Imagem da matéria: Ministério russo quer legalizar a mineração de bitcoin em algumas regiões do país
Foto: Shutterstock

O Ministério de Desenvolvimento Econômico da Rússia apresentou recentemente uma proposta que legaliza e cobra impostos pela mineração de bitcoin (BTC) em regiões com superávit de eletricidade.

Afirma que a mineração de bitcoin, que existe em uma espécie de área cinzenta e não regulada, deve ser reconhecida como uma forma de “atividade comercial” e tributável quando moedas forem convertidas em rublos russos.

Publicidade

Conforme noticiado pela agência de notícias local Izvestia na terça-feira (15), a proposta foi criada para que o país possa se beneficiar da mineração enquanto não sobrecarrega sua rede elétrica em áreas vulneráveis (um problema enfrentado por outros países, como o Irã e o Cazaquistão).

Isso será feito ao confinar a mineração a redes confiáveis e definindo limites de uso de eletricidade para mineradores individuais, afirma o ministério.

Para incentivar o crescimento da indústria, o ministério também quer apresentar taxas e tarifas mais baixas pelo consumo de eletricidade para a instalação de fazendas de mineração de bitcoin em regiões específicas.

Irá aumentar preços de energia para mineradores quando um limite específico de energia for ultrapassado, apesar de esse limite ainda não ter sido determinado.

Publicidade

Evgeny Vlasov, líder da fornecedora de tecnologia de resfriamento líquido Comino, disse ao Izvestia que acredita que a mineração deve ser legalizada em toda a Rússia como um inteligente investimento no setor de tecnologia.

O presidente Vladimir Putin também reconheceu o benefício econômico que a mineração possivelmente poderia trazer para o país, dado seu “superávit de eletricidade” e “equipes bem-treinadas”.

No entanto, o banco central da Rússia não é muito a favor da ideia. Pressionou para que o bitcoin e outras criptomoedas fossem banidas, citando riscos ao sistema financeiro e preocupações com volatilidade.

Dito isso, negociações recentes entre o Banco da Rússia e o governo nacional sugerem que a regulação seja o resultado mais provável.

Publicidade

Atualmente, a Rússia é o terceiro país mais popular do mundo para a mineração de bitcoin, atrás do Cazaquistão e dos Estados Unidos, de acordo com estatísticas da Universidade de Cambridge.

Nos EUA, o estado do Texas se tornou um centro da atividade, conforme autoridades, como o governador Greg Abbott e o senador Ted Cruz, se mostram otimistas em relação ao mercado cripto e dispostos a convidar a indústria à região.

Enquanto a Rússia ainda se aproxima da mineração com cautela, o Texas a considera como uma solução contraintuitiva para sua rede instável de energia.

O governador acredita que a indústria irá ajudar fontes de energia a florescerem no estado e preparar a rede para invernos de consumo intenso de eletricidade.

*Traduzido e editado por Daniela Pereira do Nascimento com autorização do Decrypt.co.

VOCÊ PODE GOSTAR
Imagem da matéria: Gnosis (GNO) dispara 20% após lançamento de plano para reviver o token

Gnosis (GNO) dispara 20% após lançamento de plano para reviver o token

Um programa de crescimento com aporte milionário de fundo cripto está sendo votado neste momento pelos usuários do GNO
Imagem da matéria: Manhã Cripto: Câmara dos EUA aprova nova lei cripto em dia decisivo para ETFs de Ethereum

Manhã Cripto: Câmara dos EUA aprova nova lei cripto em dia decisivo para ETFs de Ethereum

Nesta quinta-feira termina o prazo para a SEC aprovar ou rejeitar o ETF de Ethereum da VanEck
Imagem da matéria: Propina paga a Eduardo Requião foi usada para investir na pirâmide financeira do "Rei do Bitcoin"

Propina paga a Eduardo Requião foi usada para investir na pirâmide financeira do “Rei do Bitcoin”

Nova operação da Polícia Federal visando fraudes no portos do Paraná revelou uma curiosa ligação entre o irmão do Roberto Requião e um dos maiores piramideiros do Brasil
Ilustração de bandeira do Brasil dentro moeda de Bitcoin

Fundos cripto do Brasil captam mais R$ 1,5 mi e chegam a 21ª semana consecutiva de entradas

Vindo de uma grande sequência de captação, fundos de criptomoedas do Brasil estão em 3º lugar no ranking global, atrás apenas dos EUA e Hong Kong