Imagem da matéria: WSJ diz que EUA quebraram o anonimato do Bitcoin, mas não é bem assim
Shutterstock

Nesta quarta-feira (12) o tradicional jornal de economia americano Wall Street Journal (WSJ) publicou uma manchete de peso: “Os EUA quebraram um roubo de criptomoeda de US$ 3,4 bilhões — e o anonimato do Bitcoin”.

A afirmação feita pela manchete, no entanto, parece discutível. A reportagem faz uma análise histórica de diversos casos onde investigadores criminais usaram técnicas de rastreamento on-chain para chegar a carteiras ou indivíduos procurados.

Publicidade

Trata-se de algo que já é realizado em diversos países há algum tempo, inclusive no Brasil. O jornal, no entanto, diz que a rastreabilide do Bitcoin representaria o rompimento de uma “função elementar” da blockchain.

No decorrer da reportagem, o WSJ elenca alguns dos principais casos onde autoridades norte-americanas venceram a batalha contra a privacidade de criminosos.

Iniciando pelo caso de 2012, envolvendo James Zhong e a exploração de um bug no mais popular mercado da darknet, o Silk Road, que protagonizou um dos primeiros casos de uso massivo do Bitcoin como moeda de troca, na compra e venda de produtos do mercado negro, protegido por endereços pseudônimos.

Zhong conseguiu roubar 50 mil BTC através da falha no mecanismo de saque da plataforma, na época avaliados em cerca de US$ 600 mil, mas, no dia de sua captura por agentes federais em 2021, com um valor de US$ 3,4 bilhões, segundo o WSJ.

Publicidade

Além deste grande caso de sucesso onde foram utilizadas técnicas de rastreio da blockchain junto de diversas outras técnicas forenses, a reportagem do Wall Street Journal também cita:

O jornal de Wall Street também apresenta a empresa Chainalysis como principal aliada das autoridades na identificação, rastreio e captura de criminosos através da blockchain.

A Chainalysis alegadamente possui um grande banco de dados de endereços e carteiras, além de técnicas e ferramentas especializadas desenvolvidas nos últimos anos — que os coloca na vanguarda da rastreabilidade nessa indústria e já colecionam importantes clientes como a IRS, o FBI, corretoras e bancos.

A empresa se reuniu com o Banco Central do Brasil em janeiro deste ano (2023).

No mesmo dia da publicação da reportagem, o serviço de coinjoin da Samourai Wallet, carteira de bitcoin com foco em privacidade, marcou um novo recorde em capacidade líquida, de 7.173 BTC (US$ 215,3 milhões) — evidenciando uma procura crescente por mais privacidade, por usuários do Bitcoin.

Publicidade
https://twitter.com/SamouraiDev/status/1646071192476872704?s=20

Algumas das criptomoedas focadas em privacidade nativa também vêm apresentando valorização nas últimas 24 horas, observadas no momento da redação: Monero (+1,53%), ZCash (+4,87%) e Dash (+2,61%).

Em 2022, Monero (XMR) foi citado na minissérie norueguesa da Netflix “Desaparecimento na Noruega”, ou ”The Lørenskog Disappearance”; como um dinheiro impossível de ser rastreado.

VOCÊ PODE GOSTAR
Imagem da matéria: Caso Sbaraini: advogado tenta acordo, mas vítimas podem demorar 5 anos para recuperar investimentos

Caso Sbaraini: advogado tenta acordo, mas vítimas podem demorar 5 anos para recuperar investimentos

A Sbaraini, que operava criptomoedas, parou de pagar seus clientes após uma operação da Polícia Federal apontar para um esquema de lavagem de dinheiro dentro da empresa
Imagem da matéria: As criptomoedas estão se tornando políticas – e a Consensys quer ficar fora disso

As criptomoedas estão se tornando políticas – e a Consensys quer ficar fora disso

Enquanto outras empresas gastam milhões em candidatos pró-cripto, Joe Lubin diz ao Decrypt que a Consensys resistiu ao impulso
Pessoa inserindo chip no celular

Justiça manda TIM pagar R$ 21 mil a cliente que teve celular clonado e perda de criptomoedas

A partir da clonagem do celular, os invasores tiveram acesso ao email e posteriormente a uma carteira cripto na Binance
martelo de juiz com logo da binance no fundo

Governo dos EUA contrata empresa para monitorar a Binance

A Forensic Risk Alliance venceu a disputa contra a Sullivan & Cromwell, que atuou no caso FTX