Imagem da matéria: Medida de Bolsonaro de barrar rastreamento de armas com blockchain no Exército é ilegal, diz MPF
(Foto: Shutterstock)

A Procuradoria do Ministério Público Federal (MPF) entrou com uma Ação Civil Pública contra a revogação pelo governo de Portarias que estabeleciam o rastreamento de armas e explosivos no Exército. O novo sistema, vetado pelo presidente Jair Bolsonaro em abril deste ano, também contaria com a tecnologia blockchain.

Conforme descreve o MPF, a ação não busca expor pessoalidade ou desvio de finalidade do presidente, mas sim apontar as irregularidades nas revogações e os graves prejuízos gerados pela ausência das normas. O novo sistema tinha como finalidade prover maior transparência e rastreabilidade dos Produtos Controlados pelo Exército (PCE). 

Publicidade

“Nessa toada, mostra-se ilegal a revogação dos dispositivos que poderiam inibir o tráfico de armas de fogo, munições e outros artefatos bélicos, bem como contribuir para as investigações de crimes que as tenham por instrumentos”, diz o MPF na ação 1028455-74.2020.4.01.3400 datada de 15 de maio.

MPF recebeu denúncia

Segundo o MPF, a ação deu-se após apreciação de uma denúncia da procuradora Raquel Branquinho P. Mamede Nascimento enviada ao gabinete do Procurador-Chefe da Procuradoria da República no Distrito Federal no dia 20 de abril. O texto sugere que a ação do presidente foi ilegal.

De acordo com o órgão, a revogação das Portarias N.os 46, 60 e 61, deu-se sem devida justificativa ou outro ato normativo que as substitua. Na ocasião, no Twitter, o presidente Bolsonaro enalteceu sua rejeição ao sistema com uma mensagem direcionada aos “atiradores e colecionadores”.

“Determinei a revogação das portarias (…) por não se adequarem às minhas diretrizes definidas em decretos”, disse.

No entanto, o MPF entende que os normativos revogados são exigência legal e imprescindíveis para a concretização de um modelo adequado de Segurança Pública.

Publicidade

“Viabilizam a fiscalização e controle sobre os produtos bélicos, o uso de armas de fogo e munições e a investigação de ilícitos com o emprego desses instrumentos”, esclareceu o órgão.

Revogação não compete ao presidente

Segundo a denúncia, pela legislação, tal medida compete ao Comando Logístico do Exército Brasileiro, que tem amparo na Constituição Federal, com a Lei 10.826/2003 e com o próprio Decreto n. 9.846/2013.

“Nesse sentido, cumpre citar o entendimento do Supremo Tribunal Federal que afasta do Presidente da República o duplo regime sancionatório”, diz o MPF.

Em outro ponto da denúncia, o procurador cita matérias jornalísticas que sugerem que finalidades do presidente seriam atender uma parcela de eleitores. Vale Lembrar que a ampliação da posse e porte de armas de fogo no país é uma das bandeiras do chefe do Executivo.

Publicidade

Conforme detalhou, os eleitores “entenderam que tais normas de natureza operacional poderiam restringir o exercício do direito à importação de armas e munições”.

Citando o art. 109, inciso I, da Constituição Federal, a Procuradoria definiu a ação do presidente como “atos ilegais”. Logo, o documento deverá ser apreciado pela Justiça Federal que por consequência deverá citar a Procuradoria-Geral da República (PGR).

Presidente barrou sistema

No dia 17 de abril, o presidente Jair Bolsonaro barrou a criação de um sistema que daria maior controle ao Exército Brasileiro sobre Produtos Controlados pelo Exército (PCE), como armas, explosivos e compostos químicos. Na ocasião, o deputado federal Eduardo Bolsonaro, filho do presidente, apoiou e exaltou a decisão do pai. “Mais medidas virão”, escreveu também no microblog.

Em seguida, a decisão foi publicada por meio de uma edição extra do Diário Oficial da União, “sem qualquer processo administrativo que apontasse quais seriam as mudanças necessárias e como seriam feitas as alterações”, segundo o MPF.

A Portaria Nº 46, publicada em 20 de março juntamente com as 60 e 61, dava sinal verde para o Comando Logístico do Exército Brasileiro (Colog), órgão do Ministério da Defesa, criar o ‘Sistema Nacional de Rastreamento de Produtos Controlados (Sisnar). A rede integrada baseada na tecnologia blockchain estava em discussão havia dois anos.

Publicidade

O motivo, segundo o presidente, foi devido às Portarias não se adequarem às suas diretrizes definidas em decretos.

Há também no Congresso Nacional projetos que tentam anular a decisão do presidente. No Senado tramita o PDL 179/2020, que prevê a revogação da Portaria 62 do Exército que revogou as três portarias em questão.

Blockchain no Exército

Conforme havia determinado o Colog, os fabricantes e importadores — de armas, explosivos, compostos químicos, munições etc, descritos nas Portarias 60 e 61 —, deveriam se adaptar ao novo sistema.

Com o novo sistema, quando fossem lançados os registros, o rastreamento ficaria por conta do módulo blockchain, que ficaria responsável por registrar todas as movimentações da cadeia de produção e movimentações.

Com a decisão, o presidente Bolsonaro jogou um balde de água fria na Diretoria de Fiscalização de Produtos Controlados (DFPC) que é submetida ao Colog, e que iria controlar o novo sistema.

O órgão é responsável por orientar e coordenar o apoio logístico ao preparo e emprego da Força Terrestre com suprimento, manutenção e transporte.

VOCÊ PODE GOSTAR
Antônio Ais posa para foto ao lado de carro

Criador da Braiscompany, Antônio Neto Ais é solto na Argentina

O benefício de prisão domiciliar valerá até que o processo de extradição para Brasil seja resolvido
Pizza em uma mão moeda de bitcoin na outra

Bitcoin Pizza Day: Corretoras comemoram data histórica do Bitcoin com promoções; confira

Semana tem pizza grátis, cashback, joguinho e descontos em comemoração à primeira transação comercial com o Bitcoin realizada há 14 anos
Gustavo Scarpa em um campo de futebol usando o uniforme do Atlético Mineiro

Scarpa x Bigode: Pedras preciosas não valem como garantia em processo contra pirâmide cripto, diz PF

Um laudo das pedras de alexandrita apreendidas da suposta pirâmide Xland foi avaliado por um juiz, que determinou que elas não têm valor significativo
moeda de bitcoin dentro de armadilha selvagem

CVM faz pegadinha e descobre que metade das pessoas cairia em golpe com criptomoedas

Junto com a Anbima, a entidade criou um site de uma empresa fictícia que simulava a oferta de investimentos com lucros altos irreais