Imagem da matéria: Bitcoin bate US$ 17.000 e renova máxima anual com alta de 140% no ano
Foto: Shuttestock

Bitcoin superou os US$ 17.000 às 9h02 nesta terça-feira e renovou a máxima de 2020. Essa é a segunda vez na história que o bitcoin atinge esse patamar. No Brasil, a criptomoeda já é negociada acima dos R$ 93.000, conforme o índice do Portal do Bitcoin.

Em alta desde o final de março, quando teve uma queda impulsionada pela crise do coronavírus, o bitcoin já acumula valorização em dólar de 140% no ano.

Publicidade

A última vez que o bitcoin atingiu os US$ 17 mil, foi em dezembro de 2017, duas semanas antes de registrar o recorde histórico de US$ 20.000.

Aos poucos o hype visto em 2017, parece estar voltando. Na segunda-feira (16), a atriz Maisie Williams, famosa pelo papel de Ayra Stark no seriado Game of Thrones, postou no Twitter uma enquete perguntando se deveria apostar na alta da moeda.

Possíveis motivos para a alta

Nas últimas semanas, o Bitcoin parece estar na moda em Wall Street. A entrada de grandes investidores institucionais também é um fator que está movimentando o mercado no segundo semestre. Dando início a uma nova tendência, em setembro, a empresa MicroStrategy anunciou a compra de US$ 425 milhões em bitcoin. Essa foi a primeira compra pública de uma empresa listada na bolsa dos EUA.

Seguindo o exemplo, a Square, que tem como cofundador Jack Dorsey, criador do Twitter, também anunciou a compra de US$ 50 milhões em bitcoin.

Publicidade

Paypal também entrou na jogada. O gigante do mercado de pagamentos digitais anunciou que permitirá que seus clientes comprem, mantenham e vendam bitcoin e várias outras criptomoedas diretamente por meio de suas contas.

Hoje, Tom Fitzpatrick, um analista sênior do Citibank previu um movimento de alta que pode levar o bitcoin até US$ 318.000. “O momento atual do bitcoin é muito similar ao vivido em 2017, o que pode levar o preço a US$ 318.000”, disse.

Por fim, há uma questão técnica. Em maio deste ano, ocorreu aconteceu o terceiro halving na rede do bitcoin, evento programado para ocorrer de quatro em quatro anos no qual a emissão de novos bitcoins é cortada pela metade. Isso diminui a entrada de novas moedas no mercado que, com o aumento da demanda podem impulsionar mais ainda o preço. Os últimos dois halvings (2012 e 2016) foram seguidos por fortes altas nos anos seguintes.

VOCÊ PODE GOSTAR
Moedas douradas de Bitcoin (BTC) e um gráfico de preço ao fundo

Preço do Bitcoin despenca com liquidações de US$ 245 milhões no mercado

As liquidações de criptomoedas dispararam na terça-feira (11), com o Bitcoin despencando 5% e indo a US$ 66 mil
Maquinas mineração de Bitcoin apreendidas em La Colmena, Distrito de Paraguarí

Paraguai apreende centenas de máquinas de mineração de Bitcoin em nova ofensiva ao setor

Autoridades já confiscaram mais de 9.000 mil equipamentos nas últimas semanas
moeda do bitcoin com o logo da microstrategy ao fundo

MicroStrategy quer arrecadar US$ 500 milhões com notas conversíveis para comprar mais Bitcoin

A empresa de Michael Saylor já é a maior detentora corporativa de Bitcoin, com participações que excedem 1% da oferta circulante de BTC
Imagem de Glaidson Acácio dos Santos, mais conhecido como Faraó do Bitcoin

Gilmar Mendes mantém prisão de Glaidson Acácio dos Santos, criador da GAS Consultoria

A defesa do ‘Faraó do Bitcoin’ alegou problemas psiquiátricos e uso de medicamento controlado, além de questionar a jurisdição acerca da competência para os processos