Imagem da matéria: Por que a Binance disputa R$ 450 milhões com o Capitual na Justiça brasileira
(Shutterstock)

A disputa entre Binance e Capitual começou em meados de 2022 e foi um furacão no setor cripto brasileiro: a corretora com maior volume no país ficou 20 dias sem permitir saques em reais. As companhias travavam uma batalha de argumentos legais sobre se a operação estava cumprindo normas do Banco Central ou não — o que acabou por envolver R$ 450 milhões hoje nas mãos da Justiça. 

E a disputa continua. Na quinta-feira (18), a Seção de Direito Privado do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo acolheu pedido do Capitual e suspendeu uma decisão da primeira instância que dava acesso à Binance a um montante de centenas de milhões que está congelado em uma conta controlada pela Justiça. 

Publicidade

O problema envolve o congelamento dos R$ 450 milhões e o quanto é de cada empresa. O Capitual diz que o valor correto é de R$ 430 milhões e que esse excedente de R$ 20 milhões não está em sua posse. 

“Considerando a existência de bloqueios judiciais no montante de R$ 20.362.102,14, esse valor não se encontra em poder do CAPITUAL e não pode, portanto, ser objeto de bloqueio judicial nos autos da execução movida pela BINANCE”, disse a companhia brasileira em uma petição no processo judicial. 

O desembargador Beretta da Silveira, ao acolher o pedido da Capitual, ressaltou que há um “risco de dano irreparável ou de difícil reparação” caso sejam liberados valores acima de R$ 430 milhões. 

A quebra de conta entre Binance e Capitual

A Capitual era a empresa que viabilizava depósitos e saques em reais para a Binance no Brasil. O detalhe é que o dinheiro dos clientes ficava todo junto em uma conta no Acesso Bank (instituição regulada pelo Banco Central) no nome da Capitual. 

Publicidade

Todo o desentendimento começou quando a Capitual disse que uma nova norma do Banco Central exigia que a Binance fornecesse dados individualizados de cada cliente – até então o dinheiro de todos ficava todo junto em um bolo só. 

A Binance afirma que não houve nenhuma mudança no BC que a obrigasse a fazer isso. A corretora quebrou o contrato com a Capitual e foi aí que os serviços pararam. 

A questão que ficou na mesa: o Capitual tinha em uma conta em seu nome mais de R$ 400 milhões de reais de clientes da Binance. A empresa brasileira disse que pretendia devolver o dinheiro, mas que para isso a corretora precisaria obter autorização por escrito de cada cliente, ou então fazer um seguro fiança.

O Capitual afirmava que, sem essas garantias, poderia ser acionado judicialmente no futuro – conforme prevê o Código de Defesa do Consumidor – e acabar sendo condenado a pagar valores para clientes da Binance, mesmo que já tenha devolvido o dinheiro como um todo para a corretora previamente.

Publicidade

A disputa foi judicializada e o montande de dinheiro ficou congelado em uma conta. Agora a briga é sobre os valores: a Binance afirma que são R$ 450 milhões de seus clientes, mas a Capitual diz que o valor correto é de R$ 430 milhões.

Para retomar saques e depósitos em reais, a Binance eventualmente fechou uma parceria com a Latam Gateway, que substituiu a Capitual, e tem como entidade homologada pelo Banco Central o Banco Bonsucesso.

VOCÊ PODE GOSTAR
Imagem da matéria: Tether e Circle "imprimem" US$ 1,25 bilhão em stablecoins em um único dia

Tether e Circle “imprimem” US$ 1,25 bilhão em stablecoins em um único dia

Desde o início do ano já foram emitidos US$ 30 bilhões em stablecoins; aquecimento parece estar relacionado à expectativa pelos ETFs de Ethereum
hackers em frente a computadores

Exchange de criptomoedas Rain perde US$ 14,8 milhões em ataque hacker

A exchange disse que já tomou as medidas necessárias e que todas as sua atividades estão funcionando normalmente, inclusive saques
Sunny Pires surfando

Surfista brasileiro recebe patrocínio em criptomoedas de comunidade web3

Sunny Pires, de 18 anos, embarca neste mês em expedição à Nicarágua com apoio da comunidade web3 Nouns
Bitcoin e grafico de mercado

Traders de Bitcoin miram US$ 74 mil já na próxima semana com nova onda de fluxo positivo para ETFs

Com ETFs registrando quatro dias seguidos de entradas e dados de inflação nos EUA abaixo do esperado, o Bitcoin já começou a retomar a alta e superou os US$ 66 mil