Imagem da matéria: STJ mantém prisão do "Corretor das Celebridades", líder da GAS Consultoria
Michael de Souza Magno era o braço direito de Glaidson dos Santos (Foto: Reprodução)

O Superior Tribunal de Justiça manteve a prisão de Michael de Souza Magno, um dos principais operadores da GAS Consultoria . A decisão do ministro Jesuíno Rissato no Habeas Corpus 709379 foi publicada nesta quarta-feira (01).

Michael responde por crime contra o sistema financeiro e participação em organização criminosa. Ele é apontado como um dos grandes operadores da gigantesca pirâmide financeira criada por Glaidson Acácio dos Santos e sua companheira, Mirelis Yoseline Diaz Zerpa.

Publicidade

Conhecido como “Corretor das Celebridades”, Michael teve uma ligeira fama por meio dos veículos de comunicação que cobrem o mundo dos famosos por intermediar a comprar de imóveis para personalidades.

O STJ afirma que a prisão preventiva não é abusiva e destacou trecho da decisão original que decretou a prisão, no qual escutas telefônicas demonstraram que Michael planejava fuga para o exterior e, que além disso, tinha se tornado o principal operador da GAS mesmo após a Polícia Federal ter iniciado a operação Kryptos.

“As provas obtidas, por meio da interceptação telefônica anteriormente deferida por este Juízo, apontariam, além do planejamento de possível fuga para o exterior de Michael de Souza Magno e suas tentativas de destruição de provas, a continuidade da atividade espúria desenvolvida pelo grupo criminoso mesmo após a deflagração da Operação Kryptos, capitaneada pela foragida Myrelis Yoseline Diaz Zerpa e operacionalizada por Michael de Souza Magno e João Marcus Pinheiro Dumas Viana”.

Foragido da Justiça

A Polícia Federal prendeu Michael no dia 12 de outubro em São Paulo, após ele ser considerado foragido da Justiça. O réu foi localizado e detido por agentes da Delegacia de Repressão a Crimes Fazendários da Superintendência da PF na Rodovia Castelo Branco, a bordo de um Jaguar, na altura do município de Araçariguama.

Publicidade

Celular suspeito

Um episódio chamou a atenção da Polícia Federal no dia em que cumpriu mandado de busca e apreensão em uma casa onde estava Michael, no condomínio de Alphaville, na Grande São Paulo.

Conforme aponta relatório da PF, a equipe foi até a residência de Álvaro Caetano da Silva Junior, onde também estava o casal Michael e sua esposa. Logo após chegar à residência, os policiais pediram um celular que estava em posse de Michael.

Nesse momento a esposa de Michael, a atriz Juliana Kelling, começou a gritar, pegou celular e tentou impedir que os policiais o confiscassem. Os policiais tiveram que puxar das mãos de Juliana o celular.

A busca continuou e as autoridades perceberam que Michael não desgrudava de um outro celular, este prateado. Suspeitando que o celular poderia ser do alvo, mas, apenas, estar em nome de Juliana, o chefe de equipe ligou para o coordenador da operação explicando a situação e perguntando se apreendia ou não o aparelho.

Publicidade

A chefia da PF deu sinal verde: era para apreender o celular. Foi aí que começou um “verdadeiro caos” nas palavras dos presentes. Juliana disse que o celular era dela e que não iria entregar. Começou a empurrar os policiais e se negou firmemente a dar o smartphone.

O chefe da equipe da PF então sacou sua arma, apontou para o chão e disse: “Eu vou apreender este celular de uma maneira ou de outra”.

Mas Juliana ainda não tinha desistido. Saiu em disparada em direção à piscina, tendo sido alcançada por dois policiais. Novamente, ela não entregou: os policiais tiveram que arrancar das mãos dela.

GAS Consultoria

O negócio da GAS Consultoria consistia em oferta de investimentos em supostas operações com criptomoedas cujo rendimento prometido era na casa dos 10% ao mês. A CVM viu indícios de crime contra a economia popular e denunciou a empresa ao Ministério Público que deu andamento no processo.

A GAS Consultoria parou de pagar seus clientes, alegando impossibilidade pelo fato de a Justiça ter ordenado o bloqueio de R$ 38 bilhões em ativos da empresa. No dia 15 de setembro, o Ministério Público Federal (MPF) anunciou que autorizou a venda de R$ 150 milhões em bitcoin apreendidos de Glaidson.

Publicidade

Operação Kryptos foi deflagrada em decorrência de denúncias da CVM e Ministério Público. Em sua primeira batida, encontrou na casa de Glaidson várias malas de dinheiro, carros de luxo, joias e 591 bitcoins. No mês passado, a Justiça negou pela segunda vez o pedido de habeas corpus do ex-garçom.

VOCÊ PODE GOSTAR
Imagem da matéria: Correlação entre Bitcoin e Ether está prestes a passar por "cruz da morte"; entenda os efeitos

Correlação entre Bitcoin e Ether está prestes a passar por “cruz da morte”; entenda os efeitos

A “cruz da morte” poderá frear os avanços do Ethereum e demais altcoins
Moedas douradas à frente de bandeira do Brasil

Fundos de criptomoedas têm semana negativa, mas Brasil registra entrada de R$ 15 milhões

Brasil segue momento positivo para fundos de criptomoedas, enquanto produtos ao redor do mundo têm semana negativa com queda dos preços
Imagem da matéria: Fundos de criptomoedas do Brasil captam mais R$ 50 milhões na semana

Fundos de criptomoedas do Brasil captam mais R$ 50 milhões na semana

Fundos cripto brasileiros ficam pela segunda semana consecutiva atrás apenas dos EUA em captação
barras de ouro

Tensão entre Irã e Israel faz token lastreado em ouro ser negociado com prêmio de 20%

Comentários de um porta-voz da Paxos indicam que a PAXG pode ser usada também para avaliar o pânico do mercado