Imagem da matéria: ONG de estudos afro-brasileiros perdeu R$ 600 mil em empresa que prometia rendimentos com bitcoin
Foto: Shutterstock

O Instituto de Pesquisas e Estudos Afro-Brasileiros (Ipeafro) é um dos credores da BWA. A empresa, que prometia altos rendimentos por meio de operações de arbitragem com criptomoedas e deixou de pagar os clientes, reteve R$ 600 mil da entidade.

O Ipeafro agora tenta na Justiça reaver esse valor, assim como outros investidores afetados pela crise na BWA, por meio de processo que corre no Foro de Santos (SP) – cidade na qual está sediada a empresa.

Publicidade

Um levantamento do Portal do Bitcoin apontou que, até 15 de janeiro, a BWA era alvo de 110 processos que, juntos, somavam mais de R$ 30 milhões. Alguns deles envolvem ainda a NegocieCoins, exchange do Bitcoin Banco, e a BAT Exchange.

Gratuidade negada

De acordo com os autos, foi por meio da NegocieCoins que o Ipeafro investiu os R$ 600 mil em criptoativos na BWA. Os rendimentos dessa aplicação – cerca de R$ 50 mil mensais – eram usados pela instituição para manutenção de suas atividades.

Sediado no Rio de Janeiro, o Ipeafro é uma associação civil sem fins lucrativos voltada à valorização e preservação de expressões culturais das populações afrodescendentes.

O caráter social da instituição e a importância dos valores retidos foram citados como argumentos para o Ipeafro solicitar gratuidade no processo, o que foi negado pela Justiça.

Publicidade

No despacho que traz a decisão, a juíza Glauce Helena Raphael Vicente Rodrigues citou que o montante aplicado, de R$ 600 mil, aliado ao fato de estar em uma corretora de criptomoedas, não justificam a gratuidade.

Com a gratuidade negada, o processo encontra-se paralisado, já que o Ipeafro seria o responsável por arcar com os custos da tramitação.

Procurado, o Ipeafro não respondeu até publicação desta reportagem. A BWA, no momento, sequer possui um canal de comunicação.

Entenda o caso BWA

Comandada pelo empresário Paulo Bilibio, que tem histórico de envolvimento com outra pirâmide financeira, a BWA se dirigia a um público seleto de clientes, uma vez que o aporte inicial em criptomoedas era de R$ 30 mil. Os saques estão travados desde dezembro passado.

Meses antes, em outubro, começou uma corrida por saques logo após vir à tona a notícia de que Bilibio foi sequestrado por policiais em novembro de 2018. O mandante seria um suposto credor que acusa o dono da BWA de ser o verdadeiro proprietário do Grupo Bitcoin Banco, outra empresa acusada de ser pirâmide financeira e que se encontra em recuperação judicial.

Publicidade

Bilibio disse à polícia que hoje vive na Flórida, nos Estados Unidos. Enquanto isso, a BWA segue em dívida com associados e ameaçada de despejo de sua sede, em Santos.


BitcoinTrade: Depósitos aprovados em minutos!

Cadastre-se agora! Eleita a melhor corretora do Brasil. Segurança, Liquidez e Agilidade. Não perca mais tempo, complete seu cadastro em menos de 5 minutos! Acesse: bitcointrade.com.br

VOCÊ PODE GOSTAR
Sunny Pires surfando

Surfista brasileiro recebe patrocínio em criptomoedas de comunidade web3

Sunny Pires, de 18 anos, embarca neste mês em expedição à Nicarágua com apoio da comunidade web3 Nouns
moeda de bitcoin dentro de armadilha selvagem

CVM faz pegadinha e descobre que metade das pessoas cairia em golpe com criptomoedas

Junto com a Anbima, a entidade criou um site de uma empresa fictícia que simulava a oferta de investimentos com lucros altos irreais
busto de homem engravatado simulando gesto de pare

CVM proíbe corretora de criptomoedas e forex de captar clientes no Brasil

O órgão determinou, sob multa diária de R$ 1 mil, a imediata suspensão de qualquer oferta pública de valores mobiliários pela Xpoken
CEO do MB Reinlado Rabelo em evento da CVM na USP

“A Bolsa é sim lugar de startups”, diz CEO do Mercado Bitcoin em evento da CVM

Reinaldo Rabelo participou do evento do “Tecnologia e Democratização dos Mercados de Capitais no Brasil”