Cassino máquina de caça níquel jogo de azar
Shutterstock

As autoridades da cidade de Shayang, na China, confirmaram o primeiro caso do país de confisco de criptomoedas por meio de uma decisão judicial. Os criptoativos eram usados como pagamento em uma plataforma de jogos de azar.

O caso foi revelado nesta terça-feira (18) pelo site local Toutiao e repercutido no Twitter pelo jornalista chinês Colin Wu. Outros sites locais, como Chinanews e Sohu, também noticiaram o caso.

Publicidade

O caso envolve uma plataforma de jogos de azar chamada “XXX Chess and Board Game” e teve cerca de US$ 160 milhões – ou R$ 800 milhões – em criptomoedas congeladas em uma instituição financeira, cujo nome não foi revelado.

Disfarçada de xadrez e jogos de tabuleiro, a plataforma de jogos de azar agora enfrenta um grupo de elite das polícias e Procuradoria da China, denominado “728”.

O grupo agora acompanha a execução do bloqueio dos fundos, com a confirmação de uma determinação judicial anterior. Segundo as informações, vários suspeitos foram presos, incluindo o provável responsável pela plataforma, Qiu Moumou, e três suspeitos localizados no exterior.

“Minha família vai ser arruinada”

Conforme descreve o site, um jogador chamado Xiong Xong fez a primeira denúncia contra a plataforma à polícia de Shayang em 2021, mas que isso seria apenas a ponta do iceberg: “Policial, estou denunciando o crime, por favor me ajude, estou jogando no meu celular e minha família vai ser arruinada!”, disse ele na época, segundo a reportagem.

Publicidade

Ele contou que nas horas vagas usava o celular para brincar, mas que certo dia viu um de seus colegas  ganhando milhares de yuans em um jogo de cartas e resolveu depositar 100 yuans na plataforma. Xiong, conta a publicação, imediatamente baixou o “XXX Chess and Board Game” e logo ganhou uma quantia em dinheiro. Depois de jogar por um período de tempo, ele foi aumentando a aposta até perder mais de 100 mil yuans (cerca de R$ 70 mil).

Depois de ouvir o relatório do caso, o vice-prefeito da cidade de Jingmen e diretor do Departamento de Segurança Pública do Condado de Shayang, Chen Shi, mobilizou a força-tarefa “728”, com forças policiais de elite e as forças especiais local para investigar a plataforma.

“Não é fácil, é difícil de fazer!” disse Ma Jun, chefe da força-tarefa “728”. Ele afirmou que chegou a ficar estressado quando se aprofundou nas investigações, chamando o esquema da gangue de “complicada e labiríntica rede criminosa”.

Os depósitos na plataforma se davam com cartões de crédito e pagamentos terceirizados, além de realizar lavagem de dinheiro com criptomoedas, tudo para despistar as autoridades dos fundos. O problema maior é que a  espinha dorsal da quadrilha criminosa é comandada no exterior, e centenas de agentes off-line foram recrutados no país, dificultando a localização e prisão.

Publicidade

O nome do jogo inclusive era falso, para despistar possíveis investigações, relatou a autoridade, afirmando que alguns dos principais criminosos ainda estão foragidos fora do país.

VOCÊ PODE GOSTAR
donald trump

Bitcoin sobe e memecoins chegam a saltar 70% após ataque contra Trump

Memecoins inspiradas em Trump saltaram após um ataque contra ele, e o Bitcoin subiu – e os apostadores do mercado de previsão acham que isso ajudou sua campanha
Imagem da matéria: “Playboy do Bitcoin” mentiu sobre sequestro e roubo de criptomoedas, denuncia MP

“Playboy do Bitcoin” mentiu sobre sequestro e roubo de criptomoedas, denuncia MP

Marlon Gonzalez, o “Playboy do Bitcoin”, disse ter sido sequestrado, roubado e agredido, mas segundo o MP tudo não passou de um esquema
ilustração 3D de console de videogame

W-Coin: como ganhar o máximo de moedas no jogo cripto do Telegram

A W-Coin baseia-se na premissa do jogo tap-to-earn do Telegram Notcoin, com atualizações exclusivas e prêmios de staking
Imagem da matéria: EUA tentam recuperar R$ 13 mi que golpistas enviaram à Binance para cometer lavagem de dinheiro

EUA tentam recuperar R$ 13 mi que golpistas enviaram à Binance para cometer lavagem de dinheiro

Esquema usando o golpe de “abate de porcos” lavou US$ 2,5 milhões em USDT, da Tether, em duas contas na Binance