Imagem da matéria: Veja quais corretoras irão apoiar a estreia da criptomoeda Luna 2.0 nesta sexta-feira
Foto: Shutterstock

Faltando apenas um dia para o lançamento da Luna 2.0, as principais plataformas de negociação do mercado se preparam para receber a nova blockchain Terra e a nova versão do seu token nativo LUNA.

Corretoras como Binance, Crypto.com, FTX, Gate.io, KuCoin, Bitfinex, Bitrue, Bybit e a brasileira Nox Bitcoin já confirmaram nas últimas 24 horas que irão fornecer suporte à nova versão da moeda e ao airdrop que vai distribuí-la aos atuais detentores de Luna e UST. 

Publicidade

Como descrito na proposta aprovada, a nova versão da blockchain Terra, agora sem a stablecoin UST, deve ser lançada nesta sexta-feira (27). 

Neste dia, a rede antiga terá o seu nome alterado para Terra Classic. Da mesma forma, a atual versão da Luna passará a se chamar Luna Classic e será identificada pelo símbolo LUNC, enquanto a nova blockchain e moeda ficarão com o nome original. 

Os investidores que atualmente têm LUNA e UST na carteira — ou tinham antes do colapso da moeda —  serão beneficiados por um airdrop da nova moeda.

Quem ainda mantêm Luna e UST em exchanges também será incluído no airdrop, caso a corretora decida apoiar o lançamento da Luna 2.0.

Publicidade

Corretoras detalham o apoio

A Binance anunciou nesta manhã que vai aplicar na sua plataforma as mudanças sugeridas na proposta de Do Kwon, o criador da Luna.

Na corretora, saques e depósitos de Luna e UST serão suspensos a partir das 11h (de Brasília) em preparação para a atualização. Ao meio-dia de hoje, a negociação de ambas as moedas com o par BUST também será interrompido.

A partir de amanhã, a versão antiga de Luna e UST passarão a ser identificados como LUNC e USTC na plataforma e permanecerão disponíveis para negociação mesmo após o lançamento da nova versão da rede, a partir da próxima segunda (20).

Seguindo o caminho oposto, a FTX descreveu no seu blog que o suporte a Luna 2.0 representa a interrupção definitiva das negociações das versões antigas de Luna e UST na sua plataforma.

Publicidade

Os depósitos e saques das duas moedas serão suspensos na corretora e durante a migração, as operações de todos os tokens da Terra serão pausados, incluindo as moedas C2X e ANC.

A Bitfinex fez um anúncio semelhante e informou que o ticker das versões antigas de Luna e UST permanecerão o mesmo na sua plataforma nesse primeiro momento e o novo token distribuído no airdrop será chamado LUNA2.

Os anúncios das outras corretoras internacionais são semelhantes, com exceção das sul-coreanas que enfrentam uma pressão extra dos reguladores locais.

A Upbit foi uma das poucas exchanges do país que anunciou apoio ao lançamento da Luna 2.0 amanhã.

Segundo o comunicado divulgado nesta quinta, a corretora disse que vai participar do airdrop do novo token Luna, mas que após essa ação não vai continuar oferecendo suporte à negociação da criptomoeda.

Enquanto isso, corretoras norte-americanas como a Coinbase, Gemini e Kraken ainda não se pronunciaram se vão ou não oferecer suporte para a blockchain da Terra e seus tokens.

Publicidade

Posição das corretoras brasileiras

A Nox Bitcoin, uma das exchanges brasileiras que lista a Luna e UST, também vai apoiar o lançamento da nova moeda nesta sexta, conforme explicou ao Portal do Bitcoin o CEO da corretora, João Paulo Oliveira:

“A Nox vai listar a nova moeda da Luna 2.0 assim que ela estiver disponível, estamos trabalhando nisso hoje e vendo na nossa base as condições de airdrop”.

Quando a stablecoin UST perdeu seu lastro com o dólar e foi a zero, a Nox Bitcoin arcou com o prejuízo dos clientes e gastou R$ 620 mil só com reembolsos. Ao que tudo indica, essa experiência não foi suficiente para que a corretora parasse de apoiar o projeto.

“A Nox está bem engajada com Luna porque somos uma plataforma que conecta com DeFi e renda passiva. Nossa base de cliente foi bastante afetada, mas reembolsamos a maioria. Seguimos super confiantes e animados com o crescimento do ecossistema DeFi”, concluiu Oliveira.

Assim como a Nox, a BitPreço se comprometeu em dar suporte à nova moeda e redistribuir o airdrop para os usuários que possuem Luna na plataforma. Segundo Ney Pimenta,  CEO da empresa, “Muito usuários estão contando com o airdrop para reduzirem seus prejuízos, portanto acreditamos ser importante o suporte da BitPreço nesse sentido”.

O Mercado Bitcoin também era uma das corretoras brasileiras que ofereciam investimento na Luna através da sua versão “wrapped”, a wLUNA. Contudo, a quebra do ecossistema Terra foi um sinal vermelho para a empresa que decidiu não oferecer suporte a Luna 2.0.

Publicidade

O Mercado Bitcoin também parou de oferecer a negociação de wLUNA na noite de quarta-feira. “Os clientes que ainda tiverem posição em WLUNA terão seu saldo automaticamente convertido em BRL. A conversão será processada ao longo de quinta (26) e ocorrerá de acordo com as condições de mercado do momento”, explicou.

andre franco
VOCÊ PODE GOSTAR
Imagem da matéria: Tether e Circle "imprimem" US$ 1,25 bilhão em stablecoins em um único dia

Tether e Circle “imprimem” US$ 1,25 bilhão em stablecoins em um único dia

Desde o início do ano já foram emitidos US$ 30 bilhões em stablecoins; aquecimento parece estar relacionado à expectativa pelos ETFs de Ethereum
Michaël van de Poppe em vídeo no Youtube

“É hora de investir em altcoins como Ethereum além do Bitcoin”, diz Michaël van de Poppe

Citando o Ethereum com uma das opções, o analista diz que o mercado de altcoins já passou por correção e que a tendência agora é de alta
CEO do MB Reinlado Rabelo em evento da CVM na USP

“A Bolsa é sim lugar de startups”, diz CEO do Mercado Bitcoin em evento da CVM

Reinaldo Rabelo participou do evento do “Tecnologia e Democratização dos Mercados de Capitais no Brasil”
Imagem da matéria: Câmara dos EUA aprova projeto de lei para frear criação de CBDC

Câmara dos EUA aprova projeto de lei para frear criação de CBDC

O apoio à legislação ficou bastante dividido entre os partidos, com muito menos apoio dos democratas em comparação com outros projetos de lei envolvendo criptomoedas neste mês