Imagem da matéria: Aave lança rival do Twitter em versão descentralizada e baseada em NFTs
O Lens Protocol usa NFTs para impulsionar conteúdo de plataformas sociais (Foto: Reprodução Lens Protocol)

Aave, o popular protocolo de empréstimos do setor de Finanças Descentralizadas (ou DeFi, na abreviatura em inglês), está seguindo um caminho bem diferente em seu mais novo projeto Web 3.

Nesta quarta-feira (18), Aave anunciou o lançamento público do Lens Protocol, uma plataforma social e descentralizada que utiliza tokens não fungíveis (ou NFTs) para impulsionar plataformas de redes sociais.

Publicidade

Embora Lens Protocol pareça ter sido criado para desafiar plataformas centralizadas de redes sociais, como o Twitter, possui uma abordagem bem diferente.

Basicamente, ele permite que usuários criem seus próprios conteúdos, armazenando-os como NFTs (tokens exclusivos desenvolvidos em blockchain) em uma carteira cripto. O protocolo pode ser utilizado por inúmeros aplicativos ou serviços, então qualquer pessoa pode desenvolver nele.

Solução escalável

Lens Protocol foi desenvolvido no Polygon, uma solução de escalabilidade para o Ethereum, a principal plataforma blockchain para aplicações descentralizadas (ou dapps) e NFTs.

O Polygon permite que haja transações mais baratas, rápidas e que consomem menos energia que a rede principal do Ethereum, tornando-se uma opção mais viável para uma rede social desenvolvida para um número possivelmente maior de ativos NFT.

Publicidade

Redes sociais são consideradas como um caso de uso ideal para a tecnologia blockchain, permitindo que plataformas sejam resistentes à censura e permitam que usuários possuam, controlem e consigam lucrar com seu próprio conteúdo.

Tais plataformas ainda precisam se aproximar da escala de gigantes redes, como Twitter e Facebook, apesar de Minds, desenvolvida no Ethereum, ser um grande exemplo — em junho de 2021, afirmava ter 14 milhões de usuários totais.

Twitter do Ethereum

Lens Protocol foi mencionado pela primeira vez em junho de 2021, quando Stani Kulechov, fundador e CEO do Aave, tuitou: “Já que Jack Dorsey [CEO da Square (atual Block) e agora ex-CEO do Twitter] vai desenvolver o Aave no Bitcoin, o Aave deveria desenvolver o Twitter no Ethereum”.

Não foi um comentário qualquer. O Aave realmente começou a desenvolver uma plataforma adversária e descentralizada de rede social, mas optou a criá-la no Polygon em vez de na rede principal do Ethereum.

Publicidade

“Acreditamos que criadores de conteúdo devem ter domínio sobre suas audiências de forma apermissionada, onde todos possam criar novas experiências de usuários ao usar o mesmo grafo social e dados em blockchain”, disse Kulechov ao Decrypt na época.

Aave havia divulgado a identidade visual e os detalhes do Lens Protocol em fevereiro, destacando a capacidade de criar perfis NFT exclusivos, bem como salvar seus conteúdos via NFTs em suas próprias carteiras. Os primeiros aplicativos, como LensFrens e Lenster, já estão integrados ao Lens Protocol, mas ainda não são serviços sólidos de redes sociais.

É interessante mencionar que o Twitter também está buscando um futuro possivelmente descentralizado. Quando Dorsey ainda era CEO do Twitter, a plataforma havia anunciado a criação de BlueSky, uma iniciativa que visa criar um protocolo descentralizado para redes sociais. O Twitter está financiando o projeto, mas não o detém.

Neste momento, o Twitter está em meio a uma possível aquisição pelo bilionário Elon Musk, CEO da Tesla e Space X, cuja oferta de US$ 44 bilhões foi aceita pela empresa de rede social em abril.

Porém, Musk está voltou atrás em sua decisão, tuitando que o acordo estava “temporariamente suspenso” enquanto ele investiga a proliferação de contas de spam na plataforma. Membros do projeto Bluesky também haviam dito que o possível acordo de Musk não afetaria seu trabalho.

Publicidade

Recentemente, Kulechov foi temporariamente banido do Twitter ao brincar que ele seria o CEO interino da plataforma após a aquisição de Musk. “Como usuário, você está bastante à mercê das plataformas”, afirmou ele à Bloomberg.

*Traduzido por Daniela Pereira do Nascimento com autorização do Decrypt.co.

VOCÊ PODE GOSTAR
Sunny Pires surfando

Surfista brasileiro recebe patrocínio em criptomoedas de comunidade web3

Sunny Pires, de 18 anos, embarca neste mês em expedição à Nicarágua com apoio da comunidade web3 Nouns
busto de homem engravatado simulando gesto de pare

CVM proíbe corretora de criptomoedas e forex de captar clientes no Brasil

O órgão determinou, sob multa diária de R$ 1 mil, a imediata suspensão de qualquer oferta pública de valores mobiliários pela Xpoken
Imagem da matéria: FTX prometeu devolver 118% dos fundos dos clientes; o que acontece agora?

FTX prometeu devolver 118% dos fundos dos clientes; o que acontece agora?

Segundo os balanços, a FTX deve cerca de US$ 11 bilhões, e conseguiu levantar entre US$ 14,5 e US$ 16,3 bilhões até agora
Imagem da matéria: Hacker da Gala Games devolve Ethereum após exploração de US$ 240 milhões

Hacker da Gala Games devolve Ethereum após exploração de US$ 240 milhões

Depois que 5 bilhões de tokens GALA foram cunhados e roubados na segunda-feira, a Gala Games recuperou parte dos fundos em ETH – e ainda está descobrindo o resto