Imagem da matéria: Volume de negociação em exchanges cai pela metade em junho no Brasil e no mundo
Foto: Shutterstock

O volume de negociações nas maiores exchanges de criptomoedas do mundo caiu pela metade em junho, enquanto a queda generalizada do mercado parece afastar os investidores.

As corretoras movimentaram US$ 958 bilhões em junho contra US$ 2,1 trilhões em maio — uma queda de 56%, segundo os dados do The Block Research. A Binance representou 69% de todo esse volume. Em segundo lugar vem a Coinbase com 8% das negociações, seguida por FTX (4,2%) e Kraken (4,1%).

Publicidade

Com esse desempenho, junho deu fim a uma sequência de quatro meses em que o volume mensal das exchanges se manteve acima de US$ 1 trilhão. Em maio, inclusive, foi a primeira vez na história que as corretoras ultrapassaram a marca de US$ 2 trilhões.

A agitação nessas plataformas, no entanto, não conseguiu se manter em junho, quando o bitcoin mais uma vez terminou o mês no vermelho, fechando o seu pior trimestre desde o final de 2018.

volume exchanges junho
Volume mensal das exchanges (Fonte: The Block)

Corretoras brasileiras

Os traders brasileiros também deram uma pausa nas negociações de bitcoin em junho, causando uma queda de  51,6% no volume das principais corretoras brasileiras, de acordo com o Índice de Preço do Bitcoin (IPB).

Se em maio R$ 6,4 bilhões em bitcoin foram movimentados no Brasil, em junho esse número caiu para R$ 3,1 bilhões.

Publicidade

A Binance continuou a sua dominância no mercado brasileiro e foi responsável por mais da metade dessas negociações (R$ 2,2 bilhões), acompanhada em seguida pelas corretoras Mercado Bitcoin (R$ 587 milhões), Foxbit (R$ 181 milhões) e Bitcoin Trade (R$ 112 milhões).

Os dados são monitorados pelo Portal do Bitcoin e correspondem ao volume diário das maiores exchanges em operação no Brasil.

Queda do bitcoin

Apesar da queda do volume das corretoras significar que menos dinheiro está sendo injetado no mercado de criptomoedas, pode indicar também que a venda de moedas pode ter diminuído.

Em maio, o volume atingiu um nível fora do normal porque parte do mercado, principalmente os investidores menos experientes, entrou em pânico com e vendeu as criptomoedas com um prejuízo de US$ 3,2 bilhões.

Publicidade

Alguns sinais, no entanto, apontam uma possível volta do interesse dos investidores. No sábado (3), as baleias compraram 60 mil bitcoins (US$ 2,1 bilhão), a maior acumulação diária vista em 2021.

Nesta segunda-feira (5), o bitcoin tem alta de 2%, valendo US$ 34.300 segundo o CoinMarketCap. Em reais, a moeda é negociada a R$ 176 mil.

VOCÊ PODE GOSTAR
pilhas de moedas douradas à frente da bandeira da Colômbia

Maior banco da Colômbia lança corretora de criptomoedas

A plataforma Wenia visa atrair pelo menos 60.000 clientes em seu primeiro ano de operação
Imagem por detrás de uma pessoa algemada

Interpol prende hacker que roubou R$ 260 mil da Polícia de Buenos Aires e lavou fundos com USDT

Liderado por um venezuelano, preso nos EUA, o grupo roubou R$ 8 milhões de entidades argentinas através de um malware de origem brasileira
Imagem da matéria: Grayscale desiste de lançar um ETF de futuros de Ethereum nos EUA

Grayscale desiste de lançar um ETF de futuros de Ethereum nos EUA

A gestora parece ter recuado da estratégia de levar a SEC aos tribunais para forçar a eventual aprovação de um ETF de Ethereum à vista
máquinas de mineração de criptomoedas apreenidas em

Polícia apreende 396 mineradoras de Bitcoin em casa de ex-deputado paraguaio

Miguel Cuevas, que já foi preso por enriquecimento ilícito, agora pode também ser investigado por furto de energia