Mercado em baixa
Shutterstock

A situação da Alameda Research e da corretora de criptomoedas FTX, que já não era boa, segue piorando desde sábado (05) à noite por causa de um movimento massivo de vendas do token FTT, a moeda nativa da corretora de Sam Bankman-Fried, na Binance.

Na manhã deste domingo, o volume de vendas acelerou e o ativo da FTX registra uma queda de 8% nas últimas 24 horas — de US$ 25 para US$ 23.

Publicidade

Tudo começou com uma transferência de uma carteira com US$ 585 milhões em FTT para a Binance — um tipo de movimento que costuma ser ou de rebalanceamento de carteira ou de preparo para uma liquidação forte, o que os dados de volume do ativo vêm demonstrando.

Não se sabe quem é o dono da carteira, embora as suspeitas recaiam para o CEO da própria Binance, Changpeng ‘CZ’ Zhao, que investiu no início da FTX.

Independentemente de quem está provocando o movimento, o efeito em um token que tem poucos holders e pouca liquidez é de desvalorização imediata em um momento em que os balanços da Alameda Research e a FTX foram colocados sob suspeita.

O token e a corretora

Tudo começou com uma reportagem do Coindesk que demonstrou que o balanço financeiro da Alameda é fortemente dominado pelo FTT. Na prática, diz o texto, o hedge funde tem US$ 14,6 bilhões em ativos totais, mas US$ 5,8 são de FTT. A empresa não quis comentar o assunto.

Rapidamente, diversos analistas e detetives de blockchain começaram a cavar mais dados. Mike Burgersburg, pseudônimo do investigador por trás da Dirty Bubble Media e um dos primeiros a denunciar as falcatruas da Celsius, mostrou dados preocupantes da empresa:

Publicidade

“O maior ativo da Alameda é um token emitido pela outra empresa de SBF. […] É quase como se SBF tivesse encontrado uma maneira de hackear o sistema financeiro, imprimindo bilhões de dólares do nada, contra os quais ele conseguiu emprestar grandes somas de contrapartes desconhecidas. Quase como se ele tivesse descoberto uma máquina financeira de movimento perpétuo”, critica Burgersburg.

Burgersburg batizou o sistema de ‘esquema volante’, um movimento no qual um empresa emite o próprio token e depois o manipula para que ele valorize.

Desse modo, com o ativo valorizado, o caixa da empresa também parece estar cheio, o que atrai novos investidores e possibilita reinvestir o dinheiro para manter o preço do token alto. O movimento, porém, tem um efeito negativo: quando o token sobe, as pessoas são estimuladas a vender e a empresa precisa queimar mais dinheiro para fazê-lo subir.

Uma eventual queda da FTX e Alameda mandariam um novo choque para o mercado de criptomoedas.

VOCÊ PODE GOSTAR
Imagem da matéria: PF derruba quadrilha que enviou R$ 1,6 bilhão para exterior com uso de criptomoedas e doleiros

PF derruba quadrilha que enviou R$ 1,6 bilhão para exterior com uso de criptomoedas e doleiros

Estima-se que foram importados para o país mais de 500 mil telefones celulares pela organização criminosa nos últimos cinco anos
Tigran Gambaryan, chefe de compliance da Binance, posa para foto

Deputados pedem que EUA tratem diretor da Binance preso na Nigéria como refém

Numa resolução apresentada ao Congresso, os deputados French Hill e Rich McCormack apelaram à libertação de Tigran Gambaryan
Imagem da matéria: Manhã Cripto: Bitcoin abre julho em alta de 2,2%; mês promete ser positivo para as criptomoedas

Manhã Cripto: Bitcoin abre julho em alta de 2,2%; mês promete ser positivo para as criptomoedas

Historicamente, julho tende a ser um mês de valorização para as criptomoedas
Imagem da matéria: Estrela do UFC é acusada de aplicar golpe em fãs com token que foi a zero

Estrela do UFC é acusada de aplicar golpe em fãs com token que foi a zero

A memecoin SMASH promovida por Khamzat Chimaev caiu para zero após os criadores despejarem tokens no mercado — e desde então ele excluiu seus posts