Imagem da matéria: De US$ 1,6 bilhão a US$ 2 mil: Binance vê valor de carteira de LUNA evaporar
(Foto: Shutterstock)

Na segunda-feira (16), Changpeng Zhao (ou CZ), CEO da Binance, alegou que a corretora de criptomoedas nunca vendeu os 15,4 milhões de LUNA, recebidos em troca de um investimento de US$ 3 milhões no ecossistema Terra em 2018.

As alocações da Binance no token de governança do Terra — que dá direitos de votação sobre o futuro da rede a quem tiver o criptoativo — já valeram cerca de US$ 1,6 bilhão.

Publicidade

Agora, valem apenas US$ 2.461 e ainda estão na carteira para a qual foram enviadas — já que “nunca foram movimentadas ou vendidas”, segundo um tuíte de CZ.

A carteira possui 3,4 milhões de LUNA e fez o staking do restante.

“Existem 12 milhões de LUNA que foram usados para staking em 2021 e é como esse endereço obtém recompensas em UST. Antes, o Binance Labs nunca havia investido em UST”, afirmou um porta-voz da Binance ao Decrypt via e-mail.

Os 12 milhões em terrausd (UST), a stablecoin algorítmica do Terra, foram pagos como recompensas pelos oito milhões em LUNA que a Binance colocou em staking no Orion.Money e quatro milhões em LUNA que as empresas colocaram em staking no protocolo Staked. Ambas as transações aconteceram em 1º de julho de 2021.

Após uma semana turbulenta que começou com a UST perdendo sua paridade ao dólar na última segunda-feira (9), a blockchain Terra foi suspensa duas vezes para se recompor e evitar mais danos.

Publicidade

Neste momento, a blockchain está funcionando e a UST está precificada em US$ 0,11 e possui uma capitalização de mercado de US$ 1,3 bilhão, de acordo com o site CoinMarketCap.

O apoio da Binance ao Terra

Do Kwon, o fundador do Terra, é manchete há meses por ter começado a comprar milhões em bitcoin (BTC) para lastrear a stablecoin UST.

Antes disso, a stablecoin mantinha sua paridade por meio de um mecanismo único de emissão e queima com o token LUNA. Toda vez em que a UST caía abaixo de US$ 1, usuários podiam comprar a UST com desconto e convertê-la (e removendo-a de circulação) por US$ 1 em LUNA antes de vendê-lo no mercado aberto para garantir um lucro.

Além de ser apenas uma stablecoin pareada ao dólar, o Terra também oferecia outras moedas estrangeiras, incluindo o euro, o iene, a libra.

Publicidade

“E é exatamente por isso que Terra [UST] não é apenas outra stablecoin, e sim uma rede melhor de pagamentos que usa uma moeda digital com preço estável para complementar tanto moedas fiat [fiduciárias] como criptomoedas”, afirmou a Binance em uma publicação em 2019, “retendo toda a resistência à censura do Bitcoin e tornando-a viável para uso nas transações do dia a dia”.

Mas desde que a UST perdeu sua paridade ao dólar na última semana, a corretora cripto criticou a forma como a equipe lidou com a situação.

“Estou muito decepcionado com a forma como esse incidente foi tratado (ou não) pela equipe do Terra”, tuitou CZ na última sexta-feira (13), alegando que a equipe do Terra não havia tomado medidas após suspender sua rede.

No mesmo dia, após alertar que precisaria deslistar pares de negociação com UST e LUNA, a Binance os removeu de sua plataforma.

*Traduzido por Daniela Pereira do Nascimento com autorização do Decrypt.co.

VOCÊ PODE GOSTAR
bloco de bitcoin, ordinals, runes

O maior Ordinals da história do Bitcoin acaba de ser inscrito — até onde eles vão crescer?

O maior arquivo de Bitcoin de todos os tempos acabou de ser criado. Será que o recorde pode ser quebrado novamente?
Imagem da matéria: BNDES planeja lançar em agosto o piloto da Rede Blockchain Brasil

BNDES planeja lançar em agosto o piloto da Rede Blockchain Brasil

Blockchain deve chegar com casos de uso: diploma digital pela Rede Nacional de Ensino e Pesquisa e uma cadeia de custódia de provas
Imagem da matéria: Binance demitiu funcionário que descobriu manipulação milionária de cliente da corretora, diz jornal

Binance demitiu funcionário que descobriu manipulação milionária de cliente da corretora, diz jornal

Uma semana antes da demissão, o funcionário produziu um relatório afirmando que a DWF Labs lucrou milhões através da manipulação de mercado de seis tokens
Imagem da matéria: Fundador do Telegram diz que manterá seus tokens do Notcoin até multiplicarem por 100

Fundador do Telegram diz que manterá seus tokens do Notcoin até multiplicarem por 100

Pavel Durov detém 1% do maior token de jogo deste ano, doado pelos jogadores. E ele não está vendendo seus Notcoin – não agora, pelo menos