Imagem de Glaidson Acácio dos Santos, mais conhecido como Faraó do Bitcoin
Glaidson Acácio dos Santos, mais conhecido como Faraó do Bitcoin (Foto: Reprodução)

Poucos dias após a editora Intrínseca anunciar que vai lançar o livro “Queda Livre — a história de Glaidson e Mirelis, faraós dos bitcoins”, agora já existe a confirmação de que a obra será adaptada para o cinema também.

Segundo o jornalista Lauro Jardim, do jornal O Globo, a produtora Morena Filmes, de Mariza Leão e Tiago Rezende, comprou os direitos da obra para o cinema. O filme começa a ser rodado no primeiro semestre de 2025 e o ator que viverá Glaidson ainda não foi escolhido.

Publicidade

Escrito pelos jornalistas Chico Otávio e Isabela Palmeira, o livro “Queda Livre” tem lançamento previsto para o próximo dia 3 de maio. Nele, os autores prometem que “destrincham um dos maiores esquemas de pirâmide financeira da história do Brasil”.

“Flanelinha, garçom, pastor, faraó dos bitcoins. Este poderia ser o currículo resumido de Glaidson Acácio dos Santos”, diz a sinopse oficial do livro. O golpe, que culminou em R$ 38 bilhões de prejuízo a milhares de brasileiros, usou como isca o trading em criptomoedas.

Segundo a editora, Chico e Isabela narram a ascensão e queda vertiginosas de Glaidson e Mirelis — os donos da GAS Consultoria —, da pobreza à riqueza, da ostentação às acusações de crimes contra o sistema financeiro, organização criminosa, lavagem de dinheiro e homicídio.

O livro expõe também “os bastidores do golpe” e a “mistura de fé, ambição e ganância” promovidas pelo “Faraó do Bitcoin”, que “foi capaz de destruir milhares de famílias pobres e dezenas de celebridades ricas”.

Publicidade

A história do “Faraó do Bitcoin”

A GAS Consultoria captava clientes com promessas de rendimentos que supostamente viriam do trade de criptomoedas. Mais tarde, seu modelo de operação de pirâmide financeira desencadeou uma série de investigações pelas autoridades brasileiras.

Glaidson, que ficou conhecido como “Faraó do Bitcoin”, foi preso na manhã do dia 25 de agosto de 2021 na Operação Kryptos. Na ocasião, outros membros do esquema foram presos, enquanto outros conseguiram escapar da polícia e fugir do Brasil, como a esposa de Glaidson, Mirelis Yoseline Dias Zerpa, que foi acabou presa em janeiro deste ano em Chicago, Estados Unidos, por morar ilegalmente no país.

Diversas pessoas próximas ao casal confirmam que a divisão de tarefas dentro da GAS era clara: Glaidson lidava com as pessoas e Mirelis com o dinheiro

No ano passado, a GAS Consultoria fez parte de uma extensa lista de empresas convocadas na CPI das Pirâmides, que também intimou Glaidson. Em depoimento, o ex-garçom protagonizou uma série de bate-bocas com alguns deputados e chegou a ser chamado por um parlamentar de “um dos maiores bandidos da história do sistema financeiro nacional”.

Publicidade

Além do roubo do dinheiro de milhares de investidores brasileiros pela pirâmide financeira da GAS, o Faraó também é acusado de ser líder de uma organização que monitorava e assassinava rivais no mercado de criptomoedas, como mostram áudios obtidos pelas autoridades.

VOCÊ PODE GOSTAR
HANDS, memecoin, mãos, rug pull,

Criador de memecoin disse que não tinha mãos, então não conseguiria “puxar o tapete” — ele mentiu

“NoHandsNoRug”, o criador da memecoin HANDS, disse que não aplicaria um rug pull. Adivinha o que aconteceu em seguida?
Imagem da matéria: SpaceY: 7 dicas para ganhar Bitcoin de graça no iOS e Android

SpaceY: 7 dicas para ganhar Bitcoin de graça no iOS e Android

Minere asteroides, ganhe Bitcoin. Veja como acumular mais satoshis enquanto joga o jogo para celular SpaceY
moeda de bitcoin dentro de armadilha selvagem

CVM faz pegadinha e descobre que metade das pessoas cairia em golpe com criptomoedas

Junto com a Anbima, a entidade criou um site de uma empresa fictícia que simulava a oferta de investimentos com lucros altos irreais
dupla de homens sendo presa

Irmãos são presos por roubo de R$ 130 milhões em ataque de 12 segundos na rede Ethereum

O procurador americano Damian Williams disse que “este suposto esquema era novo e nunca havia sido acusado antes”