Imagem da matéria: STJ mantém prisão de dono de startup acusado de mandar polícia extorquir empresário de bitcoin
Guilherme Aere teria contratado os policiais civis para sequestrar empresário (Foto: Reprodução/Youtube)

O Superior Tribunal de Justiça (STJ) negou o pedido de Habeas Corpus de Guilherme Aere dos Santos, acusado de ter sido o mandante do sequestro do dono da BWA, P.R.R.B. A decisão foi publicada nesta terça-feira (05).

O ministro Rogério Schietti Cruz afirmou que não caberia ao STJ fazer cessar a prisão preventiva. Ele apontou que o Tribunal de Justiça de São Paulo (TJSP) ainda não havia julgado o habeas corpus, na época em que Santos resolveu apresentar o recurso ao STJ.

Publicidade

No pedido de Habeas Corpus, o advogado chegou a sustentar que não havia “fundamentação idônea para a constrição cautelar”, uma vez que Santos é ser réu primário, possui residência fixa e que estaria assumindo uma postura cooperativa com a investigação.

Empresário de bitcoin sequestrado

O Ministro do STJ citou a decisão do juiz de primeiro grau que decretou a prisão preventiva de Santos mostrando que ele “admitiu que mandou um de seus seguranças ameaçar PRRB, no shopping Praia Mar, no dia 14/07/2019, sem que a vítima soubesse”. 

No acórdão, Cruz se remeteu à decisão do desembargador do TJSP, que afirmou que a prisão preventiva se justifica, pois solto, Santos poderia intervir na investigação.

“Embora não seja policial, segundo consta dos autos, o paciente, em conluio com os corréus Marcelo e Matheus e com policiais militares que seriam seus seguranças, teria contratado os policiais civis para realizarem a extorsão, demonstrando, a princípio, que, por sua condição financeira, pode deixar o distrito da culpa ou exercer influência sobre a vítima e testemunhas, em detrimento da instrução criminal”.

Publicidade

O caso 

De acordo com os relatos de Guilherme Aere dos Santos, ele teria procurado PRRB por conta de uma dívida. O suposto mandante do crime havia comprado bitcoins por meio da empresa de arbitragem BWA e depois transferidas para o grupo Bitcoin Banco, onde ficaram retidas.

PRRB disse à Polícia Civil que em novembro de 2018 Santos havia investido R$ 3 milhões em criptomoedas. A transação, contudo, teria ocorrido com o uso da  tecnologia de arbitragem da BWA por meio de uma empresa chamada Calegari.

De acordo com PRRB, Santos conseguiu sacar na semana seguinte um lucro de quase R$ 100 mil. No entanto, ele teria feito novas aplicações e a partir daqui a história começou a se complicar. O GBB passou a dever à Santos R$ 10 milhões.

Apesar de PRRB ter afirmado em seu depoimento que nada teria a ver com a dívida. Santos, por meio de seu depoimento, disse que havia procurado o empresário de Santos por esse ter afirmado que resolveria o problema do GBB. 

Publicidade

Santos disse à Polícia que PRRB era o verdadeiro dono do Bitcoin Banco. Essa versão, no entanto, foi negada pela empresa BWA Brasil.

Apesar disso, ele negou a participação no sequestro do empresário. PRRB teria sido abordado no ano passado por policiais que o acusaram de ser o verdadeiro dono do Bitcoin Banco, sendo Cláudio Oliveira um mero laranja e, então, o extorquiram mediante sequestro  a quantia de R$ 1 milhão.

VOCÊ PODE GOSTAR
Antônio Ais posa para foto ao lado de carro

Criador da Braiscompany, Antônio Neto Ais é solto na Argentina

O benefício de prisão domiciliar valerá até que o processo de extradição para Brasil seja resolvido
Gustavo Scarpa em um campo de futebol usando o uniforme do Atlético Mineiro

Scarpa x Bigode: Pedras preciosas não valem como garantia em processo contra pirâmide cripto, diz PF

Um laudo das pedras de alexandrita apreendidas da suposta pirâmide Xland foi avaliado por um juiz, que determinou que elas não têm valor significativo
Pizza em uma mão moeda de bitcoin na outra

Bitcoin Pizza Day: Corretoras comemoram data histórica do Bitcoin com promoções; confira

Semana tem pizza grátis, cashback, joguinho e descontos em comemoração à primeira transação comercial com o Bitcoin realizada há 14 anos
Ilustração mostra mapa do Brasil com pontos ligados em blockchain

Banco Central, UFRJ, Polkadot e Ripple se unem para aprofundar pesquisas sobre interoperabilidade entre blockchains e DREX

A Federação Nacional de Associações dos Servidores do Banco Central (Fenasbac) antecipa…