Imagem da matéria: Bitcoin pode chegar a R$ 60 mil em 2020, diz relatório da maior exchange brasileira
Halving e aumento dos holders tiveram impacto no preço (Foto: Shutterstock)

Prever o preço de um ativo volátil como o bitcoin é exercício complicado. Mesmo assim, elementos diversos permitem ao menos arriscar alguns cenários. E em um deles, projetado pela exchange Mercado Bitcoin, a maior do Brasil, a alta será expressiva.

De acordo com relatório da corretora, o ativo digital deve chegar perto de US$ 15 mil em 2020 – o que equivaleria a R$ 60 mil, na moeda brasileira.

Publicidade

A principal interferência no preço do bitcoin do ano deve vir do Halving, previsto para a segunda semana de maio. A partir dele, a emissão da moeda será reduzida à metade – dos atuais 1.800 diários para 900.

O real efeito desse corte divide especialistas, mas as exchanges ainda apostam em uma alta do bitcoin após o evento, assim como ocorreu em 2012 e 2016.

A alta experimentada em janeiro é outro fator que, de acordo com o Mercado Bitcoin, reforça a expectativa pela valorização até o final do ano.

Não só bitcoin

Além da projeção para o preço do criptoativo, o relatório da corretora também vê um cenário positivo em geral. Um desses elementos é a atenção cada vez maior dos Bancos Centrais nacionais para as moedas digitais.

Publicidade

Autoridades monetárias de países com peso no cenário global já estudam a adoção de versões digitais das moedas correntes. Para o relatório, essa mudança de visão sobre criptoativos representa uma aceitação por parte do mercado tradicional.

“Os projetos consideram o uso da tecnologia blockchain para viabilizar essas moedas digitais, o que impulsionaria mais ainda a aceitação do Bitcoin e outras criptomoedas”, diz o texto.

Esse cenário positivo, contudo, não se aplicaria à Libra, moeda digital idealizada pelo Facebook, que deve continuar distante de se tornar realidade em 2020. Contra ela pesam questões como a oposição de governos e a desistência de empresas parceiras.

E a China?

A grande incógnita para 2020, segundo o relatório do Mercado Bitcoin, cabe à China, que tem uma relação dualista com o universo cripto.

Publicidade

Segunda maior economia global, o gigante asiático se coloca como entusiasta da tecnologia blockchain e cogita uma versão digital de sua moeda, o yuan. Ao mesmo tempo, também aperta o cerco contra exchanges locais e mineradoras.

“A posição da China deve ficar mais clara com o tempo, mas 2020 esperamos apenas muita volatilidade relacionada às notícias vindas de lá”, analisa o relatório.


BitcoinTrade: Depósitos aprovados em minutos!

Cadastre-se agora! Eleita a melhor corretora do Brasil. Segurança, Liquidez e Agilidade. Não perca mais tempo, complete seu cadastro em menos de 5 minutos! Acesse: bitcointrade.com.br

VOCÊ PODE GOSTAR
Pizza em uma mão moeda de bitcoin na outra

Bitcoin Pizza Day: Corretoras comemoram data histórica do Bitcoin com promoções; confira

Semana tem pizza grátis, cashback, joguinho e descontos em comemoração à primeira transação comercial com o Bitcoin realizada há 14 anos
Sob um banco de madeira três criptomoedas ao lado de um celular com logo do Nubank

Nubank libera envio e recebimento de criptomoedas de carteiras externas

Já estão disponíveis para essas transações Bitcoin, Ethereum e Solana; outras moedas e redes serão adicionadas em breve
Imagem da matéria: Bitcoin entra em onda de alta e atinge o seu maior preço desde o halving

Bitcoin entra em onda de alta e atinge o seu maior preço desde o halving

Dados do CoinGecko mostram que o Bitcoin subiu cerca de 3% no último dia e no período de uma semana valorizou em 9%
CEO da Galaxy Digital, Mike Novogratz, em entrevista ao BNN Bloomberg no YouTube

O Bitcoin precisa de uma nova narrativa para voltar a subir, segundo CEO da Galaxy Digital

Mike Novogratz também acredita que o preço do BTC flutue entre US$ 55 mil e US$ 75 mil até que novos eventos ocorram