Imagem da matéria: EUA correm risco de proibição indireta das criptomoedas, diz Chainalysis
Shutterstock

Caroline Malcolm, vice-presidente de políticas públicas globais da empresa de análise blockchain Chainalysis, teme que a indústria de criptomoedas nos EUA esteja caminhando para o que ela chama de “regulamentação por execução jurídica”, que resultaria em uma proibição indireto das moedas digitais e prestadores de serviços relacionados no país. A frase é de reportagem do DailyCoin, publicada na terça-feira (4).

Segundo Malcolm, as empresas cripto querem estar em conformidade, mas precisam de diretrizes regulatórias claras, que considerem as peculiaridades do setor. Por outro lado, a vice-presidente de políticas públicas da Chainalysis argumentou que a “regulamentação por execução” continua a mudar os parâmetros, em vez de oferecer clareza que pudesse garantir investimentos futuros.

Publicidade

Caroline Malcolm observa que, embora os dados da Chainalysis mostrem que mais consumidores estavam entrando no mercado de criptomoedas, a abordagem atual de regulamentação por execução começou a impulsionar os negócios para fora dos EUA.

“Isso prejudica os consumidores dos EUA, limitando as opções de mercado disponíveis para eles e também empurrando potencialmente uma tecnologia revolucionária para fora dos limites da lei dos EUA”, diz ela Caroline.

“Portanto, uma estrutura regulatória abrangente é o único caminho sustentável a seguir — se o objetivo for realmente alcançar o consumidor proteção”, acrescentou.

Quando se refere à “regulamentação por execução”, a vice-presidente da Chainalysis se refere às decisões da Comissão de Valores Mobiliários (SEC) dos EUA em não elaborar uma relação clara de regras que a indústria deve seguir, mas demonstrar gradualmente sua regulação mediante processos jurídicos.

Publicidade

A SEC processou a Binance e Coinbase no início de junho de 2023, e até o momento já classificou 71 criptoativos como valores mobiliários não-registrados, através destes e de processos passados.

O CEO da Ripple, Brad Garlinghouse, já havia se manifestado em março deste ano, alertando para um possível êxodo de empresas de criptomoedas para fora dos Estados Unidos que, segundo ele, já estava acontecendo.

Algumas empresas norte-americanas já começaram a direcionar suas operações para outros países. É o caso da Gemini, empresa dos Gêmeos do Facebook, os irmãos Winklevoss.

VOCÊ PODE GOSTAR
Fusão da imagem de uma moeda de bitcoin com a bandeira do Paraguai

Senadores do Paraguai querem pausar toda atividade ligada ao Bitcoin; entenda

Projeto de lei quer que atividades como mineração, compra e venda de Bitcoin sejam suspensas por 180 dias
Paolo Ong, da SEC Filipinas

Termina prazo para saída da Binance das Filipinas e reguladores avisam: “Não há como sacar fundos após bloqueio”

“Não podemos endossar nenhum método de como retirar seu dinheiro agora que a ordem de bloqueio foi emitida”, disse o regulador filipino
moedas de Bitcoin sobre notas de ienes

Anúncio de investimento em Bitcoin faz ações de empresa asiática disparar 90%

Seguindo o manual da MicroStrategy, a empresa japonesa Metaplanet está atraindo forte interesse dos investidores
silhueta de executivo triste em frente a computador

Trader que lucrou milhões com manipulação de preços vai a julgamento; caso pode impactar setor DeFi

Trader que lucrou US$ 100 milhões manipulando preços na exchange descentralizada Mango Markets começa a ser julgado hoje nos EUA