Imagem da matéria: Bitcoin e criptomoedas poderiam substituir moedas fiduciárias?
Foto: Shutterstock

Há algum tempo vem sendo debatida a possibilidade e muitos estão convencidos de que o Bitcoin e as criptomoedas em geral têm o potencial de substituir as moedas fiduciárias.

Contudo, algumas pessoas afirmam que moedas digitais carecem de características necessárias para sua utilização como substitutas de moedas emitidas pelo governo.

Publicidade

Este artigo analisa a potencialidade do Bitcoin em substituir essas moedas.

Considerações importantes

Meio de Troca

Em primeiro lugar, para que algo sirva como moeda, ele deve ser um meio de troca viável. Isso significa  que pessoas, negócios e corporações devem usá-la em suas transações envolvendo fornecimento de produtos e serviços.

Atualmente, as moedas fiduciárias cumprem essa função. Contudo, o mesmo não pode ser dito sobre criptomoedas.

O principal problema que impede o Bitcoin e outras criptomoedas de alcançarem esse status é sua extrema volatilidade.

Embora as moedas emitidas pelo governo também estejam sujeitas à volatilidade devido à inflação, esse fenômeno geralmente ocorre de maneira lenta e gradual.

Num cenário com este, os participantes do mercado conseguem se adequar facilmente às mudanças, diferentemente do que ocorre com as criptomoedas.

Além disso, as criptomoedas também precisam abordar questões de escalabilidade, usabilidade e regulamentação antes de serem consideradas meios de troca viáveis.

Publicidade

Reserva de valor

Outro fator a se considerar é que a moeda atua, necessariamente, como reserva de valor. Este representa outro marco que as moedas digitais precisam atingir para serem consideradas aptas a substituir moedas fiduciárias.

Por ora, o Bitcoin ainda precisa conseguir manter seu valor a longo prazo antes de ser visto como reserva de valor viável. 

Embora alguns analistas de mercado estejam convencidos de que o Bitcoin já se configura como uma reserva de valor, essa percepção ainda não é unânime.

Unidade de conta

Por fim, o bitcoin precisa se tornar uma unidade de conta para servir como moeda. As opiniões sobre criptomoedas e sua capacidade de atingir esse patamar são variadas.

Publicidade

Alguns analistas acreditam que as moedas digitais já servem como reservas de valor, uma vez que podem ser empregadas na quantificação do valor de outros produtos e serviços.

Por outro lado, alguns afirmam que o Bitcoin é muito volátil atualmente para servir como uma unidade de conta.

Conclusão

É essencial perceber que a invenção de criptomoedas não esteja focada primordialmente na competição com moedas fiduciárias. De fato, moedas digitais e fiduciárias podem coexistir.

Com isso dito, o Bitcoin e outras criptomoedas têm o potencial de substituir moedas emitidas pelo governo.

No entanto, para que isso seja alcançado, essas moedas virtuais precisam ter um significativo progresso nos três pontos destacadas acima.


Sobre o autor

Fares Alkudmani é formado em Administração pela Universidade Tishreen, na Síria, com MBA pela Edinburgh Business School, da Escócia. Desde janeiro de 2019, atua na empresa de criptomoedas Changelly como gerente geral para a América Latina.

VOCÊ PODE GOSTAR
Donald Trump ex-presidente dos EUA

Donald Trump recebe compradores de seus NFTs em jantar de luxo

O ex-presidente resolveu aproveitar o dia de folga do Tribunal de Nova York para receber os apoiadores no resort de luxo Mar-a-Lago
Imagem da matéria: El Salvador já minerou R$ 154 milhões em Bitcoin usando energia de vulcão

El Salvador já minerou R$ 154 milhões em Bitcoin usando energia de vulcão

A mineração de Bitcoin é feita com energia do vulcão Tecapa, usando 300 processadores voltados para essa atividade
Imagem da matéria: SEC notifica Robinhood de que pretende processá-la por venda de criptomoedas

SEC notifica Robinhood de que pretende processá-la por venda de criptomoedas

“Acreditamos firmemente que os ativos listados em nossa plataforma não são valores mobiliários”, diz diretor da Robinhood
pilhas de moedas douradas à frente da bandeira da Colômbia

Maior banco da Colômbia lança corretora de criptomoedas

A plataforma Wenia visa atrair pelo menos 60.000 clientes em seu primeiro ano de operação