Imagem da matéria: Escritório que defendia Bitcoin Banco agora processa empresa e pede R$ 1,8 milhão
(Foto: Shutterstock)

Em mais uma estranha reviravolta no caso Bitcoin Banco, o escritório de advocacia Nelson Wilians, contratado para defender a empresa, agora está processando o antigo cliente por falta de pagamento. O valor da ação é de R$ 1,78 milhão.

Conforme o processo, o contrato assinado no dia de 12 junho requisitava a atuação direta do presidente do escritório contratado “com o fim de dar entrevistas e apresentar pessoalmente a Contratante juridicamente perante a grande mídia por 6 (seis) meses, com assessoria consultiva quanto ao posicionamento de imagem do grupo Bitcoin Banco”.

Publicidade

Além disso previa também a celebração do acordo do primeiro processo a conseguir o bloqueio das contas das empresas ligadas à Claudio Oliveira no valor de R$ 6,5 milhões. A suspensão da prestação de serviços já era conhecida desde o início do mês.

Na ação, o escritório de Nelson Wilians afirma que atuou em favor do Bitcoin Banco mas não recebeu os honorários que somam R$ 1,48 milhão, valor sobre o qual é agora é pedido uma multa de 10%.

Caso o pagamento não seja feito, há também o pedido da penhora de 2 mil telefones celulares iPhone 8, que foram anunciados em um áudio por Claudio Oliveira como caso o pagamento não seja efetuado.

Não se sabe se esse foi o único acordo de defesa entre as duas empresas. É possível que tenha existido mais do que um, visto que Claudio Oliveira entrou com um processo contra, por exemplo, o Portal do Bitcoin antes da data da assinatura do contrato citado na ação.

Publicidade

Citação do Bitcoin Banco

O juiz James Hamilon de Oliveira Macedo, da 4ª Vara Cível de Curitiba (PR) mandou citar o Bitcoin Banco para que pague em três dias o título extrajudicial cobrado pelo escritório de advocacia sob pena de ter seus bens penhorados.

De acordo com a decisão, caso empresa efetue o pagamento integral nesse prazo, a Justiça do Paraná irá reduzir o valor dos honorários advocatícios pela metade, com base no Código de Processo Civil. Em vez de 10% sobre o valor da execução, o Bitcoin Banco pagaria 5%.

A empresa, no entanto, poderia também apresentar seus embargos à execução no prazo de 15 dias, “independente de penhora, de depósito ou caução”.

Na decisão consta que a empresa pode ao reconhecer a dívida no prazo de apresentação dos embargos, pedir o parcelamento em até seis vezes, desde que ela garanta 30% do valor total acrescido de custas e juros de 1% de mora,no ato do reconhecimento dessa dívida.

Publicidade

Tanto a assessoria de imprensa de Nelson Wilians quanto a do Bitcoin Banco não quiseram comentar o caso.

Entenda a crise do Bitcoin Banco

Desde o dia 17 de maio que o Bitcoin Banco vem segurando os saques de clientes. A empresa afirmou que essa crise ocorreu devido a uma invasão hacker, a qual gerou R$ 50 milhões de prejuízo.

O GBB disse por meio de seu presidente à época, Cláudio Oliveira, que alguns clientes mal-intencionados teriam efetuado saques duplos. A empresa chegou até a levar o caso à polícia.

Justiça do Paraná, por meio da 25ª Vara Cível de Curitiba, mandou intimar as empresas do grupo econômico, formado pela CLO participação e investimentos S/A; Grupo Bitcoin Banco; as exchanges Negociecoins e TemBTC entre outras a apresentar um documento produzido por uma auditoria externa independente a fim de atestar as supostas fraudes praticadas pelos requeridos.

Além disso, os saques suspensos motivaram aqueles investidores que não puderam ter acesso ao seu dinheiro e a tampouco às suas criptomoedas a entrarem com ações judiciais.

Em um dos casos, a Justiça chegou a encontrar 11 carros de luxo pertencentes a outras empresas Cláudio Oliveira.

Numa outra ação, a Justiça mandou bloquear quase R$ 6 milhões das principais empresas do grupo. Contudo, as contas estavam vazias. O valor bloqueado foi de R$ 130 mil, sendo R$ 122 mil na BAT exchange.

Publicidade

*Colaborou Alexandre Antunes

VOCÊ PODE GOSTAR
Antônio Ais posa para foto ao lado de carro

Criador da Braiscompany, Antônio Neto Ais é solto na Argentina

O benefício de prisão domiciliar valerá até que o processo de extradição para Brasil seja resolvido
Antônio Neto Ais e Fabrícia Campos, casal que lidera a Braiscompany (Foto: Reprodução/Instagram)

MPF faz nova denúncia contra donos da Braiscompany e doleiro por lavagem de dinheiro

Antônio Neto e Fabrícia Farias realizaram operações financeiras de grande porte com características de lavagem de dinheiro em pleno colapso da pirâmide
CEO do MB Reinlado Rabelo em evento da CVM na USP

“A Bolsa é sim lugar de startups”, diz CEO do Mercado Bitcoin em evento da CVM

Reinaldo Rabelo participou do evento do “Tecnologia e Democratização dos Mercados de Capitais no Brasil”
Celular com logo do Pix sob bandeira do Brasil

Pix: Um catalisador para o futuro das finanças descentralizadas no Brasil? | Opinião

Para o autor, o Pix, combinado com os princípios das finanças descentralizadas e conceitos de dinheiro programável, poderia abrir caminho para uma nova era de inovação financeira