Imagem da matéria: Policiais e dono de startup acusados de extorquir sócio da BWA Investimentos são libertados
Foto: Divulgação

A Justiça concedeu habeas corpus aos cinco policiais civis, um tenente da Rota, três soldados e três empresários acusados de participarem do sequestro e extorsão do dono da BWA Investimentos.

O juiz Marcello Ovidio Lopes Guimarães, da 18.ª Vara Criminal de São Paulo, deu o despacho na quinta-feira (21) e libertou os 12 suspeitos do caso que envolveu um conhecido empresário do ramo de bitcoin em Santos.

Publicidade

De acordo com o documento, foi solto Guilherme Aere dos Santos, acusado de ser o mandante do crime. Além dele, também estão em liberdade Marcelo Nogueira Chamma, Davi Carlos de Souza Queiroz, Matheus de Souza Paula, Amauri Moreira da Silva, Ramon Almeida da Silva, José Ricardo Nahrlich Júnior, Roger Hiroshi Toda, Wailton Sena Rios, Tiago Antonio dos Santos Viana, Thomas Luiz Zan e Geraldo Francisco Oliveira Subrinho.

Outro pedido de habeas corpus havia sido negado no início do mês pelo Superior Tribunal de Justiça (STJ).

Dono BWA e policiais civis e militares

Já havia uma pressão política para a libertação dos suspeitos, pelo menos no caso dos policiais militares. No final de outubro, em uma sessão na Assembleia Legislativa de São Paulo, o deputado estadual Coronel Nishikawa (PSL) defendeu o tenente da Rota e disse que as acusações eram falsas.

Caso envolveu o de sequestro de P.R.R.B, empresário do ramo de Bitcoin de Santos (SP), dono da BWA Investimentos. Em depoimento à Corregedoria da Polícia Civil, ele afirmou que o caso ocorreu em junho, data em que foi levado por policiais civis até a 73ª DP em São Paulo, onde foi mantido em cativeiro.

Lá, segundo o relato, o empresário foi cobrado por uma dívida que os policiais afirmavam que ele tinha com o empresário Guilherme Aere dos Santos, o suposto mandante do crime.

Publicidade

P.R.R.B chegou a pagar quase R$ 1 milhão aos policiais civis. O restante que havia combinado de pagar — mais uma parcela de R$ 1 milhão — nunca foi paga.

Aere do Santos, o criador da Home Refill, nega as acusações. Por outro lado, ele afirma que P.R.R.B é o nome por trás do Bitcoin Banco, uma empresa com sede em Curitiba que lesou milhares de pessoas — entre elas, Ares dos Santos.


BitcoinTrade: Depósitos aprovados em minutos!

Cadastre-se agora! Eleita a melhor corretora do Brasil. Segurança, Liquidez e Agilidade. Não perca mais tempo, complete seu cadastro em menos de 5 minutos! Acesse: bitcointrade.com.br

VOCÊ PODE GOSTAR
Imagem da matéria: Times de futebol vão distribuir NFTs ao longo do Brasileirão; Veja como ganhar

Times de futebol vão distribuir NFTs ao longo do Brasileirão; Veja como ganhar

Atlético-MG, Bahia, Flamengo, Fluminense, Palmeiras, Internacional, São Paulo e Vasco da Gama são times que integram a nova campanha da Chiliz
Celular com logotipo da Receita Federal sobre notas de reais

Tokenização de ativos enfrenta área cinzenta na declaração de Imposto de Renda |Opinião

Para o autor, a declaração de tokens que representam recebíveis, e outros ativos do mundo real, devem mudar nos próximos anos
Rafael Rodrigo , dono da, One Club, dando palestra

Clientes acusam empresa que operava opções binárias na Quotex de dar calote milionário; dono nega

Processos judiciais tentam bloquear R$ 700 mil ligados à One Club, empresa de Rafael Rodrigo
Imagem da matéria: Scarpa quer desfecho de ação contra Willian Bigode por golpe cripto: “Já passou da hora”

Scarpa quer desfecho de ação contra Willian Bigode por golpe cripto: “Já passou da hora”

O jogador do Atlético Mineiro está desde o ano passado atrás dos valores investidos na WLJC Gestão Financeira através de Bigode