Sam Bankman-Fried, fundador e CEO da corretora de criptomoedas FTX
Sam Bankman-Fried, fundador e ex-CEO da corretora de criptomoedas FTX (Foto: Reprodução/YouTube)

O CEO da FTX, Sam Bankman-Fried, reconhece que os acordos que sua empresa realizou para socorrer afligidas credoras de criptomoedas em meio à queda de mercado não parecem ter sido necessariamente ótimos.

O objetivo em cada caso, segundo ele, não é ser um “acordo maravilhoso”, mas um “acordo ok”, e para limitar o quanto ele está “desperdiçando dinheiro em [algo] ruim”, explicou o empresário no mais recente episódio do podcast “gm” do Decrypt.

Publicidade

“Entramos nisso sabemos que não seriam necessariamente vencedores para nós. Estamos confortáveis com esse fato”, disse Bankman-Fried.

“E acredito que quando você pensa na Voyager — veremos o que vai acontecer — mas o melhor palpite é que são US$ 70 milhões que se foram pelo ralo, que provavelmente não veremos novamente.”

Desde que a Voyager entrou com um pedido de recuperação judicial no início de julho, após emitir um comunicado de inadimplência ao insolvente fundo de hedge Three Arrows Capital, sua ação despencou e foi removida das plataformas.

A Alameda Research, de Bankman-Fried, que estendeu uma linha de crédito de US$ 500 milhões à Voyager, deve US$ 377 milhões à credora.

Algumas semanas após o início do processo de recuperação judicial, a FTX propôs um acordo de resgate que a credora chamou de “oferta baixa de resgate fingindo ser um cavaleiro salvador”. Na semana passada, a empresa recebeu aprovação para devolver US$ 270 milhões a seus clientes afetados.

Publicidade

Até agora, a Alameda estendeu US$ 70 milhões da linha de crédito à Voyager — a quantia que Bankman-Fried afirmou que foi “jogada fora”.

“A forma como estruturamos [o resgate] foi basicamente [pensando que] existem US$ 70 milhões que sabíamos que provavelmente nunca veremos novamente”, explicou ele ao Decrypt. “Não estamos nos sentindo muito confiantes [de que vamos] pegar esse dinheiro de volta.”

Bankman-Fried está bem mais otimista com a forma como as coisas aconteceram com a BlockFi, onde a linha total de crédito agora é de US$ 680 milhões e inclui a opção de a FTX adquirir a BlockFi a um preço variável de até US$ 240 milhões com base em “gatilhos de desempenho”, conforme explicado pelo CEO da BlockFi, Zac Prince, via Twitter no início de julho.

“Fomos capazes de os levarmos a um patamar onde ficassem realmente fortes, a partir de uma perspectiva de balanço patrimonial, onde são capazes de continuar operando a todo o vapor com muito capital em excesso para ativos de clientes”, explicou ele. “E não há contágio, pois não há brechas para início de conversa.”

Publicidade

Os dois acordos feitos por Bankman-Fried, com a BlockFi e Voyager, aconteceram após contatar muitas outras empresas cripto em apuros e descobrir que muitas não estavam dispostas ou eram incapazes de participar de tais acordos, segundo Bankman-Fried.

“De todos esses socorros que tentamos, entramos em contato com todo mundo que podíamos no ecossistema e perguntamos: ‘Ei, vocês estão interessados em trabalhar conosco nisso?’”, explicou Bankman-Fried.

“E, no geral, ‘Não’ foi a resposta, ou um ‘Sim’, seguido de ‘Espera… Parece que pode haver uma brecha no balanço patrimonial e talvez houve uma má administração’. E ficamos meio… ‘Não sei o que você estava esperando, cara’.”

*Traduzido por Daniela Pereira do Nascimento com autorização do Decrypt.co.

Quer investir em ativos digitais, mas não sabe por onde começar? O Mercado Bitcoin oferece a melhor e mais segura experiência de negociação para quem está dando os primeiros passos na economia digital. Conheça o MB!

VOCÊ PODE GOSTAR
Tigran Gambaryan, chefe de compliance da Binance, posa para foto

Executivo da Binance que fugiu da Nigéria é localizado e pode ser extraditado

Autoridade queniana disse que não é simplesmente prender, pois Nadeem Anjarwalla é de família influente que “tem o apoio de algumas pessoas poderosas”
Imagem da matéria: Os NFTs ficaram para trás com boom do Bitcoin – mas a Animoca ainda acredita nos tokens

Os NFTs ficaram para trás com boom do Bitcoin – mas a Animoca ainda acredita nos tokens

Na Paris Blockchain Week, o presidente da Animoca Brands, Yat Siu, discutiu a regulamentação da SEC, o ressurgimento do mercado de NFT e as finanças de sua empresa
Criptomoedas formam círculo com bitcoin no centro

Alta do Bitcoin torna criptomoedas o investimento mais buscado no Brasil em março

As criptomoedas superaram os CDBs e fundos de ações e multimercado no ranking do buscador de investimentos Yubb
Ilustração de moeda gigante de Bitcoin observada por investidores e prestes a ser cortada ao meio

Quando será o próximo halving do Bitcoin?

O tão falado halving do Bitcoin acabou de acontecer, e o próximo já está no horizonte.