comprou mais 42 BTC, avaliados em US$ 2,4 milhões, enquanto a economia do Japão enfrenta ventos contrários
jogo hamster kombat em tela de celular

Hamster Kombat (HMSTR) já está no pré-mercado; veja como negociar

Hamster Kombat já tem ordens de compra e venda fixadas no pré-mercado de grandes corretoras