Imagem da matéria: Grupo que desviou R$ 10 milhões em Portugal e lavou com criptomoedas é alvo de operação da PF
Agente da Polícia Federal durante a Operação Redescobrimento (Imagem: Divulgação/PF)

A Polícia Federal deflagrou na manhã de terça-feira (28) a Operação Redescobrimento, que mirou uma organização criminosa brasileira que, usando criptomoedas, teria desviado cerca de R$ 10 milhões de contas bancárias de clientes de bancos portugueses.

Segundo a PF, as investigações tiveram início em Portugal, pela polícia local, que identificou um grupo que fraudava contas bancárias e atuava a partir de cidades brasileiras.

Publicidade

O grupo criminoso invadia dispositivos das vítimas para obter dados bancários por meio da técnica de phishing, mediante a criação de sites e telas similares aos de aplicativos de bancos portugueses contendo arquivos maliciosos, os quais eram acessados pelas vítimas. Além disso, havia também o envio de smishing (com a utilização de mensagens SMS) e vishing (com utilização de ligações telefônicas).

“A divisão de tarefas entre os integrantes da organização criminosa revelou também a existência de pessoas com a função especializada de realizar ligações telefônicas, com sotaque do idioma português falado em Portugal, para convencimento das vítimas portuguesas a fornecer dados relevantes ou adotar alguma conduta que permitisse a obtenção de dados sigilosos”, disse a PF.

Os valores retirados dessas contas em Portugal eram então desviados para contas bancárias abertas em nome de “laranjas” também no país europeu de pessoas de diferentes nacionalidades. Em seguida, os valores eram trazidos ao Brasil por meio de outros integrantes do grupo criminoso, que mantinham contas abertas em empresas que realizam transferências e remessas internacionais de valores, destinadas a receber o dinheiro de origem criminosa no Brasil.

“O grupo criminoso ainda lavava os valores das fraudes por meio de vastos investimentos em criptoativos, os quais eram vertidos em dinheiro corrente no Brasil para usufruto dos criminosos”, diz a polícia em nota.

Publicidade

Após recebidos no Brasil, os valores eram então transferidos, ou sacados em espécie e logo após depositados, fazendo com que os ganhos financeiros dos crimes tivessem aparência de licitude e simulando origem legítima.

Foram cumpridos 21 mandados de busca e apreensão e 6 mandados de prisão preventiva nas cidades de Fortaleza (CE), Imperatriz (MA), Gurupi (TO), Jacareí (SP), São Bernardo do Campo (SP), Caraguatatuba (SP), Campinas (SP), Ribeirão Preto (SP), Vila Velha (ES) e Brasília (DF), além de ordens de bloqueio de bens e valores, deferidos pela Justiça.

Todos os alvos da operação foram presos, sendo dois em Fortaleza, um em Imperatriz, um em Gurupi, um em Jacareí e um em São Bernardo do Campo/SP. Os investigados responderão pelos crimes de organização criminosa, invasão de dispositivo informático, furto mediante fraude e lavagem de dinheiro.

VOCÊ PODE GOSTAR
Celular com logotipo da BInance

Binance lista três novos pares de negociação com USDC, FDUSD e lira turca

A corretora também vai incluir os novos pares em seu serviço de robôs de negociação (trading bots)
Imagem da matéria: Mercado Bitcoin celebra 11 anos com nova assinatura de marca

Mercado Bitcoin celebra 11 anos com nova assinatura de marca

Completando 11 anos, o MB introduz um novo posicionamento de marca, caracterizado por uma atualização na identidade visual
Letras que formam a sigla ETF próximas a uma moeda dourada de Bitcoin (BTC)

ETFs de Bitcoin têm novo dia de saídas com fluxo de US$ 226 milhões liderado pela Fidelity

O único ETF de Bitcoin a ter entrada líquida na quinta foi o IBIT da BlackRock, o maior em valor patrimonial líquido, com fluxo positivo de US$ 18 milhões
Imagem da matéria: Itaú passa a permitir compra e venda de Bitcoin e Ethereum para todos os clientes íon

Itaú passa a permitir compra e venda de Bitcoin e Ethereum para todos os clientes íon

Um dos pontos ressaltados pelo Itaú é que o banco oferece custódia própria de criptoativos, em tecnologia desenvolvida internamente