Imagem da matéria: STJ nega pedido da defesa da GAS Consultoria para soltar Faraó do Bitcoin
Glaidson Acácio dos Santos, mais conhecido como Faraó do Bitcoin. Foto: Reprodução

O Superior Tribunal de Justiça (STJ) negou nesta sexta-feira (28) mais um pedido de habeas corpus feito por Glaidson Acácio dos Santos, dono da GAS Consultoria e conhecido como “Faraó do Bitcoin”.

A decisão é do ministro Jorge Mussi, que destacou o que já foi dito por outros magistrados nas instâncias inferiores: Glaidson tem muitos recursos e grande possibilidade de fuga; mostrou-se violento e uma ameaça à sociedade; sua esposa, Mirelis Zarpa, foragida da Justiça, continua operando.

Publicidade

“Demonstrada a grande capacidade financeira do paciente [Glaidson], já contando com estrutura capaz de permitir que se estabeleça fora do Brasil; movimentações financeiras expressivas e constantes que podem ser replicadas através de simples acesso à rede mundial de computadores dificultando sobremaneira o rastreio e contenção; apreensão de significativo valor em espécie; reiteração próxima com movimentação de contas depois da deflagração das ações policiais; diálogos captados indiciando articulações para que o paciente deixasse o país e outros indicando ordens suas a agentes de segurança particular para que adotassem ação violenta em face de profissionais da mídia em geral, tem-se um contexto onde medidas cautelares alternativas se mostrariam, a princípio, insuficientes para estancar o risco à Ordem Pública e à Aplicação da Lei Penal”, afirma Mussi.

O ministro ressalta que cabe a outras instâncias julgar o mérito do caso (se Glaidson é culpado ou não), mas que no momento sua prisão é necessária.

Sinalização para a Justiça

Reportagem do jornal O Globo publicada na quinta-feira (27) informa que o advogado Ciro Chagas confirmou que a defesa da GAS Consultoria apresentou à juíza Rosália Figueira, da 3ª Vara Federal Criminal do Rio, um plano para pagar as vítimas da pirâmide.

Não foram revelados detalhes do plano: quantas pessoas irão receber, qual o valor total, como será o pagamento. Os advogados apenas disseram que há dinheiro suficiente para os pagamentos.

Publicidade

Chagas é o advogado da venezuelana Mirelis Zerpa, esposa de Glaidson Acácio dos Santos, que ficou famoso como o Faraó do Bitcoin.

A reportagem d’O Globo aponta que a defesa deve buscar um acordo de leniência: trata-se de uma ferramenta jurídica na qual um acusado coopera com a Justiça em troca de algum benefício (diminuição da pena e prisão domiciliar, por exemplo).

Este tipo de acordo foi muito utilizado na Operação “Lava Jato”.

O jornal conversou com alguns investigadores do caso – que pediram anonimato – e eles se disseram surpresos e incrédulos: acreditam ser só mais um meio de colocar pressão pela soltura de Glaidson.

Caso GAS Consultoria

Glaidson é suspeito de pirâmide financeira com criptomoedas e réu em processo que apura crimes contra o sistema financeiro nacional. Está preso desde agosto e agora também é acusado de encomendar um homicídio.

Publicidade

A Polícia Federal, a CVM e o Ministério Público, juntaram documentos apreendidos na operação Kryptos e a Justiça o tornou réu, juntamente com mais 16 acusados. Sua esposa Mirelis Zarpa, provável cabeça do negócio que prometia 10% de rendimentos ao mês, ainda está foragida.

Na ocasião da prisão de Glaidson e demais suspeitos, os agentes da PF e Receita Federal apreenderam 591 bitcoins, avaliados na cotação atual em cerca de R$ 195 milhões, dezenas de carros de luxo e mais de R$ 13 milhões em espécie.

Tentativa de homicídio

A Polícia Civil do Rio de Janeiro divulgou em outubro do ano passado o indiciamento de Glaidson Acácio dos Santos por tentativa de homicídio. O dono da GAS Consultoria, também conhecido como Faraó do Bitcoin, é suspeito de encomendar o assassinato de Nilson Alves da Silva em março deste ano.

Conforme aponta reportagem do jornal Folha de S. Paulo, Nilson estaria espalhando pela cidade de Cabo Frio (RJ) que o dono da GAS seria preso e isso motivou a encomenda de seu assassinato por Glaidson.

A Polícia Civil do Rio de Janeiro também acusa Glaidson de ter encomendado a morte de Wesley Pessano, que foi encontrado morto a tiros em 4 de agosto do ano passado em São Pedro da Aldeia, Região dos Lagos. 

Publicidade
VOCÊ PODE GOSTAR
Imagem da matéria: El Salvador lança site de Bitcoin e revela quantas criptomoedas possui hoje; confira

El Salvador lança site de Bitcoin e revela quantas criptomoedas possui hoje; confira

Segundo os dados do mempool, El Salvador comprou 30 bitcoins no último mês
Moedas de bitcoin sob mesa escura com sigal ETF

Manhã Cripto: ETFs de Bitcoin voltam a captar mais US$ 100 mi por dia nos EUA; Ex-diretor da FTX pede 18 meses de prisão

Mercado também começa a se preparar para veredito final da SEC sobre os ETFs de Ethereum à vista
Cauda de baleia sob um mar de moedas de bitcoin

Baleia acorda de sono de uma década para mover R$ 217 milhões em Bitcoin

Carteira recebeu a quantia de 687,33 BTC no dia 12 de janeiro de 2014, quando a cotação do Bitcoin estava em US$ 917
Imagem da matéria: Reguladores afirmam que Coinbase não pode obrigá-los a criar regras “do zero” para setor de criptomoedas

Reguladores afirmam que Coinbase não pode obrigá-los a criar regras “do zero” para setor de criptomoedas

Em um processo judicial, a SEC argumentou que a Coinbase não pode exigir que o regulador escreva novas regras para o setor cripto