Imagem da matéria: Dono de suposta pirâmide financeira desaparece após investidor recorrer à Justiça por perda de R$ 1,1 milhão
Foto: Shutterstock

Hélio Caxias Ribeiro Filho, responsável pela empresa Hibridus, a qual responde uma ação penal por esquema de pirâmide financeira, está sendo procurado pela Justiça para responder uma ação movida por um investidor que perdeu R$ 1,1 milhão em Bitcoin.

O processo nº 1002093-46.2018.8.26.0176 está tramitando na 2ª Vara Cível de Embu da Artes desde abril de 2018 e até agora não há notícias de Hélio Filho.  A juíza, Barbara Carola Hinderberger Cardoso de Almeida, então, mandou citar o réu por edital. A decisão foi publicada em maio no Diário Oficial do Estado de São Paulo.

Publicidade

Além de Hélio Filho, respondem também como réus nesse processo Thalia Alves de Andrade e a empresa Hibridos Club Consultoria e Gestão Financeira Ltda.

O autor desse processo busca reaver R$1.105.287,68 que foram investidos em Bitcoins. De acordo com o que consta no processo, houve um distrato em dezembro de 2017 sobre um contrato de negociação feito com criptomoedas em agosto e dezembro de 2016.

Os réus, contudo, não devolveram o dinheiro e isso fez com que o investidor se sentisse lesado e fosse procurar o judiciário, o qual concedeu uma tutela antecipada (liminar) para que fossem bloqueadas as contas dos devedores e ainda que se buscasse informações se havia algum veículo no nome deles.

O fato é que nenhum deles foi encontrado para apresentar defesa no caso. A Justiça tentou até citar os acusados por oficial de Justiça o que foi em vão.

Publicidade

Não havendo mais outra opção, foi decidido citar Hélio Filho e Thalia de Andrade por edital que deverá ser cumprido em vinte dias. Depois disso, os réus têm quinze dias para contestarem o que foi apresentado na Justiça pelo autor da ação ou caso contrário tudo que estiver na inicial será considerado como a verdade dos fatos.

Pirâmide na Justiça

O Portal do Bitcoin tem acompanhado o caso envolvendo a Hibridus. Ela tem respondido um processo penal em Embu das Artes que foi levado até ao Superior Tribunal de Justiça (STJ).

A questão era que as Justiças Estadual e a Federal estavam discutindo sobre a competência para julgar o caso.

A Hibridus teria cometido crimes contra o Sistema Financeiro Nacional, o Ministério Público então se manifestou para que os autos fossem remetidos à Justiça Federal em razão da matéria se tratar de crime Federal.

O STJ, no entanto, entendeu que pelo fato de criptomoedas não serem consideradas moeda não havia a possibilidade de se tratar de crime de lavagem de dinheiro e decidiu que a competência seria da Justiça Estadual.

Publicidade

“Modus operandi” da empresa

A Hibridus oferecia uma “uma rentabilidade fixa de 31% ao mês do valor aportado”. A pessoa, contudo, teria de investir no mínimo R$10 mil.

A empresa afirmava que fazia a aplicação em Bitcoins e após trinta dias repassava ao investidor um rendimento líquido de 31% sobre o valor aportado.

O esquema de suposta pirâmide financeira, entretanto, foi descoberto após uma investigação da Delegacia de Polícia de Embu das Artes/SP. No meio dessa investigação, a Polícia Civil ainda apreendeu “diversos equipamentos eletrônicos, veículos de luxo documentos, além da quantia em dinheiro de R$ 495.700,00” que estavam em poder dos investigados.

VOCÊ PODE GOSTAR
Imagem da matéria: Usuários da 99Pay têm chaves PIX vazadas, alerta Banco Central

Usuários da 99Pay têm chaves PIX vazadas, alerta Banco Central

Também foram potencialmente expostos dados como nome do usuário, CPF com máscara, instituição de relacionamento, agência e número da conta
Imagem da matéria: Real completa 30 anos com desvalorização de mais de 40% no período

Real completa 30 anos com desvalorização de mais de 40% no período

Lançado em julho de 1994, o real já chegou a valer mais que o dólar quando havia paridade cambial