Imagem da matéria: Santander usa Bitcoin Banco e Atlas Quantum em caso contra corretoras de criptomoedas
Foto: Shutterstock

O Santander apresentou na última quarta-feira (18) um novo documento ao Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) que justifica encerramento de contas de empresas do segmento cripto a partir de casos de suspeitas de fraudes envolvendo empresas de criptomoedas. A instituição bancária citou nessa petição o casos envolvendo a Atlas Quantum e o Grupo Bitcoin Banco (GBB).

Por meio de uma petição de 13 páginas e com documentos em anexo, o banco pediu ao órgão regulador para que arquivasse o inquérito administrativo que visa apurar conduta anticoncorrencial dessas instituições com as exchanges.

Publicidade

O Santander sustentou, em sua defesa, que não houve perseguição a empresas deste setor, uma vez que os bancos devem se atentar à prevenção de fraudes e à gestão de riscos. 

“Toda regulamentação do mercado impõe aos bancos o dever de evitar contratos e operações que contenham elementos ou indícios de comprometimento à integridade do Sistema Financeiro Nacional e de reportar essas situações aos órgãos de controle”. 

Mais uma vez a instituição mencionou a falta de regulação dos órgãos em face deste ativo criptografado como se isso fosse um elemento a favor dos bancos. Em complemento, o Santander argumentou que a Comissão de Valores Mobiliários (CVM) chegou a lançar um material falando dos riscos desse mercado.

Argumentos do Santander

Para fundamentar sua tese, a instituição financeira ainda relatou que houve uma crescente onda de desconfiança do Estado sobre o setor de criptomoedas. O Santander mencionou até mesmo o desejo de a Câmara dos Deputados instaurar uma CPI para investigar empresas deste segmento suspeitas de atuar em esquemas de pirâmides financeiras.

Publicidade

O banco também mencionou os escândalos ocorridos a partir de investimentos presos no Grupo Bitcoin Banco. A instituição, no entanto, se ateve mais à proibição feita pela (CVM) de a Atlas Quantum atuar no mercado.

“Não bastasse o vasto apanhado de reportagens indicativas dos riscos envolvidos ao transacionar criptoativos acima, a CVM já exarou determinação específica à Atlas Quantum, corretora de criptoativos, em razão de reiterados incidentes indiciários de fraude e más práticas comerciais”. 

O banco lembrou que a Deliberação CVM N 8238 havia determinado multa diária de R$ 100 mil caso a plataforma de criptomoedas não se abstivesse de oferecer seus produtos financeiros ao público. 

A questão, entretanto, é que esses fatos sucederam após os encerramentos das contas das empresas do setor. Mesmo assim, o Santander apontou como se fossem fatores que explicassem a atuação dos bancos e chamou de equivocada a visão da Associação Brasileira de Criptoativos e Blockchain (ABCB).

Publicidade

Sem concorrência

Segundo a instituição financeira não haveria por parte dela conduta anticoncorrencial pois ela sequer estaria competindo com as empresas do setor. O Santander disse que não possui uma empresa sequer no seu grupo que negocia esse tipo de ativo.

Com o objetivo de afastar a incidência da Lei 12.529/11 ao que tange a posição dominante no mercado, o Santander sustentou que possui 6,1% de todos os depósitos à vista feitos no país. 

“A conduta de recusa de contratar só é considerada anticompetitiva, quando (1) a empresa praticante tiver posição dominante; (ii) a conduta tenha a capacidade de eliminar ou prejudicar a concorrência no mercado impactado; (iii) exista um racional anticompetitivo para a conduta; e (iv) inexista uma justificativa lícita, racional economicamente, para legitimar a conduta”, sustentou o Santander. 

 Para a instituição, não há qualquer indício que demonstre a existência de recusa de contratar e/ou de negativa de acesso a infraestrutura essencial. O banco, em complemento, sustentou que para isso “deve restar comprovado que a recusa é injustificada e que há uma relação de dependência em relação ao agente que recusa”.

De acordo com o Santander, diversas corretoras de criptomoedas possuíam contas correntes ativas na instituição antes da denúncia e que algumas dessas empresas permanecem com o relacionamento ativo sob análise (Enhanced Due Diligence). 

Publicidade

A instituição apontou, então, que essa avaliação irá considerar “os volumes transacionados, contrapartes, programa de integridade, atendimento à legislação vigente da Receita Federal do Brasil, dentre outros aspectos de controle necessários sob a ótica de boa prática de Compliance”. 

Segundo o Santander, não foi encontrado em sua base de dados as negativas de abertura de contas mencionadas pelas corretoras Coinbr, Braziliex e Bitblue. O banco, desta forma, pediu que as afirmações feitas por essas empresas fossem desconsideradas pelo Cade para fins de investigação.

Outro pedido de arquivamento

Essa não é a primeira vez que um banco requer o arquivamento deste inquérito administrativo. Antes de o Santander ter apresentado essa defesa, o Itaú requereu a mesma coisa com argumentos diferenciados, no entanto.

O Itaú afirmou, então, em outubro que o órgão não possuía competência para tratar sobre o assunto que envolve o encerramento de contas das corretoras de criptomoedas. O banco sustentou naquele período que a discussão seria de regulação e não de concorrência de mercado.

A questão, contudo, é que o Itaú é detentor de 49,9% das ações da XP investimentos, empresa que no ano passado fundou uma corretora de criptomoedas. Esse fato foi o que levou a ministra da 3ª Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ), Nancy Andrighi, a afirmar que os bancos não trabalham com a verdade, durante o julgamento do Recurso Especial 1696214/SP.


Compre Bitcoin na Coinext 

Compre Bitcoin e outras criptomoedas na corretora mais segura do Brasil. Cadastre-se e veja como é simples, acesse: https://coinext.com.br

VOCÊ PODE GOSTAR
Celular com logo do Pix sob bandeira do Brasil

Pix: Um catalisador para o futuro das finanças descentralizadas no Brasil? | Opinião

Para o autor, o Pix, combinado com os princípios das finanças descentralizadas e conceitos de dinheiro programável, poderia abrir caminho para uma nova era de inovação financeira
Gustavo Scarpa em um campo de futebol usando o uniforme do Atlético Mineiro

Scarpa x Bigode: Pedras preciosas não valem como garantia em processo contra pirâmide cripto, diz PF

Um laudo das pedras de alexandrita apreendidas da suposta pirâmide Xland foi avaliado por um juiz, que determinou que elas não têm valor significativo
Sob um banco de madeira três criptomoedas ao lado de um celular com logo do Nubank

Nubank libera envio e recebimento de criptomoedas de carteiras externas

Já estão disponíveis para essas transações Bitcoin, Ethereum e Solana; outras moedas e redes serão adicionadas em breve
moeda de bitcoin dentro de armadilha selvagem

CVM faz pegadinha e descobre que metade das pessoas cairia em golpe com criptomoedas

Junto com a Anbima, a entidade criou um site de uma empresa fictícia que simulava a oferta de investimentos com lucros altos irreais