Imagem da matéria: “Perdi US$ 2,3 milhões”, diz homem que tentou invadir casa de Do Kwon, criador da criptomoeda LUNA
Homem suspeito de tentativa de invasão ao apartamendo do empresário (Foto: Reprodução)

Um suposto investidor da falida criptomoeda Terra (LUNA) está sendo investigado pela polícia de Seul, capital da Coreia do Sul, por ter tentado invadir a residência do CEO da Terraform Labs, Do Kwon, na semana passada. Segundo a agência de notícias sul coreana Yonhap, o motivo da tentativa de invasão pelo homem teria sido a perda de fundos após o recente colapso do ecossistema Terra.

“Perdi cerca de 2 a 3 bilhões de won (o equivalent a US$ 2,3 milhões)”, disse o suspeito a repórteres locais, após prestar depoimento na delegacia de Seongdong-gu, um dos 25 distritos que formam a capital sul-coreana.

Publicidade

De acordo com a reportagem, o homem, cujo nome não foi revelado, trabalha em um canal de transmissão on-line, possivelmente de forma similar a de youtubers.

Ele teria afirmado que pessoas tiraram a própria vida devido à queda das duas criptomoedas criadas pela equipe de Do Kwon — a stablecoin TerraUSD (UST) e altcoin Terra (LUNA) — e que buscava um pedido de desculpas do empresário para os “mais de 200 mil investidores que perderam suas economias”.

O site conta que o homem conseguiu adentrar em um condomínio em Seul e tocar a campanhia do apartamento de Kwon, onde se encontrava sua esposa e que pediu ajuda. Depois da ocorrência, ela entrou com um pedido de proteção policial.

Autoridades entram no caso UST/LUNA

Nesta terça-feira (17), o site afirmou que autoridades financeiras da Coreia do Sul mobilizaram de forma emergencial equipes de supervisão para investigar as corretoras de criptomoedas que operam no país. As ações vão servir para aumentar a proteção dos investidores após o recente episódio de UST e LUNA.

Publicidade

De acordo com as fontes do setor, informou o Yonhap em outra publicação, a Comissão de Serviços Financeiros (FSC) e o Serviço de Supervisão Financeira (FSS) pediram às companhias locais de criptomoedas que compartilhem informações sobre transações vinculadas à TerraUSD e à Luna.

Isso inclui volumes de negociações, seus preços de fechamento e o número de investidores relevantes. Os reguladores pediram, ainda, que as empresas cripto fornecessem um relatório acerca do recente colapso do mercado e também do da Terraforms.

De US$ 40 bilhões a zero

No mês passado, Luna chegou a atingir um valor de mercado de US$ 41 bilhões; no domingo (15), chegou ao fundo de poço ao se reduzir para menos de US$ 1,4 bilhão, segundo dados do portal CoinGecko.

Existe uma lista enorme de fatores, empresas e pessoas que podem ser acusadas pelo colapso da blockchain Terra, cuja criptomoeda LUNA afundou de US$ 87 para zero no espaço de 24 horas.

Publicidade

Mas o nome de Do Kwon até então é que entra para o centro da artilharia de críticas. Kwon, sul-coreano de 30 anos , fundou o projeto Terraform Labs em janeiro de 2018.

VOCÊ PODE GOSTAR
Imagem da matéria: Manhã Cripto: Bitcoin recua para US$ 61 mil enquanto GameStop agita mercado e faz memecoin subir 363% 

Manhã Cripto: Bitcoin recua para US$ 61 mil enquanto GameStop agita mercado e faz memecoin subir 363% 

A volta do hype da GameStop desencadeou a criação de milhares de memecoins – uma delas saltou 1.900% na tarde passada
Imagem da matéria: "Centavo épico" de Bitcoin é usado para inscrever música da Grimes gerada por IA

“Centavo épico” de Bitcoin é usado para inscrever música da Grimes gerada por IA

Ordinals com uma música gerada por IA da Grimes foi inscrito num satoshi “épico” de Bitcoin avaliado em mais de R$ 10 milhões
Imagem da matéria: Microsoft lança PC com IA que vai lembrar tudo que você faz na internet

Microsoft lança PC com IA que vai lembrar tudo que você faz na internet

A big tech revelou o Copilot+ PC “projetado para IA” que recorda tudo o que é exibido na tela do seu computador
Antônio Neto Ais e Fabrícia Campos, casal que lidera a Braiscompany (Foto: Reprodução/Instagram)

MPF faz nova denúncia contra donos da Braiscompany e doleiro por lavagem de dinheiro

Antônio Neto e Fabrícia Farias realizaram operações financeiras de grande porte com características de lavagem de dinheiro em pleno colapso da pirâmide