Imagem da matéria: O que explica a queda brutal do Bitcoin na última semana
Foto: Shutterstock

Nos dias anteriores a 25 de dezembro, os profetas do Bitcoin receberam um presente de Natal antecipado: o BTC disparou de volta para acima dos US$ 50 mil, após um tempo se arrastando na faixa dos US$ 40 mil. No dia 27 de dezembro, o preço atingiu US$ 52 mil, o maior nível desde o início daquele mês.

Mas os 12 dias restantes de Natal foram cruéis. Tem sido um 2022 brutal até agora. Uma queda de 11% no preço na última semana e um acumulado negativo de 17,5% nas duas semanas que passaram colocaram o Bitcoin abaixo dos US$ 42 pela primeira vez desde setembro.

Publicidade

Quem ou que deve ser culpado pela queda, que também resultou em perdas de dois dígitos para Ethereum, Solana, Terra e outros ativos importantes?

É o Cazaquistão, que absorveu 18% do hashrate de Bitcoin após a repressão da China e ficou sem internet e primeiro ministro essa semana? É o Federal Reserve, que está se preparando para aumentar a taxa de juros? Podemos apenas culpar Elizabeth Holmes e acabar com isso?

No meio dessa semana, a Arcane Research pontuou que o cenário já estava azedo. “A atividade de transações de Bitcoin está incomumente parada desde o Natal, com pequenos volumes e volatilidade”, escreveu a agência em um relatório no dia 4 de janeiro. “A baixa volatilidade se manifestou como uma lenda e firme redução no preço do Bitcoin”.

Não satisfeita com os rumores do mercado, os especuladores começaram a se voltar para posições alavancada, nas quais pessoas pegam dinheiro emprestado para fazer apostas em preço futuro. Nestes casos, a maioria das pessoas estava esperando que o preço subisse.

Publicidade

Isso não foi bom para muita gente. Liquidações diárias atingiram US$ 250 milhões nas maiores exchanges do mundo. Uma liquidação significa que a corretora fechou a posição do trader e debitou as garantias – nesse caso, Bitcoin – pelo fato de o preço ter se movido na direção errada e os clientes não possuem mais ativos para manter o contrato aberto.

Liquidações podem causar uma espiral de queda nos preços, pois as pessoas passam a vender suas posições. Esse fator se juntou com a notícia de que o Federal Reserve pretende aumentar a taxa de juros nos EUA.

O Head de Trading da XBTO, Paul Eisma, disse ao Decrypt que o Banco Central dos EUA pretende domar a curva da inflação tornando mais caro o empréstimo de dinheiro. A notícia disparou vendas em mercados de risco ações, equities, e cripto.

“Dinheiro novo tende a ser colocado para trabalhar em um novo ano em todas as classes de ativos, mas os investidores serão cautelosos e irão avaliar por suas próprias medidas os níveis e o timing após esses chacoalho da economia”, disse Eisma.

Publicidade

Entretanto, nem tudo é destruição e trevas, A Glassnode disse em um relatório que a expectativa é que o preço lateralize por um tempo. Mas nos bastidores várias coisas estão acontecendo.

“Enquanto a atividade onchain (no relatório) aponta para uma demanda anêmica do varejo e ‘turistas de mercado’, a dormência das moedas continua impressionante e sinais de acúmulo de dinheiro mais inteligente e paciente permanecem intactos”.

A tradução: a maioria dos holders estão acumulando BTC e esperando um “bear market” (de quedas violentas). Fazendo isso, estão aos poucos diminuindo a disponibilidade do ativo, o que aumenta a demanda, e, assim, o preço.

Agora, quanto aos motivos do volume de transações estar baixo no começo de toda essa cadeia de eventos, é melhor falar com o Cazaquistão, o FED ou até mesmo Elizabeth Holmes.

*Traduzido e editado com autorização do Decrypt.co.

VOCÊ PODE GOSTAR
Michaël van de Poppe em vídeo no Youtube

“É hora de investir em altcoins como Ethereum além do Bitcoin”, diz Michaël van de Poppe

Citando o Ethereum com uma das opções, o analista diz que o mercado de altcoins já passou por correção e que a tendência agora é de alta
Sob um banco de madeira três criptomoedas ao lado de um celular com logo do Nubank

Nubank libera envio e recebimento de criptomoedas de carteiras externas

Já estão disponíveis para essas transações Bitcoin, Ethereum e Solana; outras moedas e redes serão adicionadas em breve
Imagem da matéria: Herdeiro paga R$ 2,2 milhões em Bitcoin para resgatar vítima de sequestro em Petrópolis, mas é enganado

Herdeiro paga R$ 2,2 milhões em Bitcoin para resgatar vítima de sequestro em Petrópolis, mas é enganado

Ao todo, vítima gastou quase R$ 5 milhões nos pagamentos: além do envio de Bitcoin, foram 40 depósitos bancários
Imagem da matéria: Bitcoin entra em onda de alta e atinge o seu maior preço desde o halving

Bitcoin entra em onda de alta e atinge o seu maior preço desde o halving

Dados do CoinGecko mostram que o Bitcoin subiu cerca de 3% no último dia e no período de uma semana valorizou em 9%